sábado, 14 de junho de 2014

Ai é?

Numa manobra que lembra os primeiros tempos de Bimbo da Costa à frente dos corruptos, o clube do norte voltou a pescar em Alvalade (de acordo com os jornais) e levou para a equipa B o defesa guineense Braima Candé, agenciado por Catió Baldé.
Ai é?
Não conheço o jovem...não sei se foi dispensado, se foi desviado, se foi aliciado com café com leite, ou se lhe prometeram a parte de cima do beliche.
O que sei é que já o ano passado o clube da fruta, em guerra aberta com o Sporting, levou os juvenis Idreto Cassambú e Morissa Sambá (ou seria Moreto Cassamá e Idrissa Sambú ?) aproveitando o diferendo com o empresário no caso Bruma.

Longe vão os tempos em que aliciaram Futre, mas a aposta nestes jovens ajuda a demonstrar que os métodos são idênticos mas a decadência do Bimbo e dos seus comparsas já é notória.
Claro está que não gosto de ver nada nem ninguém sair para um rival. Não gosto que um jogador, um treinador ou um calhau da Academia sejam apresentados como troféus de guerra...ou como a orelha ou rabo de um touro morto na arena. 
No entanto, o momento deve ser relativizado.

Todos sabemos que o futebol guineense tem dado ao mundo grandes nomes. As grandes estrelas são Sufrim Lopes (que jogou na Naval) ou até Bocunji Cá (que joga em França). 
Qualquer amante do futebol no Bangladesh ou na Ilhas Virgens já terá ouvido falar deles.
Mas também há o fenómeno Yannick Tijoló ou o mais recente reforço da selecção portuguesa, Ederzito. 
Não esquecer Agostinho Cá e Edgar Ié, que foram tirar uma licenciatura em tiki-taka, mas o Cá foi entretanto emprestado ao Girona e fez um jogo.

Ah, e Amido Baldé, uma pérola saída da Academia e que fez 3 jogos a titular no Celtic de Glasgow.
Não sei se estamos a ver fugir as grandes estrelas do futebol mundial do futuro, mas sei é que o Sporting pode sagrar-se campeão de juvenis este fim de semana, depois de ter perdido as duas estrelas guineenses para os corruptos no início desta época desportiva.
Mesmo que tal não aconteça, a equipa sobreviveu a mais um golpe de estado da Guiné.