sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Uma questão de extrema importância

Telefonei esta manhã para o aeroporto do Cairo para saber se o cidadão Mahmoud Abdel Razek Fadlallah tinha embarcado com destino a Lisboa.

Não percebi nada do que disseram.

Ainda retorqui: "O Shikabala, pá!!", mas decididamente não nos entendemos.

Não telefonei para o aeroporto do Funchal porque perdi a paciência com este primeiro telefonema.
Uma coisa parece-me evidente, a confirmar-se o interesse do Sporting tanto no egípcio como nos jogadores do Marítimo.
O tempo de alguns dos extremos do nosso actual plantel pode ter chegado ao fim.

O Sporting fundamenta o seu futebol ofensivo pelas alas, com o imprescindível apoio dos laterais.
Quando uns ou outros estão abaixo do esperado, a intensidade e acutilância ofensiva diminuem drasticamente.
Temos tido Cédric e (principalmente) Jefferson em grande plano nas acções ofensivas, mas os extremos têm alternado o bom com o sofrível.
A melhor fábrica de extremos do mundo parece estar com escassez de matéria prima, depois de ter escoado todo o seu produto de qualidade.
A questão dos extremos é, pois, de extrema importância.
A chamada mais assídua do jovem Mané denota que as opções existentes não estão a dar conta do recado.
Wilson continua a denotar alguma inabilidade com a bola nos pés, e maior consistência quando joga mais perto do ponta-de-lança.
Capel vai perdendo preponderância de forma gradual, e as faltas conquistadas perto da área são a sua principal mais-valia. A entrega e dedicação à causa acabam por ir disfarçando as restantes carências.
Carrillo...
A melhor maneira de caracterizar o seu momento é dizer que até os seus mais   fiéis defensores perderam a paciência.
Eu sei que, de vez em quando, desencanta um lance de génio...uma assistência primorosa, um remate violento...mas o problema é o restante tempo de jogo que sobra destes lampejos.
Apesar de ter feito doze jogos como titular, só acabou o jogo dentro de campo por quatro vezes, porque lá para os 65/70 minutos é tempo de ir tomar duche, geralmente com os adeptos numa pilha de nervos.

Os mais pacientes com atletas com este perfil costumam socorrer-se da idade do jogador para ir desculpando a sua inépcia...mas acabam por desistir quando as eternas promessas se reformam ou desaparecem do radar do seu clube.
Djaló, por exemplo, é eternamente jovem, mesmo que esteja à beira de fazer 28 anos, e ainda bem a tempo de pode vir a tornar-se num jogador de futebol. 

Feita esta pequena divagação, vou pegar de novo no telefone e ligar para o aeroporto de Lisboa, pois parece que Shikabala já chegou.
Quero saber que camioneta vai apanhar, pois pode ainda ter outro destino, que não Alvalade.



quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Primavera Árabe

A revolução pacífica no Sporting começou há já algum tempo, e prossegue...mesmo que algumas bovinas opiniões tivessem perspectivado que a direcção liderada pelo "garoto" não iria aguentar mais que um ou dois meses.
Em Março fará um ano.
Também o plantel sofreu uma profunda remodelação, e na camioneta da carreira em direcção a colossos do futebol mundial seguiram alguns daqueles nomes sonantes que nos tinham feito sonhar com a Liga Europa.
O próprio Schaars, que reservou lugar na primeira fila, pespectivou que a equipa do Sporting iria lutar este ano por um 5º ou 6º lugar, e pode ainda vir a tornar-se no próximo Zandinga, com a capacidade demonstrada para prever o futuro.
A camioneta viu embarcar Carriço, Xandão, Joãozinho, Boulahrouz, Arias, Pranjic, Ilori, Pedro Mendes, Plange, Gelson, Volswinkel, Viola, Bruma, Etock, Salomão, Turan...e partiu ao encontro de uma outra que tinha levado Izma, Miguel Lopes, Insúa, Matias, Pereirinha, Elias ou Rubio.
Jeffren e Labyad perderam o transporte, mas um deles já foi à boleia.

A revolução pacífica tem tido episódios mais recentes, relacionados com a necessidade de proporcionar a alguns jovens da equipa B um outro tipo de incentivos.
Quem sabe, com a esperança que o tratamento de choque surta o mesmo efeito que o que se pôde verificar em William Carvalho.
Depois de Zezinho, foi a vez de Tobias, Cissé, Betinho, Nuno Reis e Guedes (este a título definitivo)fazerem as malas e sairem do aconchego da casa, para ver se a barba lhes cresce mais forte.
Rinaudo já tinha ido, mesmo que a barba deste dê para fazer raspas de limão.

Tal como na primeira revolução, a cedência de Rinaudo ou a venda prematura de Alexandre Guedes não foi consensual, como não será a chegada de Dramé, Enoh e Shikabala.
Mesmo sabendo que há muitos frutos que só depois de abertos evideciam se são doces ou amargos, é natural que haja uma natural euforia ou desconfiança, perante um elegante ananás ou uma maçã baça...sem brilho.
O youtubista crónico, sempre ávido por uma jogada que o deixe com os pelos do peito eriçados, rapidamente descobre um vídeo com os melhores momentos de algum dos artistas, mesmo que o espaço seja partilhado com crianças de 3 anos que marcam golos ao pé-coxinho e a fazer tricô, em simultâneo.
Bem melhor que Bojinov, Angulo ou Djaló, que também por lá aparecem.

O aparente génio que Shikabala demonstra em 3 minutos de vídeo, e que faz ferver o mais gélido adepto,  é arrefecido por Manuel José em 3 segundos, ao afirmar que "O problema é que ele se endeusou muito cedo, convenceu-se que era ele e mais dez, que todos tinham de trabalhar para ele e desculpar os erros que cometia ".

No entanto, antes de o rotular, nada melhor que esperar para ver como está a sua auto-estima… caso apanhe o próximo avião.
Maurício veio com o pesado rótulo da segunda divisão brasileira, e tem sido um dos esteios da defesa leonina.
Também Slimani foi encarado com desconfiança, e neste momento é um dos ídolos dos adeptos, mesmo que o estatuto se possa perder em 90 minutos.

O argelino pode até ter marcado o início de uma nova revolução em Alvalade.
Uma nova Primavera Árabe, que poderá sair reforçada com a chegada do egípcio.
A Praça Tahrir, no Cairo, foi palco de grandes manifestações que correram mundo.
Não desdenharia ter uma nova primavera, celebrada na Praça do Município…ou no Marquês…que marcasse o fim da ditadura a que o futebol português parece condenado.


quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Santa Clara - Sporting B (II Liga) resultado ao minuto

O Sporting B joga neste momento nos Açores, em jogo a contar para a 27ª jornada da Liga2.
Esta é mais uma oportunidade de se chegar ao topo da classificação e, melhor ainda, de tentar chegar ao final do jogo com os 11 jogadores, depois de nas últimas três partidas a equipa ter sido dizimada com cartões vermelhos.
É precisamente há três jogos que a equipa não consegue vencer, mas apesar de algum infortúnio e polémicas arbitragens, o líder do campeonato está à curta distância de 6 pontos.

O jogo teve início às 15 horas e, mesmo sem haver transmissão televisiva, é possível acompanhar o evoluir do resultado, na seguinte ligação:

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Triângulo de Bermudas


A actualidade leonina está, ao contrário do que espero e desejo, repleta de casos que visam escurecer o horizonte.
Quando BdC iniciou o seu mandato, muitos disseram que o presidente leonino estava a abrir demasiadas guerras ao mesmo tempo.
A guerra com alguma comunicação social está aberta e de boa saúde, obrigado. Penso que qualquer adepto leonino se identifica com as queixas apresentadas e acredito até que alguns desejassem ver medidas mais eficientes, contra alguns desses bandalhos que diariamente atacam o clube.
A batalha com as instituições que gerem o futebol ainda vai no seu início, e terá que correr muito sangue até que se consigam extirpar os vermes que, teimosamente, sugam o que podem.
Já a longa batalha com o sector arbitral poderá fazer mais mossa, principalmente a nível desportivo.
Este penoso processo tem episódios quase todos os fins-de-semana, e algumas réplicas, durante a semana.
Esta época já fomos eliminados da Taça de Portugal, às mãos de Duarte Gomes. Não somos primeiros na classificação às mãos de Xistra, Mota e Proença. Estamos eliminados da Taça da Liga, uma vez mais, graças à combinação Gomes/Mota e, porque não, de Ferreira, que nos sonegou uma grande penalidade com o Penafiel.
Um autêntico Triângulo de Bermudas, de onde as Taças desaparecem, misteriosamente.






















Enquanto o Sporting queima valiosas calorias em todas estas frentes, os adversários vão gerindo as emoções e, provavelmente, rindo-se da incapacidade do nosso clube em livrar-se desta teia tão bem urdida.
Este novo Sporting vai esbracejando como pode, e lançando comunicados, ao invés dos seus antecessores, que se mantinham calados...que nem ratos. 
O Sporting reclama, finalmente, o lugar que lhe pertence no topo do futebol nacional, bem como um pouco de decoro na forma como é tratado.
Este Sporting não se cala e apresentou até medidas concretas para uma alteração legislativa, visando a melhoria do futebol português, mas logo aparecem vozes...como a de Vítor Pereira, a menosprezar o documento…talvez mais preocupado com o seu alqueire de terra.
No entanto, há opiniões e decisões que cada vez menos nos apanham desprevenidos.
Há campos enlameados, como o de Arouca, que nos colocam imensas dificuldades, mas são outros os lodaçais que nos prendem os movimentos.

A Taça Lucílio, tal como no passado, tem sido pródiga em casos e suspeições, a provar uma vez mais que é uma competição sem qualquer credibilidade.
No entanto, não me agrada a mais remota hipótese do Sporting ir jogar uma meia-final via secretaria…mesmo que acredite que o imbróglio se vá resolver com uma multa de sete euros e meio e a obrigação de rezar cinco Pai-Nosso e cinco Avé-Maria.
A ameaça do Sporting de jogar na próxima época com juvenis ou juniores, caso não esteja presente na meia-final da prova, deve ser encarada pelas entidades competentes com a do Gil Vicente em não comparecer no Restelo.
Como era previsível, a equipa apareceu…de orelhas em baixo e rabo entre as pernas.
Se o Sporting pretender tomar a medida que proclama, deve fazê-lo sem aviso prévio, para dar uma machadada certeira nesta prova, que nasceu torta e nunca se irá endireitar.

A última jornada da Taça Lucílio trouxe também efeitos nefastos ao Talho de Manuel Mota, o que originou um comunicado do Conselho de Arbitragem da FPF.
O documento classifica de actos ignóbeis e de vandalismo o apedrejamento da montra do estabelecimento.
Depois das distinções de Egas Moniz e José Saramago, diria eu que um acto desta natureza poderia até merecer um qualquer Prémio Ignóbil.

Mas algo que me deixou mais aliviado foi ver, nas fotografias que foram sendo publicadas, que o Lombo do Porco ficou intacto.
Mesmo que tenhas a cabeça a prémio e, por vezes, possas sentir borboletas na barriga, uma palmada no entrecosto valoriza-te…pá.


domingo, 26 de janeiro de 2014

O talhante salvou-lhe a cabeça

Penafiel 1 Sporting 3

O Sporting, como se esperava, foi afastado da Taça Lucílio.
Também como se esperava, o epílogo desta fase da competição fica recheado de casos e suspeição.
É que o adeus do Sporting a esta prova deu-se em vários capítulos.
No primeiro, fomos nitidamente superiores ao porto mas fomos incapazes de marcar um golo que ditaria o adeus da equipa nortenha, quase de forma irremediável.
No segundo, o Sporting fez a sua obrigação e venceu o Marítimo por 3-0, mas um golo portista em fora-de-jogo deu-lhe vantagem na diferença de golos, ao vencer por 4-0.
No terceiro capítulo, as histórias que deviam ser paralelas começam a escrever-se com alguns minutos de diferença.
Os sabidos ratos de porão, habituados a usar todos os estratagemas para ganhar, beneficiaram de uma vantagem que o pobre futebol jogado já não consegue disfarçar, pois conseguiram que o seu jogo terminasse alguns minutos depois do jogo do Sporting e, assim, poder gerir o evoluir do resultado.
Os pobres jogadores, equipa técnica e adeptos do Sporting esperaram...esperaram...e assistiram incrédulos à reviravolta no resultado que os portistas efectuaram no dealbar do jogo, já que perdiam por 1-2 aos 85 minutos.
Imagino que um ou outro dirigente portista terá lançado gases de felicidade, pois o outrora manso e caduco  Sporting não se conforma com um papel secundário nem com as sucessivas manigâncias em tons de azul.

Curiosamente, ou talvez não, é o facto desta competição ficar uma vez mais inquinada graças a erros arbitrais. Duarte Gomes e Manuel Mota, os árbitros dos jogos porto-Penafiel e porto-Marítimo, precisamente os mesmos que nos espoliaram de vitórias nos jogos com o benfica e Nacional, ficam também na história da prova.
Meras coincidências.

Paulo Fonseca, treinador portista,  voltou a dizer que a competição não é uma prioridade, mas agarrou-se a ela com unhas e dentes. Aliás, a 5 minutos do final do jogo tinha mesmo a cabeça na guilhotina, uma vez mais.
Quem a salvou, ironicamente, foi o talhante.
O penalti que lhe salvou a cabeça pode ser sujeito a várias interpretações.
Para mim não é...para alguns será, mas certamente não será consensual.
Sim, porque as leis são precisas mas alvo de diversas interpretações.
No entanto, tão decisiva como essa grande penalidade será uma outra, nítida e escandalosa, que ficou por marcar em Penafiel, a beneficiar o Sporting.
Porém, acredito que se esse penalti tivesse sido assinalado e o Sporting tivesse vencido por 3 golos, o alinhamento dos astros iria permitir que o final do jogo no Estádio do Ladrão tivesse outros episódios.

No final do seu jogo, Paulo Fonseca lançou a frase: "Foi uma vitória à porto".
Sim, nós sabemos como elas são...não é necessário repetir.

Resumindo, o Sporting foi a melhor equipa deste grupo, mas fica no sofá a ver o clássico porto-benfica.
Agora, só espero que se comam mutuamente, mesmo que quem vença possa começar a cravar as unhas na Taça Lucílio.


sábado, 25 de janeiro de 2014

Tarde/noite leonina

Depois da vitória de hoje, por 2-0, no dérbi com o benfica para o nacional de juniores, a actividade leonina segue com andebol, futebol e hóquei em patins.

Às 18 horas tem início o jogo ISMAI-Sporting, onde a equipa leonina irá defender a liderança na 1ª fase do nacional de andebol.
Passadas as grandes dificuldades, não é expectável que o Sporting possa escorregar em qualquer um dos próximos quatro jogos, e desta forma entrar na segunda fase com plenas aspirações de lutar pelo título. Isto, se a determinação e entrega dos nossos jogadores for igual à que têm apresentado.

O jogo estava anunciado na AndebolTv, mas foi retirado há minutos, pelo que a única alternativa é acompanhar o evoluir do resultado na seguinte ligação:

ISMAI - Sporting (clicar)

Intervalo : ISMAI 11 SCP 23
FINAL     : ISMAI 25 SCP 40

Às 20.45 horas será a vez da nossa equipa de futebol tentar reservar um lugar nas meias-finais da Taça Lucílio.
Penafiel-Sporting não se joga só no Estádio 25 de Abril, pois o resultado e golos do Estádio do Ladrão poderão forçar-nos a fazer contas, sendo que partimos com um golo de desvantagem, relativamente aos portistas.
Como se não bastasse esta vantagem, a equipa azul-e-branca irá defrontar um Marítimo que poupará grande parte dos seus titulares, com destaque para a linha da frente, pois nenhuma das três habituais setas apontadas à baliza adversária (Derlei, Heldon e Danilo) irá marcar presença.
O Penafiel, por outro lado, irá tentar respeitar a competição, apresentado um onze que andará perto do habitual.
Esta é uma Taça inquinada, praticamente desde que foi criada, e nada do que possa acontecer me irá surpreender.
Nem sequer o penalti que o benfica beneficiou, nos poucos segundos que espreitei o jogo dos encarnados. Até com a equipa apurada, parece necessário manter os níveis de confiança do clube em alta.

O jogo do Sporting terá transmissão na TVI24, e poderá ser acompanhado numa das seguintes ligações:



Por último, o Hóquei em patins leonino tem um importante jogo, na recepção ao Óquei de Barcelos.
Depois de nos últimos 5 jogos termos averbado 1 empate e 4 derrotas, a queda na classificação colocou-nos em lugar de play-off, e urge recomeçar a subir na tabela.
Este é um jogo que se antevê equilibrado, como o que ditou a última derrota, em Braga...decidido nos pormenores.
Espero que, desta vez, os pormenores nos sejam favoráveis, pois a equipa tem demonstrado qualidade para lutar por outros objectivos, que não a permanência.

O jogo não terá transmissão televisiva, mas poderá acompanhar o relato na seguinte ligação, a partir das 21 horas:

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Bom-senso

Amanhã há o jogo de todas as decisões, no que se refere à Taça Lucílio.
O Sporting desloca-se a Penafiel, e terá que tentar vencer, com um ouvido no Estádio do Ladrão, pois terá que ganhar por uma diferença de golos superior à do clube azul e branco.
Num jogo onde a passagem às meias-finais estará dependente de golos, o Sporting não irá contar com a sua arma-cada-vez-menos-secreta.
Slimani tem sido sinónimo de golos, mas o argelino continua a não se treinar com regularidade, a contas com uma lesão, e a tarefa de colocar de novo o Sporting numa fase adiantada desta competição cabe...à equipa, mesmo que os olhares recaiam sobre Montero.
O colombiano está a atravessar um período de menor fulgor, mas qualquer avançado tem fases em que a baliza parece tornar-se mais pequena. 
Por um lado, não me preocupa minimamente, desde que a equipa continue a ganhar. Além disso, será bom retirar os olhares gulosos de todos aqueles clubes que parecem querer tudo o que vista de verde-e-branco, nos tempos mais recentes. Por último, a ausência do jogador do mundial seria um revés pessoal e de valorização, mas iria preservar o jogador de esforços suplementares.
Por outro lado, quero sempre o melhor para os nossos jogadores, e é entusiasmante ver qualquer ponta-de-lança leonino ser o terror dos adversários.
O jogo de Penafiel será apitado por Marco Ferreira, o tal que supostamente tinha sido nomeado para o dérbi benfica-Sporting da Taça, e que à última hora deu lugar ao inenarrável Duarte Gomes.
Este último foi figura na nossa derrota, ao fazer vista grossa a dois penalties escandalosos.
Mas o árbitro lisboeta existe para lá das lamentáveis actuações, sempre que dirige o Sporting.
No último jogo da II Liga voltou a ser protagonista, ao assinalar uma grande penalidade contra a equipa da casa, no último minuto, mas graças à sua varinha mágica converteu-a num livre indirecto, dentro da área.
Este lance poderá provar que, para lá de uma perseguição implacável ao Sporting, o homem é um grande incompetente.

No outro jogo da Taça Lucílio, o porto recebe o Marítimo, arbitrado por Manuel Mota.
Sim, o mesmo que anulou um golo do Sporting, limpinho...limpinho, no jogo contra o Nacional.
As claques da equipa nortenha não seriam tão simpáticas com o talho do Mota, pelo que adivinho que irá imperar o seu bom-senso e respeitinho.


video

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

HC Braga - Sporting (directo) 21.30 horas

A equipa B do Sporting empatou hoje a uma bola, com o Leixões, em mais uma jornada da II Liga.
O jogo ficou marcado por um festival do árbitro nomeado para o encontro, que expulsou 2 jogadores da equipa leonina, e 4 da equipa de Matosinhos.
Decididamente, o futebol português não merece os árbitros que tem, parafrasando o lunático que a proferiu.
Desconheço o que terá acontecido, para esta autêntica hemorragia, mas vi os dois treinadores a queixar-se do péssimo serviço prestado por alguém que não deveria ser protagonista.
Com este, passam a ser três jogos consecutivos da equipa B, a que se soma um da equipa principal, em que não conseguem terminar com os 11 jogadores em campo, num total de 6 expulsões nesses 4 jogos.
As queixas de Bruno de Carvalho, após os jogos com o Nacional e Estoril, parecem estar a surtir os seus efeitos...numa perspectiva invertida.

À margem deste tema, tinha pensado dedicar hoje algum tempo a mais uma capa do jornal Roscof que deixou alguns adeptos leoninos confusos.
A referência da publicação manhosa à nossa Academia, como sendo a 4ª da Europa, deixou alguns sportinguistas desconfiados mas satisfeitos.
Outros, mais cientes da realidade e desconfiados com o rebuçado, cedo se aperceberam que o Sporting é considerado, por algumas publicações, como a 2ª Academia do Mundo.
No entanto, dexei cair o tema porque já foi amplamente debatido e divulgado em blogues e redes sociais e, além disso, o tema Roscof virá por certo de novo à liça, porque a cruzada daquela gente ainda agora começou.

Assim, prefiro ir directo para um tema e uma modalidade que merecem mais  destaque que um mero papel de embrulho.
A equipa de hóquei do Sporting joga hoje, a partir das 21.25 horas, em jogo a contar para o Nacional da I divisão.
Este duelo com uma equipa que há pouco andou em finais europeias é o regresso aos jogos do nosso campeonato, depois de quatro jogos consecutivos em que defrontou os quatro melhores da classificação.
De qualquer modo, a deslocação a Braga afigura-se complicada, mas algumas exibições recentes fazem acreditar que é possível trazer um bom resultado, e a consolidação de um lugar tranquilo na tabela classificativa.

O jogo pode ser seguido na seguinte ligação:

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Pequenos nadas

O desporto, de um modo geral, e o futebol em particular, geram paixões exacerbadas.
Os adeptos de cada clube rendem-se aos seus heróis, tão rapidamente como lhes colocam uma pedra em cima.
Longe vão os tempos em que um jogador precisava de provar a sua qualidade…de modo incontestado…para merecer cânticos, tarjas, pedidos de autógrafo ou, até, a braçadeira de capitão.
Nestes novos tempos, em que o futebol se junta ao fast-food para saciar rapidamente os sempre ávidos clientes, a facilidade com que os media colocam à nossa mesa as declarações e pensamentos dos ídolos ajudam a digestões ou indigestões rápidas.
Os jogadores são pessoas normais, com as suas virtudes e defeitos, mas têm à sua disposição a sempre poderosa palavra, caso pretendam atingir determinado alvo.
Muitos, feliz ou infelizmente, não sabem como a usar.
Outros, chegam ao coração dos adeptos de um modo mais certeiro que à baliza adversária.

Hoje voltámos a saber que Viola pretende regressar ao Sporting, e que Salomão deseja festejar o título, mesmo que vá comer “Pulpo à Galega” e tapas diversas durante o resto da época.
Slimani, no Twitter dizia que “Nada nos pode parar”, após a vitória em Arouca.
É bom ir lendo estes desabafos, em tempos de vacas gordas, como é bom saber o que alguns pensam, em tempos de desânimo colectivo.

Confesso que, após a saída de algum jogador do Sporting, nos primeiros tempos ainda lhe dedico alguma atenção até tornar-se em mais um do grande rebanho, mas prefiro saber que respeitam o clube a ler declarações que nos tentam apequenar.
Foi o caso de Schaars, que saiu porque (segundo afirmou) se apercebeu que iria lutar pelo 5º ou 6º lugar, e preferiu ir para um clube com ambições.
O Sporting está, por enquanto, no 2º lugar, com sérias aspirações a voos mais altos, e o seu PSV está no 8º lugar.
“Pior”, só se tivesse saído para o Milan.
Eu sei que há sentimentos muito feios mas, deixem-me saborear estes momentos.
Entretanto, Bruma vai parar 3 ou 4 meses, Ilori…parou há 6 ou 7, Elias teve que vir comer à mão do papai e Pedro Mendes foi hoje emprestado pelo Parma ao Sassuolo.
Agostinho Cá e Ié…nem sei deles, mas devem andar lá pelas Ramblas…para cima e para baixo.

Claro está que isto sou eu a rugir de leão (cantar de galo, nem pensar!).
Também tenho direito a bater no ceguinho, tal como alguns destes que se aproveitaram de um Sporting debilitado, para zurzir sem piedade.
Tal como aconteceu com eles, o feitiço pode virar-se contra o feiticeiro, mas devo aproveitar o momento…porque o desporto, como a vida, também é feito de pequenos nadas.

domingo, 19 de janeiro de 2014

O treinador que vive em nós

Arouca 1 Sporting 2


O futebol é pródigo em resultados inesperados.
Também é fértil em acontecimentos surpreendentes.
No entanto, o terreno onde se disputou o Arouca-Sporting era pouco fértil, e seria mais apropriado para a produção de amêijoa.
Ontem, poucos vaticinariam que o Sporting pudesse bater-se em igualdade de circunstâncias com a menos técnica equipa do Arouca.
Contra todas as expectativas, tendo em consideração que tivemos em campo jogadores como Capel ou André Martins, que tinham que se colocar em bicos de pés para não perder o pé, a verdade é que o Sporting saiu de um complicado teste à sua polivalência com uma difícil mas justa vitória.

Tive oportunidade de ver o jogo com um grupo de sportinguistas que se juntaram para celebrar o aniversário do bom amigo Ricardo Morais, e as opiniões eram as mais díspares…próprias da individualidade e do modo de ler o jogo de cada um.
Há um treinador em cada um de nós mas, uma vez mais, ficou demonstrado que alguns comentários e análises são feitos com o coração e desconhecimento absoluto de algumas circunstâncias e detalhes.

Se antes de a bola começar a rolar…ou a voar…ou a flutuar…já seria previsível que o treinador que vive dentro de nós questionasse algumas das opções tomadas por Leonardo Jardim, ora porque alguns jogadores não tinham características para aquele terreno, ora porque todos nós temos anticorpos com determinados jogadores, ora…porque todos têm direito a ter uma opinião…a verdade é que a saída de William Carvalho apanhou todos desprevenidos.
Sair um dos poucos que parece ter sido moldado para todo e qualquer terreno, quando o jogo estava ainda teimosamente empatado, pareceu uma pequena alucinação do nosso timoneiro.
A verdade, quando se ganha, é que a razão está sempre do lado de quem arrisca.
Mesmo que por vezes também se engane, a verdade, quando se ganha ou se perde, é que a maioria dos que debita opinião desconhece pormenores que levam a determinadas opções.
Como a que levou a que Slimani tivesse jogado somente 40 minutos, quando todos suspiravam pelo argelino.

Disse Leonardo jardim, findo o jogo:

«O estado do terreno não nos permitiu praticar o futebol que mostramos habitualmente e temos poucas alternativas no plantel para um estilo de jogo com mais contacto. Não nos conseguimos impor enquanto o relvado nos permitiu e tivemos que fazer um estilo de jogo mais direto: foi isso que fizemos. Entrou Slimani, que não treinou durante a semana devido a um traumatismo nos gémeos e só podia ser utilizado 30, 40 minutos. Tivemos de gerir a situação porque é um jogador que se adapta melhor a este tipo de jogo».

Já após os primeiros golos milagrosos do magrebino, muito se questionou a sua ausência do onze, mas também nessa altura a justificação foi pertinente.
Slimani passava mais tempo na selecção do que no clube, e as poucas sessões de treino em que participava não permitiam uma integração plena.

No futebol, como na vida, nem tudo o que parece é…e o treinador que vive dentro de nós tem que começar a perceber que o que nos é dado a ver pode não ser suficiente.

O certo é que Slimani deu uma bela prenda ao Ricardo Morais, mas também a todos nós, que fazemos anos em qualquer altura do ano.
Costuma dizer-se que a equipa veste o fato-de-macaco quando enfrenta condições adversas, mas ontem vestiu o fato-de-mergulho, o que nos deixa ainda mais confiantes, pois a equipa deu mais uma demonstração de que podemos contar com eles, seja em que circunstâncias forem.



sábado, 18 de janeiro de 2014

Sporting-ABC em directo. Resultados na hora.


Está prestes a arrancar mais um fim-de-semana leonino.
Às 15.00 horas têm início o jogo U.Coimbra-Sporting, a contar para a 21ª jornada da Zona Sul do nacional de juniores, e o Sporting-ABC, importante duelo da 18ª jornada do nacional de Andebol.
Se a equipa júnior já garantiu o apuramento e o 1º lugar desta fase, já a equipa sénior de andebol terá o seu último grande teste à liderança, defrontando o 2º classificado.
Apesar de ficarem a faltar 4 jogos para terminar a primeira fase da competição, onde a equipa leonina defrontará equipas teoricamente mais frágeis, o jogo de hoje será fundamental para consolidar o primeiro lugar e, ao mesmo tempo, retirar pontos a um rival directo, para a segunda fase da competição.
No entanto, é importante desconfiar da equipa bracarense, que na última jornada infligiu uma derrota ao penta-campeão porto.

O jogo de andebol poderá ser acompanhado na ligação que é disponibilizada, enquanto o resultado do jogo de juniores irá sendo actualizado, caso existam golos a registar.


Sporting - ABC (directo) clicar
Intervalo: SCP 18 ABC 11
FINAL: SCP 29 ABC 23 

Intervalo: U.C. 0 SCP 0
FINAL: U.Coimbra 0 Sporting 2 (Postiga, Palhinha)



Às 16.00 horas terá início o Trofense - Sporting B, para a II Liga, e o evoluir do resultado poderá ser acompanhado clicando na seguinte ligação.

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Pólvora seca


Já está escolhido o quadro de árbitros para a jornada 16, no que ao trio da frente diz respeito.
Já se sabia que Cosme Machado tinha sido o árbitro que nos calhou na rifa...e também já se sabia que não temos sorte ao jogo, por isso voltou a sair-nos uma rifa sem direito a prémio.
Mais um da AF Braga, depois de nas últimas semanas termos levado com o inenarrável Manuel Mota, no já célebre Sporting-Nacional, e Luís Ferreira, no polémico Sporting B-Penafiel.
Entretanto, o benfica foi presenteado com Hugo Miguel da...AF Lisboa, e o porto encontrará Hugo Pacheco da...AF Porto.
Meras coincidências territoriais.

À primeira vista parecem nomeações que não merecerem contestação, pelo menos de porto e benfica.
O Vieira parece andar muito satisfeito com o lote de árbitros que tem tido à sua disposição, bem como com as suas exibições.
Já o Costa decidiu reaparecer no canal do clube, enviando recados e distribuindo críticas após a derrota na luz.
Ficamos à espera da indignação da classe, e da greve aos jogos do porto.

O Sporting será o primeiro a entrar em campo, e a ser posto à prova.
Neste primeiro jogo da segunda volta, mesmo que o Arouca seja uma equipa muito mais madura que a que foi goleada em Alvalade e, essencialmente, saibamos a força que pode ter um apito, não deveria haver árbitro, relva ou clima que pudessem servir de desculpa.
No entanto, o futebol não é feito só de qualidade e vontade.

De acordo com as publicações desportivas, parece que é notícia o facto de Cédric e Welder não fazerem parte da convocatória.
Se o titular Cédric não pode dar o seu contributo em virtude de ter atingido o seu quinto amarelo, já não consigo perceber a estranheza com a ausência do defesa brasileiro.
É que Welder ainda não se estreou neste campeonato e, mesmo na equipa B só deu o seu contributo em cinco jogos onde, curiosamente, a equipa perdeu quatro deles.
Piris é a solução lógica e previsível para a lateral direita, e até Dier poderia ser uma alternativa mais racional do que um jogador que há largas semanas se limita a treinar.

Apesar de todos nós querermos o melhor para cada um dos jogadores que defendem o nosso símbolo, porque isso será o melhor para o clube, não pode ser tabu que há erros de casting, e que Welder (até prova em contrário) terá sido um deles.
Nestas "falhas", que tanto se podem atribuir a quem o observou como ao próprio jogador, por inadptação ou falta de qualidade, não somos melhores nem piores que os outros, mesmo que não seja dado o devido destaque aos contentores de pólvora seca dos rivais.



quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Tinha razão

O Site do Sporting revelou ontem que o parecer da Comissão de Análise de Recurso do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol deu razão ao Clube.

O organismo considerou que, no encontro da Taça de Portugal entre o benfica e o Sporting que, como todos se recordam, terminou com um resultado de 4-3 favorável aos encarnados, Duarte Gomes devia ter assinalado um penálti a favor do Sporting, mostrado cinco amarelos e dois vermelhos a jogadores do benfica e ainda expulsado Jorge Jesus
Por isso, o Sporting conclui que “tinha razão”.


Pelos vistos, o parecer não fala de um mero fora-de-jogo de sofá, de um lançamento lateral errado ou, até, de calamitosos erros para os dois lados.
Fala de muitas e "boas" decisões, sempre em prejuízo do mesmo.

Lá está. Eu preferia perder a razão e estar, como os encarnados, nos quartos -de-final da competição onde, como todos sabemos...incluindo a hospedeira de serviço Mafalda Rodrigues, calhou em "sorte" um Penafiel-benfica.

Já Duarte Gomes, como ontem se pôde ver, não sofreu nenhum constrangimento e continua a saracotear-se pelos campos portugueses.
Ontem, pelos vistos, terminou o "castigo" a jogos do porto, a que provavelmente estava condenado.
Foram quase dois anos sem que o árbitro internacional apitasse os campeões nacionais, e regressou num jogo a feijões.
Já o Sporting, mesmo depois de em épocas passadas ter sido alvo, entre outros sórdidos acontecimentos...de uma sessão de empurrões com o treinador de guarda-redes leonino, de ter visto dois jogadores expulsos em jogos com o porto e portimonense,  de ter feito vista grossa a bolas que entram na baliza adversária ou, até, depois de expulsar um jogar leonino num jogo de apresentação aos sócios, que o impediu de jogar uma primeira jornada...a verdade é que Vítor Pereira continua a enviá-lo, bem embrulhado, numa prenda que é uma verdadeira bomba-relógio.

O Sporting nada pode fazer, a não ser apelar às forças divinas para que algo mude, e o certo é que no porto-Penafiel de ontem ainda aconteceu um sinal vindo dos céus. 
O dilúvio que se abateu sobre a sua cabeça foi premonitório...mas os deuses são misericordiosos e pouparam-no a um penoso fim.



quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Acorda, pá


Ontem jogou-se para a Taça da Liga, competição que provoca quase sempre sentimentos díspares à maioria dos adeptos, mas em particular aos sportinguistas.
Se, por um lado, gostamos sempre de ver o nosso clube jogar e vencer, até no torneio de sueca, não menos verdade é que esta competição já nos provocou amargos de boca suficientes para muitos não lhe darem qualquer crédito, sentimento partilhado até por clubes com responsabilidades.
O certo é que o Sporting recebeu e venceu o Marítimo por 3-0 e o jogo serviu, entre outras coisas, para dar minutos de jogo a inúmeros jogadores que têm sido pouco utilizados, bem como serviu para a equipa voltar aos golos, para desgosto dos especialistas em estatística que já esgaravatavam os ficheiros empoeirados à procura da última vez que o Sporting teria estado quatro jogos seguidos sem marcar.
Mas também serviu para continuar a aumentar o número de jogos sem sofrer golos, tal como para ver uma primeira meia hora capaz de nos fazer esboçar um largo sorriso. Também deu para constatar que, a cada jogo que passa, estamos mais perto de voltar a sofrer um golo.
Claro está que será fácil retirarmos conclusões, tendo em conta algumas exibições que pudemos apreciar, mas não acredito que Leonardo Jardim vá alterar muito os seus princípios e convicções, para os jogos que se avizinham.
…………………………………………………………………………………………………………………...............

Mudando de assunto, hoje tive oportunidade de ler mais algumas declarações de uma autêntica lêndea viva.
Diz Pelé que: “Ronaldo faz-me lembrar Eusébio”.
Eu também concordo com o Rei. Ronaldo tem duas pernas, cabeça…orelhas, e mais um sem-fim de coisas em comum.
Tirando alguns aspectos cromáticos, de personalidade e de estilo, tudo o resto bate certo.
Mas outras frases destacam-se da sua declaração:

«Tornou-se muito difícil para um jogador manter-se ao mais alto nível. Para mim, o último grande jogador foi Zidane porque conseguiu manter-se ao mesmo nível durante, pelo menos, dez anos.»

«No meu tempo, podíamos encontrar cinco ou seis grandes jogadores. Para além de mim, tínhamos Cruyff , Beckenbauer, Eusébio... Hoje, temos uma ou duas estrelas.»

Quanto aos dez anos no topo, fico com a ideia de que Pelé terá acordado esta semana de uma grande letargia. Não sei que comprimidos anda a tomar, mas devia pedir para lhe reduzirem a dose.
Acorda, pá!
É que Ronaldo, goste-se ou não dele, está no topo há praticamente dez anos, e conta somente 28 anos.
Passou seis épocas em Manchester, e na segunda já fez 40 jogos como titular, num total de 50 jogos disputados, com 9 golos marcados.
Daí para cá, marcou 12 golos na época seguinte, depois 23, 42 e 26, no United, e 33, 53, 60, 55 e 29 (até ao momento) no Real.
Sempre a um alto nível, desde há 10 anos a esta parte.
Já Zidane, curiosamente, mesmo com toda a sua qualidade, só venceu a Bola de Ouro por uma vez, o que não deixa de ser estranho…pois foi o último grande jogador e manteve-se ao mesmo nível durante 10 anos.
No entanto, em relação a títulos Zidane está ao nível de Ronaldo, com apenas 15 títulos de relevo conquistados, naquelas tabelas que podemos encontrar em sites da especialidade…talvez por também ter passado demasiado tempo no Real.
Zidane também só conquistou um campeonato espanhol, em cinco épocas.
Ronaldo tem 13 títulos, talvez porque o Real tem encontrado um Barça que é muito mais que Messi…e joga numa selecção que definha em qualidade.
Já Pelé chegou aos 31 títulos, mas na lista constam 11 campeonatos Paulistas, 3 torneios de São Paulo (deve ser parecido com o torneio do Guadiana), 1 Torneio Gomes Pedrosa (??) e 2 campeonatos dos  E.U.A.
Entretanto, Eusébio conquistou 27 títulos, dos quais constam 9 da A.F Lisboa e um dos E.U.A.

Gosto da frase seguinte, onde Pelé glorifica o seu tempo.
Aliás, este sentimento é algo que acompanha a maior parte das pessoas.
No meu tempo a música era melhor, as brincadeiras eram mais divertidas…a comida sabia melhor…o fogo fazia mais calor…as moscas voavam mais rápido.
Até a televisão a preto e branco era muito mais a preto e branco do que agora.
Enfim...com as carências dos novos tempos, nem sei como a FIFA se descoseu para arranjar três nomeados para a gala, dado que só existem Ronaldo e Messi, com a devida vénia de Ibrahimovic, Neymar, Xavi ou Iniesta.


terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Wrecking Ball


Ronaldo demoliu a concorrência em 2013.
A Bola de Ouro, que deixa os sportinguistas orgulhosos, é justa e vem repor alguma verdade ao evento.
No entanto, Platini...o "manfio" que preside à UEFA, já veio levantar poeira,  ao lançar suspeitas na atribuição do galardão.
Todos nós sabemos que a escolha raras vezes foi consensual, dada a profusão de parâmetros que sustentam a escolha.
Desde as qualidades futebolísticas até aos troféus conquistados...passando pelo inevitável marketing, tudo pode ter o seu peso.
Platini deve ter ficado carcomido de irritação pois os inevitáveis jogos de bastidores, que também têm o seu peso no pantanal do futebol mundial, desta vez não terão tido a sua vontade em consideração.

Esta Bola de Ouro é toda ela de Ronaldo, com o Sporting a poder capitalizar mais um produto da sua Academia, mas também dá algum gozo ver ruir as intenções dos líderes da UEFA e da FIFA.





segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

domingo, 12 de janeiro de 2014

Ao Panteão, já!

Não tenho por hábito socorrer-me de textos alheios, mesmo que aprecie alguns bons escribas que pensam Sporting.
No entanto, hoje vou partilhar a última crónica de Daniel Oliveira, no Expresso.
A questão colocada é pertinente e a crítica social é mordaz.
O que está em causa extravasa Eusébio e o benfica, mas acontece porque quem está em causa é Eusébio e o benfica.
Dizem que o país está em retrocesso civilizacional, fruto de políticas recentes. Parece que os efeitos desse retrocesso são galopantes, e visíveis...a olho nu.


"O Panteão não é um cemitério de celebridades.
Útil ou inútil, é um lugar onde, através da homenagem a figuras marcantes da história colectiva, se fixa a memória da nação para transmitir determinados valores. Cada regime escolhe os seus heróis, e por isso lá estão tanto Óscar Carmona como Humberto Delgado. Mas é importante que cada regime saiba o que quer dizer sobre si próprio.
O Panteão está reservado, segundo a lei, a quem tenha ocupado cargos públicos, prestado serviços militares, contribuído para a expansão da cultura portuguesa, tenha sido extraordinário na criação literária, científica e artística ou se tenha realçado na defesa de valores fundamentais, como o da liberdade.
 Qual destes critérios se aplica a Eusébio para ser trasladado para onde não estão Eça de Queirós, José Saramago, António Sérgio, Egas Moniz ou Aristides de Sousa Mendes? É , muito merecidamente, popular? Mas a popularidade não é um valor. É apenas um atributo.
Dantes, exigiam-se cinco anos para decidir que um corpo era trasladado para Santa Engrácia. Por causa de Amália, passou a um.
Com Eusébio, os líderes parlamentares queriam tomar a decisão dois ou três dias depois do enterro. Porque é agora que o povo vibra e se comove que se ganham votos.
Também se ganham clientes. O “Correio da Manhã” lançou uma campanha de recolha de donativos: “Eusébio ao Panteão, já!” E o seu subdirector descreveu o seu olhar muito particular sobre o funcionamento da democracia: “A pressão popular começou num estádio, cresceu nas ruas de Lisboa, materializou-se nos donativos generosos dos leitores e espectadores do `Correio da Manhã`, e vergou os deputados da nação.”
O Panteão é uma espécie de Casa dos Segredos. Um tablóide e um canal de televisão, em nome do povo, decidem quem entra e até, quem sabe, quem sai.
Tudo já. Tudo sem peso, sem conta, sem medida.
Mas talvez seja mesmo este o valor que sobra ao regime: a histeria do dia que, em directo, verga os deputados."

Daniel Oliveira in “Expresso”