domingo, 30 de novembro de 2014

Espumante fresquinho

Depois de várias jornadas consecutivas onde o benfica foi beneficiado pela arbitragem,finalmente um jogo onde não aconteceu nenhum lance irregular.

Não...nem pensar.

O benfica goleou por 0-2 e o 2º golo, à beira do intervalo, pode ter suscitado algumas dúvidas, mas as imagens vêm dar razão a quem já colocou o espumante rasca no frigorífico.


Fresquinho, fresquinho!!


sábado, 29 de novembro de 2014

Umbigos

A atenção mediática costuma estar centrada nos três grandes.
O que acontece ao seu redor pouco parece interessar, e os próprios adeptos dedicam-se a olhar fixamente para o seu umbigo...e de soslaio para o umbigo dos rivais.


Mas quando se intrometem nesta ditadura, há a tentação de olhar um pouco mais além.
Se há duas épocas atrás dei por mim a analisar atentamente o calendário e percurso de Beira Mar, Moreirense ou Gil Vicente, que poderiam ser nossos adversário directos para vergonhosos objectivos, a presente época tem-me obrigado a olhar em todas as direcções.
Já provoquei dois torcicolos e uma hérnia porque ora estou a olhar para benfica e porto, ora dou por mim a perscrutar o umbigo de Guimarães, Belenenses, Braga, Paços, Estoril ou Rio Ave.
Se este ritmo frenético continuar, ainda me saltam os olhos das órbitas.


A época 20114/15 não tem fugido muito à regra da nova ordem do futebol.
A lampionagem a ser levada em ombros, quase de modo triunfal...desde a primeira jornada.
O porto a assumir a sua sportinguização, e o Sporting a tentar fugir desesperadamente à anunciada belenização.

Mas a luta pelos milhões da Liga dos Campeões pode voltar a ter outros pretendentes, e o Guimarães é um dos que se tem destacado neste primeiro terço da época.
A vantagem para o Sporting já começa a ser preocupante, e a sua regularidade está patente no saldo de 8 vitórias, 2 empates e apenas 1 derrota.
A sua vitória perante um Sporting banal levou até a que se relativizasse que dois dos três golos vimaranenses tivessem sido obtidos de forma irregular.
Claro está que este facto teria sido exponenciado se tivesse sido a lampionagem...ou mesmo os corruptos, a beneficiar de tamanha ajuda.

Serei apenas mais um dos que só olha para o umbigo do Guimarães duas vezes por ano, habituado que estou a que o balão que os impele se vá esvaziando com o passar das jornadas, mas dado que continuam a pairar sobre as nossas cabeças fui instado a dar mais uma espreitadela.
Ontem o Vitória voltou a vencer, reforçou ainda mais os seus índices de confiança, e voltou a vencer com ajuda arbitral.
Um penálti patético permitiu que os vitorianos empatassem ainda antes do intervalo, e um golo mal invalidado ao minuto 84 impediu que o Moreirense empatasse.

Claro está que os nossos olhos irão continuar focados na pouca-vergonha que acontece ao redor do umbigo dos lampiões, algo que chega a cegar-nos. No entanto, não será menos preocupante reparar que podemos não só estar a ser empurrados do objectivo assumido pelo Conselho Directivo, como também de outro fulcral para a sustentabilidade do clube.  



video

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Líder todos os dias


A página oficial da Sporting Tv no Facebook anunciou, na passada 4ª feira, que o canal liderou a audiência no Cabo no último dia da UEFA Futsal Cup, com mais de 190 mil telespectadores.
Em minha casa lidera todos os dias.

Parece-me um motivo de grande orgulho e satisfação que um canal com pouco mais de 4 meses de emissões, vinculado a um clube desportivo e na sequência da transmissão de uma modalidade (dita) amadora, tenha ocupado essa posição, mesmo que de forma breve.
Mas a verdade é que este ponto alto do canal pode não calar muitas das críticas que tenho lido amiúde.
A indignação começou ainda antes do canal ter iniciado as suas emissões, tudo porque um atraso no pedido do clube junto das entidades competentes não permitiu que o dia 1 de Julho marcasse a chegada do Sporting a nossas casas.

Por pouco não houve um levantamento popular mas, tal como prognostiquei na altura, o desencanto iria esvaziar-se assim que o genérico nos chegasse à retina.

Ainda antes do início das emissões fomos também confrontados por crónicas de profissionais da má-língua, como por exemplo a do jornalista João Miguel Tavares. Elevou a “estima” que muitos sportinguistas lhe têm, na sua sexista opinião intitulada “A Sporting Tv e as gajas boas”.
Baseando-se unicamente na imagem que publicitava o arranque das emissões, lançou uma verdadeira pérola jornalística:


“…O que esta notável imagem demonstra é que o futebol é mesmo o último reduto do labrego português, que se baba por gajas boas de mini-saia. Estão ali 11 pessoas. Cinco são machos de fatinho, a maior parte dos quais ocupa o plano da frente e tem programas "de autor". Seis são fêmeas de mini-saia, relegadas para segundo plano, e ali colocadas a mostrar o corpinho apenas para fazer tintilar o homem futebolístico nacional….”

Apesar do baixo nível demonstrado, compreendo que a criatura, não sendo adepta do clube, utilize todos os seus trunfos para achincalhar o Sporting e os seus adeptos.
Pese embora algumas das visadas ainda tenham que melhorar a sua relação com a terminologia desportiva, utilizaria esse mesmo léxico para dizer que acredito que temos jovens promessas no nosso plantel, com potencial de crescimento.
Se quiser ser tão sexista quanto JMT, direi que prefiro ver qualquer uma das nossas jornalistas com escafandro, do que Leonor Pinhão de mini-saia.

Mas porque sportinguista que se preze é bastante exigente, não lhe bastou escrutinar toda e qualquer escorregadela de quem dá corpo e voz à actualidade leonina. Quase toda a grelha de programação é minuciosamente espiolhada, e as apreciações mais ou menos insidiosas vão-se sucedendo, mesmo que o canal ainda não tenha sequer entrado em velocidade de cruzeiro.
Tivemos por exemplo críticas contundentes ao estilo descomplexado e radiofónico de Carlos Dolbeth no futebol. 
De facto utilizou alguma verborreia com que os sportinguistas não se identificam, mas foi mais evidente no comentário das modalidades que aquela não era a sua praia.
No entanto, em estúdio, demonstra que é uma pessoa atenta à realidade, e de vez em quando é agradável ouvir alguém que não censura a sua própria opinião sobre o podre futebol nacional.
Já o futsal recrutou António Simões, mas uma primeira experiência em que debitou 30 portantos por minuto ( 30 ppm) antevia vida difícil. Apesar desse arranque aos solavancos, o seu vasto conhecimento da modalidade e a colocação de um limitador de portantos foram um enorme upgrade nos jogos que temos podido assistir.
Diria até que o modo como relatou o golo contra o Inter Movistar, na final da Ronda de Elite ainda me ecoa na sala, e foi um dos pontos altos desse dia.
Ainda no futsal, cheguei a ler quem considerasse que não tínhamos capacidade para assegurar, com competência, a exclusividade das transmissões dessa mesma Ronda de Elite. Que seria melhor ser uma qualquer RTP a fazê-lo. 

Palavras para quê? O resultado ficou à vista.


Mas não é só no futsal que estamos bem servidos. No renascido hóquei em patins temos tido transmissões de altíssima qualidade, tanto a nível de realização como de comentários.
Incompreensível pode considerar-se o facto de não termos tido acesso ao directo do andebol do Sporting em dois jogos a meio da semana mas, dado que desconheço os motivos desta opção, remeto-me ao silêncio e direi apenas que, também aqui, temos tido comentários de enorme competência.
Já o basquetebol só pode melhorar. É que falar em ataques pelas alas, livres, ataques de 30 segundos e do posicionamento no relvado…levou a opiniões de que, assim, mais valia não haver Sporting tv.

Eh pá, eu compreendo a frustração mas…não é para tanto.

Foram demasiados anos a sonhar com um espaço onde, de facto, nos sentíssemos em casa, para agora  querer derrubar o edifício que tanto demorou a erguer apenas por ter um problema na canalização ou uma porta empenada.


quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Encaixes


O Rascoff destaca hoje o facto de que a carreira do Sporting na presente edição da Champions já permitiu o maior encaixe financeiro de sempre.

O clube leonino tem garantidos 11,1 M€ mas pode chegar aos 14,6 M€ caso consiga a passagem aos 1/8 de final da competição. 
No entanto, cautelas e caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém, e será pertinente não dar por garantido este cenário.
Realça a referida publicação, não sei se de modo ingénuo ou com segundas intenções, que o encaixe financeiro praticamente pagará o investimento feito no início da época, que ascendeu a 15,6 M€.

Não sei se o faz de modo ingénuo porque continuo a ver sportinguistas a colocar em causa muitas das contratações, numa simbiose quase perfeita com os que nos querem derrubar.
Independentemente do destino que tenha esse encaixe, parece-me muito mais pertinente dizer que os milhões da sua participação nas competições europeias darão para cobrir praticamente metade do orçamento para toda a época.


Enquanto estamos entretidos com o nosso encaixe, há uma equipa do norte que já amealhou um pouco mais, graças a um percurso mais limpo e a consequente passagem à fase seguinte da competição.
Esses 18 milhões já darão para cobrir o investimento em Adrián Lopez e, quem sabe, comprar mais alguma percentagem do valor do seu passe.
Mas se quisermos ser coerentes, podemos constatar que todos esses milhões apenas darão para 1/5 do orçamento previsto para a época em curso.


Já a outra equipa que participou na Champions poderá ter um encaixe aproximado ao do Sporting, caso consiga vencer na sua despedida da Europa na presente época.
Caso isso ocorra, os ordenados de um dos "melhores" treinadores do mundo e de um dos "melhores" guarda-redes do mundo estarão garantidos.

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Reservado


  
Porque a arrogância tem um preço






Breves


Breves:

- Os sportinguistas Eduardo M’bengani e Sara Moreira serão os cabeça de cartaz do nosso país no campeonato europeu de corta-mato, que vai decorrer na Bulgária. O sector masculino irá apresentar apenas dois atletas, ambos do Sporting, e não entrará nas contas colectivas, o que acontecerá pela primeira vez na história da competição. Triste fado, mas esta música já se vinha adivinhando.

-A resposta de Eduardo Barroso ao ataque de MST a BdC, no seu espaço de opinião nas páginas do mesmo jornal onde Sousa Tavares destilou ódio é de leitura obrigatória.
Não sendo leitor ou telespectador habitual do tempo de antena de Eduardo Barroso, assim como espero não vir a ser seu paciente, dei o tempo por bem utilizado.


-O Real Madrid celebrou um acordo milionário com o Banco Nacional de Abu Dabi e aceitou retirar do seu emblema uma pequena cruz, por forma a não melindrar clientes muçulmanos do referido banco que tenham um espírito mais sensível.
Parece que o dinheiro pode comprar não só a dignidade, mas também a identidade.
Se a cor dos nossos equipamentos quase deu para uma guerra fratricida, imagino o que aconteceria se trocássemos o leão por algumas notas verdes.


Vai um dardo na testa?

Li há dias que cinco árbitras de futebol italiano posaram, de forma sensual, para a câmara. Do trabalho será feito um calendário, com o objetivo de ajudar a secção feminina da associação italiana de arbitragem. 

Dadas as "dificuldades" por que passaram os nossos árbitros, parece-me que esta poderia ser uma alternativa financeiramente aliciante, em vez de serem benfica e porto a patrocinar a regularização da dívida.
Eu até era capaz de ter um em casa, provavelmente para servir de alvo a um jogo de dardos.






Elemento neutro


Ao pensar no cenário que o Sporting terá de enfrentar, na tentativa de apuramento para os 1/8 de final da Champions, sou levado a recordar-me de idêntico panorama que o benfica dispôs, na edição 2012/13 desta prova.

O Sporting desloca-se a Londres onde terá que empatar, como pior das hipóteses, para não ter de depender do resultado entre Maribor e Schalke.
Não se afigura nada fácil, mesmo que a equipa de Mourinho dê tréguas a alguns dos seus mais influentes jogadores.
É que as segundas linhas dos blues seriam titulares indiscutíveis no Sporting ou em qualquer outra equipa de topo em Portugal.
Deste modo, o jogo em Inglaterra terá sempre grau de dificuldade máximo a não ser que, como fez o Barcelona há dois anos atrás quando recebeu a equipa de Jesus, Mourinho se lembre de atirar às feras alguns jovens da equipa B, misturados com os habituais suplentes.
Sinceramente não acredito que o treinador português seja tão audaz quanto foi Tito Vilanova, mesmo com a equipa já qualificada, à imagem do referido Barça.
A verdade é que o benfica de então viu ser-lhe estendida uma passadeira vermelha que, recorde-se, nem assim conseguiu aproveitar.
Aliás, no seu habitual estilo de vendedor de banha da cobra ou de enganar tolos com papas e bolos, Jesus veio dizer que, apesar do empate que os afastou da Champions, nunca ninguém fez o que a sua equipa foi capaz de fazer em Camp Nou.
Ah, não estavam Valdés, Dani Alves, Piqué, Mascherano, Busquets, Xavi, Iniesta, Messi, Pedrito, Fábregas ou Alexis Sanchez?
Para Jesus isso pouco pareceu interessar de modo a camuflar a eliminação precoce perante as camisolas do Barça.
Para piorar o cenário, no outro jogo o Celtic conseguiu perto do final o único resultado que não interessava aos encarnados, e atirou-os para a Liga Europa.

Quando visitarmos Stamford Bridge não teremos, quase garantidamente, metade das facilidades que os catalães propiciaram à lampionagem.  Além disso, o Maribor necessita vencer o Schalke para tentar aceder à Liga Europa, o que poderá escancarar a sua defesa e facilitar a tarefa dos alemães, e uma vitória destes poderá deitar por terra as nossas esperanças.
Claro está que as contas fazem-se no fim, mas espero não ter que maldizer…para a eternidade, todas as coincidências que marcaram negativa e atribuladamente a fase de grupos do Sporting.
É que aquele penálti de Gelsenkirchen poderá mesmo vir a ser o elemento neutro na nossa tentativa de multiplicação de pontos e euros.




Horas extraordinárias


Sporting 3 Maribor 1

O Sporting carimbou hoje a sua permanência nas competições europeias, após uma vitória recheada de acontecimentos.

Não me quero alongar em detalhes técnico-tácticos, sempre enfadonhos e de análise subjectiva.
Directa e concisamente, o jogo teve tudo para ser um passeio triunfal a caminho da goleada, e acabou com uma agradável mas acanhada vitória.
Os primeiros minutos já me faziam dar pontapés na atmosfera, naquele acto-reflexo quando a bola parece não querer entrar.
O golo de Mané, logo no primeiro quarto de hora, diluiu alguma da desconfiança que sempre me acompanha. É que a história teima em demonstrar que o adversário nem precisa de rematar à nossa baliza para vencer um jogo, como aconteceu por exemplo no dérbi de futsal.
O golaço de Nani, pouco depois da meia hora de jogo, começou a transportar-me para outra dimensão, mas o auto-golo da praxe trouxe-me de volta à Terra.

Mas a verdade é que a primeira parte foi muito bem conseguida, não fosse esse tiro no pé e algumas ingenuidades repetidas demasiadas vezes.
Não me parece muito normal que uma equipa perca quatro posses de bola, em 45 minutos, por os seus jogadores tentarem fazer o papel de fiscal-de-linha.
Parece-me que a intensidade com que se disputam essas bolas, e a inteligência com que se abordam esses lances, devem também merecer a atenção de todos.

E eis que chega o intervalo de uma hora.
Provavelmente um fusível mal atarraxado provocou uma paragem inédita, pelo menos no nosso estádio. Já houve apagões (mais ou menos intencionados) um pouco por todo o lado, e alguns de triste memória, mas a verdade é que este só nos poderia prejudicar.

Quando finalmente recomeçou o jogo confirmou-se o que se temia. O Sporting tinha perdido o ritmo frenético da 1ª parte, e os primeiros 15 minutos foram de algum sofrimento, mesmo que os eslovenos mal tenham incomodado Patrício.
Mas são muitos anos a virar frangos…e a ver frangos e outras aves canoras, pelo que era imprescindível que o Sporting reentrasse no jogo. Nunca se sabe se Jefferson quereria bisar.
O golo de Slimani desmontou à peça as ténues esperanças do Maribor, e ficou reaberta a via verde para a baliza dos eslovenos.
Afinal, as horas extraordinárias que foram obrigados a fazer resultaram em extraordinárias jogadas de ataque.
Mas, infelizmente, o que podia ter sido um resultado histórico, limitou-se a ser uma sucessão de celebrações e gritos de GOOOOOOOO….abruptamente interrompidos.
Nada disto acaba por ser relevante, porque quaisquer três pontos nos colocariam na senda do apuramento para os 1/8 de final.
A Liga Europa está garantida, mas saberá a muito pouco, se pensarmos que temos os milhões e o prestígio à distância de um ponto.
Pior ainda, se pensarmos que, se houvesse justiça, teríamos hoje carimbado a passagem a essa fase da competição, não fosse aquele roubo na Alemanha.
Já agora, que estou com a mão na massa, deixem-me falar do árbitro vindo das ilhas britânicas.
Sim, porque falar de arbitragens quando se perde soa sempre a azedume.

É que uma penálti e uma expulsão escandalosa ficaram por marcar o que, associadas a uma série de pequenas faltas que permitiram ataques prometedores dos eslovenos irritaram até o mais pacato cidadão.
Quero acreditar que tudo se deveu ao facto do escocês não ter sido submetido ao teste de alcoolemia.     
             




terça-feira, 25 de novembro de 2014

Ventania

Como é sabido, Miguel Sousa Tavares escreve semanalmente para o jornal A Bolha um artigo de opinião, num espaço baptizado como "Nortada".

Em mais um episódio da sua campanha anti-BdC e anti-Sporting, a ventania que hoje se sente ao chegar à página 38 é brutal, e o título do texto ajuda a explicar o fenómeno atmosférico: "Quem semeia ventos colhe lamentos".

Haverá quem possa ficar com os cabelos em pé, dada a intensidade das palavras, mas confesso que esperei pacientemente pela resposta depois de Bruno de Carvalho ter feito referência a este e outro escriba numa recente entrevista.

Dizem que de Espanha que não vêm “nem bons ventos nem bons casamentos, mas ao desaconselhado vento de Leste acrescentaria o vento que sopra de Norte.
É claro que MST convive em perfeito estado de harmonia com os elementos adversos, dado que faz do "maldizer" um dos seus modos de vida.
No entanto, estas azedas palavras encontram certamente eco no habitual espectro de apoiantes, mas também numa inusitada turba de pontuais aliados. 
Sim, porque tendo em conta as palavras elogiosas de MST a L.F.Vieira, os adeptos do benfica vão passar a ouvir violinos onde antes ouviam o ruído ensurdecedor de uma betoneira. 
Diria que até alguns apoiantes do Sporting irão ganhar uma súbita estima pelo porta-voz de PdC.

MST faz questão de repetir, quase até à exaustão, que o porto tem deixado BdC a falar sozinho após cada um dos ataques que o presidente leonino fez à estrutura portista, não se percebendo, deste modo, porque sentiu necessidade de contrariar a tendência do paizinho.
Se a estratégia tem sido a de não responder, seria coerente ser mais poupado nas palavras e na brisa que lhe sai da boca.

A sabedoria popular diz-nos que "Lugar ventoso, lugar sem repouso", pelo que não será de esperar melhorias neste Outono ciclónico.
Mas como também costuma dizer-se que “palavras leva-as o vento”, vou esperar que o tempo e a meteorologia se aliem e varram a crónica para o esquecimento.
Creio que MST não se mostrará muito desagradado quando isso acontecer, desde que o pagamento dos seus pensamentos desgarrados apareça a tempo e horas.



Fenómenos para-anormais

Já todos sabemos que o futebol português é palco de frequentes fenómenos paranormais…ou para-anormais, consoante a perspectiva.
Assistimos, com cada vez maior assiduidade, a ocorrências que deixam até os mais cépticos algo apreensivos.

Quem nunca assistiu a Maxi Pereira possuído?
A verdade é que nunca foi exorcizado, e por isso continua a aterrorizar os campos por onde passa.
E aparições?
Penáltis-fantasma, expulsões-fantasma, foras-de-jogo-fantasma, são só algumas das que surgem do nada e nos atormentam o fim-de-semana.
E reencarnações?
Em quantos corpos de árbitros terá entrado a alma de Inocêncio Calabote, por forma a vaguear por esses campos fora?
E fenómenos tipo Poltergeist?
Quem nunca observou ocorrências como a da rega automática que começa a funcionar sem explicação, luzes que se apagam ou agressões em túneis praticadas por gente vinda do além.
É verdade, os fenómenos para-anormais são fenómenos crescentes e parece não haver quem os consiga expurgar.

Mas há outro tipo de assombrações para as quais não se encontra explicação.
Uma das mais famosas foi aquela em que Enzo Perez, que nunca teve nenhuma aparição como melhor jogador do mês, pairou sobre as nossas cabeças com o troféu de jogador do ano.
William Carvalho é que ficou com a alma penada.
Daria para rir, se esse espectro não fosse tão assustador.
Mas a II Liga também parece estar condenada ao esoterismo.
É que Gonçalo Guedes, jovem do benfica b, venceu na passada semana a votação do Sindicato de Jogadores para melhor jogador de Outubro na II Liga, à frente de Tozé Marreco, do Tondela.
Acredito que, ao ler a notícia, qualquer pessoa sinta a marreca a crescer ao ritmo de uma borbulha de adolescente.
Sim, porque desta vez parece ser Enzo Perez a tentar encarnar em Guedes, o que já começa a ser preocupante…tenhamos ou não uma proeminente marreca.
É que o avançado da equipa secundária dos “encarnados” só disputou dois jogos completos, não marcou qualquer golo e a sua equipa só venceu um desses 4 jogos onde participou.

Eu não sei se precisamos dos Ghostbusters…ou de um exorcista, mas desconfio que vai ser muito complicado livrar-nos da bicheza.


segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Cubo trágico

Quando tanto se fala do definhar da formação leonina, a concorrência é apontada como percorrendo o percurso inverso.
Disso faz hoje capa o Rascoff, e o jornal quase que teve que lançar uma 2ª edição de modo a conseguir que a palavra “REVOLUÇÃO” coubesse na tiragem desta segunda-feira.
Parece que vão construir mais 3 campos…e mais quartos para os miúdos, mas é o “Cubo mágico” que parece vir revolucionar o treino.
Desengane-se quem pensa que tem qualquer parentesco com o Cubo de Rubik.
Não. A máquina, baptizada como 360S, é um simulador que visa aperfeiçoar a velocidade de reacção e a precisão de passe.

Eu confesso que o único modo que arranjei para solucionar o cubo mágico de Rubik foi desmontar o quebra-cabeças e voltar a montar, com as cores nos sítios certos. Outro modo, bem mais prático, passava por descolar os quadrados de cores, e voltar a colar…em tempo recorde.
É verdade que andei lá perto, já só me faltavam os cantos, mas soçobrei à pressão do sucesso a qualquer preço.

Por isso, acredito que se este cubo mágico da ETAR não der resultados a curto prazo, é possível que também inovem com o Cubo trágico.
Um simulador que vise aperfeiçoar a velocidade de reacção dos árbitros, e a precisão com que influenciam os jogos.
Eu sei que é isso que já acontece actualmente, mas aquela malta pode precisar das novas tecnologias, como tanto tem sido apregoado, para melhorar o seu rendimento.

Se o dinheiro com que foram regularizados os seus honorários saíram eventualmente dos seus bolsos, não haverá mal em querer que aquela malta veja o seu rendimento recauchutado.



Como é bom...

Durante o fim-de-semana, as nossas atenções tiveram que se desdobrar por múltiplos eventos.
É bom sinal que isso aconteça, principalmente quando se compete ao mais alto nível.

Como é bom o futsal voltar a marcar presença na fase final da competição, deixando um dos grandes favoritos a ver pela tv.
Como é bom o andebol continuar a sonhar alto, mesmo contra o descrédito de alguns adeptos e contra a arrogância espanhola.
Como é bom o hóquei fazer lembrar tempos que pensávamos não ter retorno.

Por tudo isto, e muito mais, passou um pouco despercebida a primeira vitória da nossa Sara Moreira, no Cross de Torres Vedras.

Aquela camisola assenta-lhe que nem uma luva.

domingo, 23 de novembro de 2014

Pânico

Confesso que, por vezes, as declarações dos jogadores atravessam os meus ouvidos sem fazer vibrar o tímpano.
Muitas vezes não passam de chavões...frases feitas.
Gosto, quando tal é possível, de ouvir algo que fuja da rotina e daquilo que já sei que será dito.

Hoje gostei das declarações de Alex, ao afirmar que o jogo não lhe provocou qualquer pressão. Contudo, vincou o facto de que o que mexeu com ele, que o emocionou profundamente, foram os adeptos e com o apoio que estes lhes concederam durante os 40 minutos.

Mas ainda gostei mais de saber dos sentimentos de Paulinho.
À pergunta do que sentiu naqueles segundos finais, até ao apito final, o pequeno-grande jogador disse:


"Eu vou ser sincero. Eu não senti nada porque eu estava em pânico. Nos últimos 5 minutos eu nem sequer era capaz de olhar para o jogo."

LOL

Eramos certamente uns largos milhares em pânico, mas desta vez a sorte não abandonou a melhor equipa na quadra.


Cimeira luso-espanhola

Hoje há cimeira luso-espanhola nas competições europeias de modalidades.

No andebol, o Sporting recebe o Granollers, 2º classificado do campeonato espanhol, num jogo que, não sendo decisivo, pode começar a traçar a sorte da equipa leonina na Taça EHF.
Já no futsal, o jogo com o Inter FS é completamente decisivo, e só a vitória interessa, em virtude dos espanhóis apresentarem-se neste 3º jogo com uma melhor diferença de golos.
Em ambos os jogos é necessário um Sporting na sua plenitude, pois a qualidade dos adversários não permitirá grandes oscilações de rendimento.
Mas o palmarés e percurso do campeão e líder do campeonato espanhol de futsal tornam a tarefa dos nossos futsalistas a mais complexa.
Fui comentando, entredentes, que a possibilidade de jogarmos para dois resultados possíveis seria um cenário a não perder, mesmo que nenhuma equipa jogue para o empate.
É que a equipa espanhola dificilmente perde um jogo.
Basta recordar que segue invicto no comando do competitivo campeonato espanhol e que, nos play-off da época passada, despachou os seus três adversários sem sofrer qualquer derrota.
Eu sei que os optimistas dirão que hoje são favas contadas, que a nossa obrigação é vencer…mas permitam-me ser mais pragmático.

Mas a verdade é que o fim-de-semana teve, até ao momento, tudo para ter um final feliz.
Vitória no pólo aquático, na Taça de Portugal de futebol, e até a formação leonina deu um ar da sua graça, ao conseguir vitórias prometedoras e que permitem continuar a acreditar no pleno do futebol jovem nas respectivas fases finais.
Curiosamente, a equipa de juvenis (talvez a de maior potencialidade) é a que tem a tarefa mais complicada, mesmo que em 12 jogos tenha o melhor ataque e defesa do grupo (52-4). Os dois deslizes e a inesperada regularidade de Real e Sacavenense fazem com que esta geração não dependa de si para o apuramento.

Mas também o hóquei em patins fez jus aos seus pergaminhos, e continua a cativar os seguidores da modalidade e, inclusivamente, a angariar novos adeptos.
Nova vitória num recinto complicado, e a liderança (à condição) na companhia dos eternos rivais, faz renovar em alguns os objectivos da equipa, ao mesmo tempo que cresce a pequena onda verde que acompanha os nossos briosos jogadores.
Sou levado a recuar alguns meses no calendário e recordar-me do veredicto de alguns pseudo-adeptos que, em virtude de um ou outro resultado menos conseguido (numa conjuntura completamente diferente da actual) reafirmavam o seu desencanto, e que apelavam ao final da secção.
Sim, porque muitos dos que sofrem com as nossas cores parece que são mais adeptos das vitórias, e um pouco menos do clube.
Mas, curiosamente, nunca vi ninguém apelar ao final da “secção de futebol”, mesmo que esta esteja há mais de 6 anos sem vencer uma competição e que, por diversas vezes, tenha envergonhado os adeptos.

Espero é que, quando ao nosso hóquei ou a qualquer outra modalidade ocorra um qualquer percalço, a euforia não dê lugar a uma profunda depressão, com as consequentes sequelas.

FORÇA SPORTING!!

FINAL: Sporting 27 Granollers 25


video