sábado, 29 de novembro de 2014

Umbigos

A atenção mediática costuma estar centrada nos três grandes.
O que acontece ao seu redor pouco parece interessar, e os próprios adeptos dedicam-se a olhar fixamente para o seu umbigo...e de soslaio para o umbigo dos rivais.


Mas quando se intrometem nesta ditadura, há a tentação de olhar um pouco mais além.
Se há duas épocas atrás dei por mim a analisar atentamente o calendário e percurso de Beira Mar, Moreirense ou Gil Vicente, que poderiam ser nossos adversário directos para vergonhosos objectivos, a presente época tem-me obrigado a olhar em todas as direcções.
Já provoquei dois torcicolos e uma hérnia porque ora estou a olhar para benfica e porto, ora dou por mim a perscrutar o umbigo de Guimarães, Belenenses, Braga, Paços, Estoril ou Rio Ave.
Se este ritmo frenético continuar, ainda me saltam os olhos das órbitas.


A época 20114/15 não tem fugido muito à regra da nova ordem do futebol.
A lampionagem a ser levada em ombros, quase de modo triunfal...desde a primeira jornada.
O porto a assumir a sua sportinguização, e o Sporting a tentar fugir desesperadamente à anunciada belenização.

Mas a luta pelos milhões da Liga dos Campeões pode voltar a ter outros pretendentes, e o Guimarães é um dos que se tem destacado neste primeiro terço da época.
A vantagem para o Sporting já começa a ser preocupante, e a sua regularidade está patente no saldo de 8 vitórias, 2 empates e apenas 1 derrota.
A sua vitória perante um Sporting banal levou até a que se relativizasse que dois dos três golos vimaranenses tivessem sido obtidos de forma irregular.
Claro está que este facto teria sido exponenciado se tivesse sido a lampionagem...ou mesmo os corruptos, a beneficiar de tamanha ajuda.

Serei apenas mais um dos que só olha para o umbigo do Guimarães duas vezes por ano, habituado que estou a que o balão que os impele se vá esvaziando com o passar das jornadas, mas dado que continuam a pairar sobre as nossas cabeças fui instado a dar mais uma espreitadela.
Ontem o Vitória voltou a vencer, reforçou ainda mais os seus índices de confiança, e voltou a vencer com ajuda arbitral.
Um penálti patético permitiu que os vitorianos empatassem ainda antes do intervalo, e um golo mal invalidado ao minuto 84 impediu que o Moreirense empatasse.

Claro está que os nossos olhos irão continuar focados na pouca-vergonha que acontece ao redor do umbigo dos lampiões, algo que chega a cegar-nos. No entanto, não será menos preocupante reparar que podemos não só estar a ser empurrados do objectivo assumido pelo Conselho Directivo, como também de outro fulcral para a sustentabilidade do clube.