domingo, 26 de janeiro de 2014

O talhante salvou-lhe a cabeça

Penafiel 1 Sporting 3

O Sporting, como se esperava, foi afastado da Taça Lucílio.
Também como se esperava, o epílogo desta fase da competição fica recheado de casos e suspeição.
É que o adeus do Sporting a esta prova deu-se em vários capítulos.
No primeiro, fomos nitidamente superiores ao porto mas fomos incapazes de marcar um golo que ditaria o adeus da equipa nortenha, quase de forma irremediável.
No segundo, o Sporting fez a sua obrigação e venceu o Marítimo por 3-0, mas um golo portista em fora-de-jogo deu-lhe vantagem na diferença de golos, ao vencer por 4-0.
No terceiro capítulo, as histórias que deviam ser paralelas começam a escrever-se com alguns minutos de diferença.
Os sabidos ratos de porão, habituados a usar todos os estratagemas para ganhar, beneficiaram de uma vantagem que o pobre futebol jogado já não consegue disfarçar, pois conseguiram que o seu jogo terminasse alguns minutos depois do jogo do Sporting e, assim, poder gerir o evoluir do resultado.
Os pobres jogadores, equipa técnica e adeptos do Sporting esperaram...esperaram...e assistiram incrédulos à reviravolta no resultado que os portistas efectuaram no dealbar do jogo, já que perdiam por 1-2 aos 85 minutos.
Imagino que um ou outro dirigente portista terá lançado gases de felicidade, pois o outrora manso e caduco  Sporting não se conforma com um papel secundário nem com as sucessivas manigâncias em tons de azul.

Curiosamente, ou talvez não, é o facto desta competição ficar uma vez mais inquinada graças a erros arbitrais. Duarte Gomes e Manuel Mota, os árbitros dos jogos porto-Penafiel e porto-Marítimo, precisamente os mesmos que nos espoliaram de vitórias nos jogos com o benfica e Nacional, ficam também na história da prova.
Meras coincidências.

Paulo Fonseca, treinador portista,  voltou a dizer que a competição não é uma prioridade, mas agarrou-se a ela com unhas e dentes. Aliás, a 5 minutos do final do jogo tinha mesmo a cabeça na guilhotina, uma vez mais.
Quem a salvou, ironicamente, foi o talhante.
O penalti que lhe salvou a cabeça pode ser sujeito a várias interpretações.
Para mim não é...para alguns será, mas certamente não será consensual.
Sim, porque as leis são precisas mas alvo de diversas interpretações.
No entanto, tão decisiva como essa grande penalidade será uma outra, nítida e escandalosa, que ficou por marcar em Penafiel, a beneficiar o Sporting.
Porém, acredito que se esse penalti tivesse sido assinalado e o Sporting tivesse vencido por 3 golos, o alinhamento dos astros iria permitir que o final do jogo no Estádio do Ladrão tivesse outros episódios.

No final do seu jogo, Paulo Fonseca lançou a frase: "Foi uma vitória à porto".
Sim, nós sabemos como elas são...não é necessário repetir.

Resumindo, o Sporting foi a melhor equipa deste grupo, mas fica no sofá a ver o clássico porto-benfica.
Agora, só espero que se comam mutuamente, mesmo que quem vença possa começar a cravar as unhas na Taça Lucílio.