domingo, 23 de fevereiro de 2014

Desencalhados

Faria depois de amanhã dois anos desde a última vitória do Sporting frente ao Rio Ave.
Foram várias as tentativas para fazer vergar a equipa vilacondense, mas os frustrantes resultados já se estavam a tornar um trauma...um pesadelo.
Apesar de ser terra de peixe e pescadores, diria que comemos um "Borrego à Caxinas".

Independentemente do final feliz, o início foi demasiado preocupante.
Tem sido recorrente alguma irregularidade exibicional, e se na semana passada começámos bem e acabámos mal, desta vez foi ao contrário.
Contudo, tal como referi na altura...a última imagem é a que fica, e talvez seja melhor esquecermos a pobre primeira parte.
No entanto, convém recordar que a principal justificação dada pela equipa para a má prestação prendeu-se com o estado do relvado.
A julgar pela aguerrida segunda parte, com algum bom futebol à mistura, fico com a ideia que o relvado do Estádio dos Arcos fica melhor com o passar do tempo.

A nível das estratégias e desempenhos individuais o jogo já teve todo o tipo de análises e, deste modo, não me vou alongar sobre algumas exibições menos conseguidas ou outras que entusiasmam os adeptos.
Nem sequer sobre o "erro" consecutivo (de acordo com alguns adeptos) de Leonardo Jardim  montar equipas que acabam por vencer.

Perderei, sim, alguns segundos com o tema da praxe.
Sim, porque o Sporting anda nisto há muitos anos mas continua a ser praxado sem piedade.
Desta vez veio um Dux de Braga e, apesar de não saber nem desconfiar por que clube o seu coração palpita, pareceu-me pouco coerente a sua nomeação, quando o próximo jogo do Sporting é precisamente...contra o Braga.
Pois bem, os dois jogadores que tinhamos em risco para a próxima jornada (Montero e Adrien) apanharam uns oportunos amarelos, que os deixam fora da recepção aos bracarenses.
O primeiro foi admoestado por simulação, onde os critérios são ainda mais subjectivos que os das aparentemente objectivas leis de jogo, e o segundo por um lance onde, creio...nem sequer houve falta.
À margem dos excluídos para  o próximo jogo, Slimani levou amarelo por atrasar a marcação de um livre, William por uma falta mais dura (este sim sem margem para protestos) e Mané por...por...nem sei porquê.
Sei que aquando do segundo golo do Sporting, o jovem jogador leonino ameaçou tirar a camisola para celebrar a reviravolta no marcador mas, porque a camisola pareceu ganhar vontade própria e a gola não lhe passou pelas orelhas,voltou atrás com o gesto.
O certo é que, com alguma surpresa, constatei que o Dux Jorge Ferreira castigou Carlos Mané nas celebrações do golo, e fiquei com a convicção que agora é proibido levantar a camisola acima do umbigo. Penitecio-me se as imagens provarem que, após aquela primeira tentativa frustrada de tirar o equipamento....depois de um grande sorriso, depois de bater no símbolo que ostenta, depois dos habituais abraços...terá porventura praticado algum acto punível com a respectiva sansão.

O que fica para a história serão os 3 pontos que libertaram o barco que há demasiado tempo tinha ficado encalhado no Rio Ave, e permitem-nos continuar a sonhar em vencer...jogo a jogo.


quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Azar é cair de costas...

Há dois temas que mal me deixam dormir.
O primeiro, inevitavelmente, é o perído de abstinência de Montero.
Não me interessa se a equipa continua a ganhar, nem se ele faz jogos onde demonstra outras competências.
É verdade que ele até marcou um no passado fim-de-semana, mas o trio de serviço achou que o rapaz poderia voltar a aguçar o apetite de clubes estrangeiros...e os bons executantes querem-se por cá.
Por isso, acharam por bem invalidar esse bonito e importante golo, até para Slimani não se ficar a rir sozinho.
Mas se a mim me preocupa esta luta contra o tempo e contra a baliza adversária, mais parece preocupar os jornalistas desta praça, pois não param de esmiuçar cada segundo que o colombiano acrescenta ao seu jejum.
Também eles parecem ter dificuldade em dormir. Se no início os seus golos deviam provocar-lhes insónias, agora terão dificuldade em concilar o sono...pela excitação do desconhecido.



Outro tema que me faz dar voltas na cama é a lesão de Shikabala.
Não a lesão em si, mas por ter ocorrido com a camisola 7.
Lesões qualquer um as pode ter, e contraídas em cenários insuspeitos.
Por exemplo, tenho um grande amigo e ferrenho adepto leonino que se lesionou a celebrar um golo.
Por sorte não teve que levar uma infiltração para ver o jogo seguinte.
Mas, como ele costuma dizer, "Azar é cair de costas e partir o...".

Sei também de um guarda-redes que falhou o Mundial por se ter cortado com um frasco de perfume.
Um outro jogador do Valência partiu a tíbia e o perónio atropelado pelo próprio carro, quando ia abastecer o carro no posto de combustível. 
Neste caso é o clube que dá azar, e não uma camisola em concreto.

Estes percalços deixam-me de pé atrás, mas lesões associadas a uma camisola do Sporting...provoca-me arrepios.
Sim, porque a entrada do jogador do Tondela não teve nada a ver com o traumatismo contraído pelo egípcio.
Se não fosse a carga negativa que aquela camisola traz consigo, nada disto teria acontecido.
Das duas uma:
Ou mandam tirar a electricidade estática à camisola....ou o quebranto.
Um fio de azeite e umas rezas, e ainda é possível recuperar a aura da mítica camisola.
Se a sorte e o azar não estivessem umbilicalmente associados ao futebol, como justificaríamos o azar de apanhar com o Duarte Gomes ou Bruno Paixão em determinados jogos.
Pior ainda, só o azar que temos de perder sempre que esses gatos pretos se cruzam no nosso caminho.
Eu não acredito em bruxas, mas que as há...há!!

A camisola 7 dá azar, isso é garantido.
Que o digam Delfim, Niculae, Iordanov, Izmailov, Sá Pinto ou Jeffrén.
As recentes lesões de Izma ou Jeffrén confirmaram que o mau-olhado pode continuar a perseguir alguém, mesmo depois de se despir a camisola.

Na época em que tivemos o azar de ter Domingos como treinador era Bojinov que detinha a camisola 7. Neste caso, foi  a camisola que teve azar.
No entanto, recordar as sucessivas lesões de Rodriguez faz pensar que o peruano pode ter-se chegado demasiado perto dela ou, quiçá...pensado em vesti-la.
Lesão rima com maldição, como a que Bela Gutman lançou ao benfica, e que o tem impedido de vencer a Liga dos Champignons (cruzes...canhoto!!).
Pode ser a prova que faltava para justificar que nada acontece por acaso.

No caso Apito Dourado, o porto teve muita sorte por as escutas não terem sido validadas, mas talvez tenham soltado uns galináceos e pendurado umas réstias de alhos na porta do tribunal que deliberou este caso.
Azar parecem ter tido alguns árbitros, porque é difícil escolher entre leite, café com leite e café...que podia ser com pauzinho de canela (truz, truz, truz, isola!!).

Entretanto, surgiram hoje notícias que não é Shikabala que gere a sua página no Facebook, local onde surgiu um desabafo a relacionar a lesão com a camisola.
Vou fazer figas para que isso seja verdade, até porque um supersticioso pode atrair mais azar que um céptico.
Imaginem os danos psicológicos que o egípcio poderia sofrer, caso imaginasse que tinha uma espada de Dâmocles sobre a sua cabeça?
Diabo seja cego, surdo e mudo!!

 
Eu gostava de não ter superstições, porque ser supersticioso dá azar...e vou fazer figas para que algo mude este paradigma.

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Página cor-de-rosa

Não tive oportunidade de escrever sobre a vitória do fim-de-semana, mas o que pude ver, ler e ouvir confirmou que alguns adeptos leoninos vivem momentos de grande confusão emocional.
Acaba por ser normal, como em qualquer outro clube, que haja adeptos descontentes com parte da exibição, com as substituições, com o escasso resultado...ou até com o vento, com o sabor das pipocas ou com o facto do intervalo ser demasiado curto.
Se, na época passada, uma vitória por 1-0 seria motivo de bebedeira colectiva e ida a pé a Fátima, a presente época não se compadece com segundas partes menos conseguidas, que redundam em triunfos insossos.
Diferente seria se tivéssemos uma primeira parte fraquinha, mas uma etapa complementar intensa, de preferência com um golo nos últimos instantes. Nesse caso, os tais adeptos ficariam eufóricos com a capacidade de superação da equipa, mesmo que o resultado fosse o mesmo.
É que marcar um golo aos 90' sabe bem melhor que marcar no primeiro minuto, se esse golo nos der a vitória.
No rescaldo do jogo, achei curioso que pouquíssimos se tenham manifestado relativamente a uma dualidade de critérios que...já não surpreende.
Talvez seja essa normalidade que deixe muitos confusos e sem argumentos.
Para lá daqueles lances que são evidentes, como a mão na bola que Huguinho pode não ter visto, o que me transtorna são aqueles lances de critério largo e incompreensível, como os dois agarrões a Jefferson, já no meio-campo adversário, em jogadas que poderiam causar algum perigo. Nenhum deles mereceu sansão disciplinar, pois o amarelo estava guardado para um qualquer jogador do Sporting que subvertesse as regras do jogo.
William lá começou a série de 4 amarelos, e Rojo auto-excluiu-se do próximo jogo, enquanto os jogadores algarvios caíram nas graças do engraçadinho.
O que felizmente fica para a história, para lá das críticas e alguns assobios, é o resultado, que encaixou que nem uma luva no objectivo de vencer jogo-a-jogo.

Outros temas têm marcado a actualidade, como a notícia que o Sporting deverá mesmo ser afastado da Taça Lucílio.
Será que alguém é apanhado desprevenido com esta informação oficiosa?
Não acredito.
Mas nem tudo no nosso futebol aparece na página da necrologia.
Se abrirmos a página cor-de-rosa, descobrimos uma invulgar declaração de amor sportinguista.
Veio de Luisinho, jogador do D.Corunha e ex-jogador do Paços e benfica.
É claro que sabe sempre bem que algum jogador de futebol da nossa praça não tenha o pudor de se afirmar sportinguista.
Disse Luisinho:
"Sabe, o Benfica não é o meu clube de coração. Sofrer, sofrer... sofro pelo Sporting! Toda a vida fui sportinguista, clube que tem estado a fazer uma grande campanha e já merecia mais conquistas.
Curiosamente, apesar de a minha família ser e de estar no Porto, nenhum de nós é do FC Porto. Eles são todos benfiquistas, eu sempre fui sportinguista."

Esta agradável declaração constrasta com a de outro ilustre nortenho que, também ele sportinguista, vestiu a camisola encarnada.
Disse Coentrão:
"Quando era pequeno gostava do Sporting, devido a influências do pai que é sportinguista. Mas depois de ter ido para o Benfica, tudo mudou.
Quando nascemos temos sempre na família adeptos de vários clubes. O meu pai é sportinguista e eu gostava do Sporting, mas depois cresci, fui jogar para o Benfica e aí abri os olhos e vi a grandeza do Benfica. Gosto demais do Benfica."

Deduzo então que Luisinho permaneceu no benfica de olhos fechados, enquanto Coentrão abriu os olhos.
O que vale é que ""O amor é cego, mas vê muito ao longe".
Já agora, nunca é demais recordar as palavras de Simão, outro nortenho indeciso:
 É benfiquista?
Sou. Aprendi a gostar do Benfica
Qual era o seu clube em criança?
Era do Sporting. Fui com 13 anos para o Sporting e era esse o meu clube.

Tempos mais tarde, diria mesmo:

"Não irei vibrar com a vitória do Sporting ou do Boavista no campeonato, vou vibrar apenas com a vitória do futebol. O que gostaria era que o Benfica ganhasse o título. Acredito numa vitória do Benfica em Alvalade e, se tiver de ser para roubar o título ao Sporting, melhor ainda". 


É claro que gosto que o meu clube tenha uma grande base de apoio, seja do mais  anónimo adepto até ao melhor jogador do mundo.
No entanto, acho perfeitamente descartáveis certo tipo de personagens, que devem envergonhar até os que lhes são mais próximos.

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Sporting - Olhanense (directo) 20.15 horas

O Sporting está de regresso a Alvalade, onde tem sido muito infeliz, graças a exibições menos conseguidas e arbitragens castradoras.
Fundamental voltar a vencer, para sacudir a pressão que pode começar a asfixiar os jogadores.
Os regressos de William e Jefferson podem conduzir a equipa à dinâmica habitual, mas os extremos serão fundamentais para alimentar o ponta-de-lança de serviço.
A falta de golos e pontos terão que chegar hoje ao fim, para colocar pressão...no Nacional, 4º classificado.
Sim, porque Duarte Gomes a apitar o seu benfica...de novo, é suficiente para lhes retirar toda e qualquer carga emocional dos ombros, e garantir um triunfo tranquilo.
O jogo tem início às 20.15 horas, e terá transmissão no seguinte local:

Modalidades em directo

O trabalho não se tem compadecido da minha vontade em actualizar este espaço.
Por esse motivo poderão notar algumas teias-de-aranha aos cantos, mas nada que não se resolva num instante.
Vou, por isso, desempoeirar o local...e nada melhor que num dia eclético.

Começa a cruzada leonina com um apaixonante jogo de andebol, a contar para a 2ª jornada da Fase de grupos da Taça EHF.
A equipa sportinguista defronta os franceses do Montpellier, um colosso europeu que virá retirar algumas dúvidas relativas à primeira jornada da competição.
Recordo que o Sporting venceu, de forma concludente e com surpresa, o líder do campeonato dinamarquês, no seu reduto. 
Hoje, perante um dos favoritos à vitória da competição, o Sporting poderá querer demonstrar que o resultado e exibição da passada semana não foram obra do acaso, nem tão pouco por uma tarde infeliz e alguma sobranceria dos nórdicos.
Infelizmente, o jogo não terá transmissão televisiva, mas poderá ser acompanhado ao minuto neste espaço, ou numa ligação que, espero, vá estar disponível à hora do jogo, a partir das 16 horas.

Sporting - Montpellier (clicar) 

Intervalo: SCP 14 Montpellier 14 
FINAL: SCP 27 Montpellier 30 

Duas horas mais tarde terá inicio o jogo de hóquei em patins, entre o Sporting e a Juventude de Viana.
Numa semana conturbada, com a saída do treinador da equipa e com alguns arrufos entre o clube e o ex-técnico, a verdade é que o calendário não se compadece com fait divers e já hoje enfrentamos mais um duro teste à nossa sobrevivência no escalão máximo da competição em Portugal.
A equipa, que há poucas semanas apontava a um lugar entre os 6 primeiros, caiu em zona de play-off de permanência, e hoje vai encontrar a regular equipa minhota que se encontra em 5º lugar, a meros 4 pontos da equipa campeão europeia.
Veremos como reagem os jogadores à instabilidade que provoca apresentarem-se sem o técnico principal, mas acredito numa boa resposta.
O jogo será transmitido pela BolaTv, a partir das 18 horas, e poderá ser acompanhado numa das seguintes ligações:



Ainda relativamente às modalidades do clube, ontem foi dia da equipa de futsal celebrar o dia dos namorados à luz de 10 Velas Verdes e, deste modo, permanecer no topo da classificação.
Quanto à equipa de futebol, que hoje recebe o Olhanense, ainda tocada pela derrota no Estádio da Lã, em tempo oportuno viremos dar notícias.

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Limpinho

benfica 2 Sporting 0

O sonho desfaz-se, lentamente.
Desfaz-se como tinha acontecido dois dias antes com a cobertura do estádio, talvez de modo premonitório.
Não vi o jogo, por opção.
Tinha este pressentimento, e preferi não ferir o coração.

No entanto, estou em posição de analisar números e expectativas.

Assim, pela 2ª vez na época caímos para o 3º lugar.
Se após o empate caseiro da 5ª jornada com o Rio Ave ficámos a 2 pontos do líder, a derrota de hoje e a queda na classificação podem ser fatais.
De repente, ficámos num limbo...a "6 pontos" do 1º lugar, e a 7 do quarto classificado.
Sim, porque para lá dos 5 pontos de distância para o rival temos a desvantagem do confronto directo, o que em caso de igualdade pontual poderá ser decisivo.
Na redacção do Roscof deve haver festa da grossa.
Para lá do benfica ter vencido e reforçado o 1ºlugar, também têm o seu amado factor de desempate a servir de muleta.

Tinha dito na semana que antecedeu o jogo que a derrota na luz significaria o adeus ao título. A candidatura ao título que muitos quiseram que assumíssemos, mas que cautelosamente sempre evitámos.
Reforço esta velha ideia com alguma preocupação.
Primeiro, porque os nossos jogadores já tinham demonstrado publicamente que o pensamento passava pelo 1º lugar, e nem deveria ser de outro modo. Com este revés, o plantel pode ficar tocado...ou à beira do K.O., com a agravante da pouca experiência não ser boa conselheira.
Segundo, porque a onda verde irá certamente desbotar.
O desânimo dos adeptos é evidente em muitos dos comentários que pude ler.
Pior ainda, é a revolta para com jogadores, equipa técnica e tudo o que mexa.
Lá está, se uma derrota é sempre difícil de digerir, perder com o benfica pode provocar alucinações.
Esta pode ter sido mais uma prova do frágil laço que une a equipa aos seus adeptos, e que muitos se auto-intitulam de melhores do mundo.
Foi precisa uma derrota limpa, a segunda da época, para fazer mais dano na auto-estima de um sportinguista que uma ventania em painéis sandwich com interior em lã de rocha.

Os mesmos que há poucas semanas batiam no peito, de modo confiante, são os mesmos para quem...de novo, tudo está mal e se indignam com a falta de qualidade do plantel.
Talvez os mesmos que exigiam que o Sporting jogasse com dois pontas-de-lança, e agora consideram ter sido um suicídio.
Mas, até na surpresa da táctica arrojada, fomos batidos pelos caprichos do vento.
Mas é claro que há evidências preocupantes, como por exemplo o Sporting continuar num deserto goleador.
Nos últimos 5 jogos para a Liga, uma vitória, três empates e uma derrota...e apenas um golo marcado.
Um singelo golo, em cinco jogos.
A crise goleadora, que vai muito para além da crise de Montero, já começa a ganhar contornos que nos faz recordar a patética época passada, mesmo que a qualidade do futebol praticado não tenha paralelo.
Perante este cenário, estava capaz de voltar a exigir os pontos que nos foram roubados contra o Rio Ave, Nacional, Estoril e Académica.
Ainda seriamos líderes e  com algum conforto para ultrapassar a crise de jogo e resultados, que afectam qualquer equipa.
Preocupante mas esperada, é a dependência da equipa de William Carvalho.
Pelos relatos que pude ler, a ligação defesa/ataque foi inexistente, e estou em crer que parte deste défice se deveu à sua ausência.
Eu sabia que a equipa iria ficar órfã, mas também o sabia Paulo Baptista...e Jejuns.
Perante o que aconteceu, e que Leonardo Jardim também identificou como o grande handicap da equipa, pergunto-me o que acontecerá a esta equipa caso William falhe mais jogos.

Por último, ao saber da vitória dos encarnados, pus-me logo a imaginar a felicidade e os festejos que terão ocorrido em muitos lares onde se sente benfica...como nas casas do talhante Mota, de D. Gomes, de P. Baptista ou de P. Proença.
Ao empurrar o Sporting para baixo com todas as suas forças, as suas carreiras nunca estiveram em risco. 
A nódoa que pode ter ficado nos seus equipamentos, graças aos seus prestimosos serviços...sai com a mesma facilidade que a que ficou na blusa de Monica Lewinsky, ou qualquer outra que use a boca para subir na vida.



terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

benfica - Sporting...segundo as circunstâncias

Alguns afazeres não me têm permitido vir aqui comentar a imensa actualidade do Sporting, mas não podia deixar passar em claro o remake do dérbi.
Depois de um ameaço de jogo, que terminou com um ameaço de implosão do Estádio, parece que desta é que é.
A verdade é que o benfica tem estado a trabalhar em contra-relógio para ter as obras termindas, e não podia deixar de ser de outro modo.
É que a equipa encarnada tem um calendário muito apertado, em ano de Campeonato do Mundo, e seria catastrófico para os seus interesses voltar a adiar o jogo.
Só não percebo como o Sporting aceitou esta data, que retirou as poucas vantagens competitivas de que dispunhamos caso o jogo se tivesse disputado no Domingo.
O benfica-Sporting de hoje vai voltar a açambarcar a atenção do país futebolístico, mas sempre a olhar de esguelha para cima, não vá o céu voltar a desfazer-se.
Hoje até foi notícia que voltaram a cair chapas no relvado, mas o clube da luz foi lesto a referir que era material que iria ser colocado na cobertura, e negou que estes elementos se tivessem voltado a soltar.
Seja como for, esta é a informação que teremos que comer como verdadeira, mesmo que durante o jogo surja a esvoaçar um steward ou um funcionário da Martifer agarrado a uma chapa.
Se for uma chapa nova, ficaremos muito mais descansados.

O que interessa e o que irá ficar para a história vai ser o jogo e algumas das suas incidências.
Espero ardentemente que nenhuma delas tenha a ver com a temida arbitragem, porque a pouca-vergonha já ultrapassou todos os limites.
Notícia de hoje foi também a presença de Jefferson nos convocados para o dérbi. No entanto, acredito que a sua chamada prende-se com a tentativa de confundir o adversário, nos chamados mind games.
Se a minha ideia estiver certa, Jefferson nem se irá sentar no banco...mas seria óptimo constatar que estou rotundamente enganado.

O jogo, como é de todos conhecido, terá início às 20.15 horas, e será apitado por Marco Ferreira, o madeirense que sentiu a necessidade de vir dizer que não tem clube.
Quanto à sua performance, hoje fiquei aliviado ao saber, pela "boca" de Vítor Pereira, presidente da Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), que  Marco Ferreira "Está preparado para chegar ao jogo e fazer o melhor possível, segundo as circunstâncias".

Confesso que seria estranho ouvir Vítor Pereira dizer que Marco Ferreira não estava preparado, ou que ia fazer assim-assim ou o pior possível.
Confesso também que estou inclinado a desejar que a próxima chapa a voar espatife um talho, um carro ou qualquer outro bem material..., segundo as circunstâncias.


domingo, 9 de fevereiro de 2014

Será um avião? Será o Super-homem?

O dérbi ficou em águas de bacalhau. Fica a demolhar até à próxima 3ª feira.

Tudo se conjugava para um grande espectáculo.

Um benfica decidido a cavar um fosso quase intransponível para o Sporting,  e mostrar ao mundo que é o clube nacional que dispõe de mais recursos no sector atacante e no sector da arbitragem.

Um Sporting confiante num resultado que o confirmasse como candidato ao título e demonstrar porque, apesar do roubo sistematizado de que tem sido vítima, continua com o melhor ataque e a melhor defesa.

Todos sabiam que as condições climatéricas seriam adversas, mas nada faria prever que a Catedral se desfizesse em flocos.

Primeiro começou por surgir lixo a sobrevoar o espaço aéreo, mas nenhum adepto sportinguista pareceu mostrar-se surpreendido pelo súbito acontecimento. Consideraram, provavelmente, que se tratava de um pleonasmo.
O público olhava para o céu e questionava-se:
"Será outro pássaro? Será um avião? Será o Super-homem?

Nesse instante começaram a cair os primeiros flocos.

Muitos se prepararam para fazer uns vistosos bonecos de neve alusivos ao dérbi, e até se arrependeram de não ter levado os esquis para o evento.

No entanto, a trajectória irregular dos flocos desvaneceu essa ténue esperança e as opiniões sobre o fenómeno dividiam-se entre caspa e penas.

A explicação oficial referiu que se tratava de lã de vidro que se estava a desprender da cobertura, mas a verdade é que cedo se percebeu que não estavam reunidas as condições para o jogo se realizar, mesmo perante a insatisfação geral dos adeptos dos dois lados.

 Isto porque os seguintes detritos a cair já tinham dimensões consideráveis, capazes de tingir o estádio ainda mais de vermelho.

Desconheço se o Estádio da Lã se continuou a desfazer, mas os clubes, a Protecção Civil e a Liga decidiram que o melhor era o adiamento do jogo.

Perante um acontecimento que o benfica considerou de “pequenos danos na cobertura” a Liga refere que “evitámos uma tragédia”, tendo em consideração que chegaram a voar chapas de enormes dimensões.

Perante o agravar da situação, foi aconselhado ao público que saísse ordeiramente do Estádio, de modo a preservar a integridade física dos adeptos do benfica.

Enquanto se procedia à “evacuação”, os adeptos leoninos ficaram confinados à sua gaiola, durante cerca de uma hora.

Pelos vistos, aquele espaço que nos é reservado está dotado de condições de segurança ímpares, e os leões puderam assistir em lugar privilegiado ao desmontar do puzzle pelo vento.

Num hipotético sismo ou qualquer outro fenómeno natural, ficámos a saber que é para aquele sector do Estádio que toda a população lisboeta se deve dirigir.



Mas apesar do jogo não se ter realizado, houve quem tivesse ficado a perder e a ganhar.

Logo à partida, parece-me que o adiamento para a próxima 3ª feira permite ao treinador do benfica recuperar os índices físicos da equipa que, recorde-se, tinha jogado para a Taça de Portugal na passada 4ª feira.

O Sporting poderá ter que repensar a táctica, muitas vezes idealizada em função destes pressupostos.

Além disso, o onze escolhido por Leonardo Jardim foi uma surpresa para adeptos, jornalistas e, acredito, para o treinador adversário.

A aposta em Heldon e Slimani contrariou todas as expectativas, e as escolhas de Piris e Dier, mesmo que esperadas, passaram a ser confirmações.

O factor surpresa que, eventualmente, poderia ter suposto este onze, desvanece-se no tempo…tal como os flocos que hoje se esfarelaram nos ares.



Depois de sabermos que Deus é brasileiro e o Papa do porto, ficámos a saber que Jesus e São Pedro estão com o benfica.

Assim fica mais difícil.


Nuvens negras

O Sporting joga hoje, no estádio da luz, grande parte da sua época.
Depois dos polémicos e injustos afastamentos das Taças de Portugal e da Liga, resta ao Sporting o campeonato, e o cenário afigura-se tão negro como a meteorologia que hoje nos afecta.
Negro, como o céu que ameaça cair-nos sobre a cabeça.
Negro, como o equipamento que alguns árbitros teimam em vestir, como perturbadores passarões que esvoaçam à nossa volta.
O Sporting está nesta complicada situação única e exclusivamente graças a algumas decisões que nos roubaram preciosos triunfos, que nos daria a liderança isolada do campeonato, tal como nos afastou das referidas competições.
Tudo parece conjugar-se para que o benfica continue a sua caminhada para apodrecer o melão.
O anticiclone dos Açores costuma regular a meteorolgia no Atlântico Norte, e propicía um clima ameno para a exploração do melão.
Os fenómenos atmosféricos que se têm repetido parecem querer alterar este paradigma.

Espero que hoje não surja um ciclone da Madeira, a exemplo de outros que têm arrasado alguns estádios onde o Sporting joga.

Por falar em arrasar, achei curiosa a capa do jornal Roscoff, que realça:

"Carro de duarte gomes arrasado"

Fico depois a saber que teve alguns riscos na pintura, para-brisas partido e até lixo no tejadilho.
Arrasar, no meu modesto entender, poderia ser o estado de uma viatura depois de lhe ter passado um cilindro por cima, mas já sabemos que a referida publicação gosta de títulos sugestivos.
Volto a referir que a meteorologia está completamente fora de controlo, e até o carro do sorridente árbitro parece ter sido vítima deste tempo que, afinal, vira-se contra todos.

Parece que o árbitro que nos afastou da Taça de Portugal terá escrito no Facebook:

“Chegar ao carro e encontrá-lo riscado não é dramático. Passar por isto (e por episódios parecidos) pela enésima vez... também não é. Dramático mesmo é alguém achar que a coisa resulta. Que assusta. Que inibe. Que desvia. É triste. É que quem sabe há muito o caminho que quer seguir, não precisa de carro, pode ir a pé. Mas vai."


Bem, fico a saber que os fenómenos atmosféricos são recorrentes lá na sua rua, o que me leva a pensar que mora num local com microclima.
Fico também a desconfiar que São Pedro não dorme.
Mas fico preocupado ao constatar que, mesmo a pé, continuará o seu caminho.

O jogo de hoje, como é sobejamente conhecido, será transmitido pela benficatv.
O Núcleo da Carapinheira, ao contrário de outros, não fez nenhuma subscrição deste canal para visionar o jogo.
Parece óbvio.
Acho natural a vontade em ver este jogo, mas há inúmeras maneiras de o fazer, sem termos que contribuir para que o benfica saia da crise.
Os sportinguistas podem estar a ajudar a encher o mealheiro que servirá para comprar mais um sérvio, que pagará uma almoçarada ao presidente benfiquista ou, quem sabe, o arranjo do carro de alguém ligado à estrutura encarnada e que ficou com o carro arrasado...vítima do mau tempo.


O jogo terá início às 18 horas e poderá ser acompanhado numa das seguintes ligações:

benfica - Sporting (clicar) 

benfica - Sporting (clicar)


sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Despudor

A 48 horas do dérbi, os corações dos adeptos leoninos parecem estar divididos entre os detalhes de preparação da equipa e todo o estardalhaço que o sector da arbitragem tem provocado.
Os puristas defenderão que só nos devemos preocupar com o futebol que se joga dentro das quatro linhas. Aí é que está a essência do futebol.
O pior é que, dentro das quatro linhas, há outros que deviam passar despercebidos e, invariavelmente, acabam por tornar-se nas figuras de um jogo e, porque não, de um campeonato, dando razão a quem desconfia da verdade desportiva.
Ao invés de tempos recentes, a estrutura leonina tem tentado combater este cancro que vai ameaçando a sobrevivência do Sporting.
A presente época está a contrariar o que parecia uma inevitável decadência desportiva do clube.
Essa decadência teve um contributo inestimável de todos aqueles que, de forma incompetente, lideraram os destinos do clube nos últimos 25 anos, mais ano menos ano.
Essa decadência teve também a participação activa e decisiva da classe arbitral, a mando dos eternos interessados na bipolarização do futebol português, e da sua própria paixão clubística.
Durante este período de tempo tivemos boas e más equipas.
Com as más não conseguimos vencer, obviamente.
Com as boas, também não, menos num par de épocas que serviram para confirmar que não há regra sem excepção.
De nada valeu ter plantéis com Figos, Balakovs, Paulos Sousas e afins.
Então, como agora, os homens do apito têm-se mostrado intransigentes na sua "competência" em empurrar o Sporting escadas abaixo.

Como o clube parece ter despertado de um longo marasmo, já fez saber que
Bruno Paixão, Duarte Gomes, João Capela e Manuel Mota são considerados «benfiquistas assumidos que prejudicam sempre os rivais», num implícito veto a estes árbitros.
Nada que os rivais não o tivessem feito com os poucos que escapam à apertada malha azul e encarnada, através de íntimos contactos telefónicos ou por outros meios.
O Sporting há muito que devia ter vetado, explicitamente, algumass das crónicas bactérias que contaminam o ar que respiramos.
Com o clima adverso que o Sporting tem encontrado nos seus jogos, não me estranharia que esta lista aumentasse nos próximos dias. 

 Leonardo Jardim também já veio dizer que o Sporting tem tido alguns azares em relação à arbitragem, nos jogos  na Luz. Só lá foi uma vez enquanto treinador do Sporting, no jogo contra Duarte Gomes, e sentiu logo na pele o que Jesualdo tinha sentido o ano passado, contra Capela.

Este dérbi poderá confirmar o Sporting como candidato ao título, ou o benfica como candidato único.
Espero que, no mínimo, o video ilustrativo de uns singelos meses de despudor não tenha de ser revisto pelos seus autores.


quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Sporting - Madeira SAD (directo) 19 horas

O Sporting recebe hoje o Madeira SAD, em jogo antecipado da antepenúltima jornada da fase regular do campeonato nacional de andebol.
A equipa leonina está em 2º lugar da tabela, mas com dois jogos a menos que o porto, que também antecipou as duas próximas jornadas.
Espero e desejo que o Sporting faça a sua obrigação e vença os jogos até final desta 1ª fase, de modo a entrar na fase final como líder do campeonato, e ter alguma margem de manobra para um inevitável deslize.
Já o Madeira, longe dos seus tempos áureos, em que os euros abundavam no Governo Regional e, por arrastamento, no clube, virá certamente lutar pelo pontos, pois tem em mira o 6º lugar que permitirá fugir ao Grupo B, onde se lutará pela manutenção.
O jogo terá início às 19 horas, com transmissão na AndebolTv, ou na ligação que disponibilizamos.

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

I believe i can fly

A actualidade leonina, no que ao futebol diz respeito, parece girar em torno da improvável recuperação de Jefferson para o dérbi, bem como na procura do substituto de William para esse mesmo jogo.
Claro está que é impossível pensar na ida ao Estádio da Luz, olhar para os dois pontos de distância, e não nos voltarmos a recordar do penálti de Paulo Baptista, do de Proença, do de Xistra, até dos de Duarte Gomes que nos empurraram para fora da Taça ou, por que não, dos de Capela do ano passado.

A marca dos 9.15 metros parece estar na ordem do dia.

Enquanto os adeptos leoninos choram todos os dias por estes lances, analisados em campo por uma dezena de olhos diferentes, mas todos eles raiados de vermelho...talvez de cansaço, talvez de ira,  já as conversas dos responsáveis e adeptos do benfica, nosso próximo adversário, também giram à volta do mesmo tema.
Ora Jejuns diz que Lima e Cardozo é que decidem em campo quem marca o penálti, ora hoje já diz que afinal é Cardozo o máximo responsável por estes lances, ora o paraguaio a falhar penáltis não impediu título de 2010, ora Cardozo já falhou 11 penáltis em 51 tentativas...ora penáltis de cebolada, ora penáltis gratinados.
O que parece não faltar é o penálti da ordem.
Com tanta alusão a esta temática, quer-me parecer que a táctica do benfica passa por criar condições aos árbitros para assinalarem grande penalidade, sem que manchem a reputação.
Bruno Paixão e Duarte Gomes parecem ser os que menos se preocupam com questões de aparências.


São famosos os mergulhos para a área de verdadeiros artistas na arte de simular, desde o famoso Simulão Sabrosa, até Pablo Ao Mar, mas a escola benfiquista não pára de procurar novos talentos.
Alguns destes, apesar de não terem passado pelo Chapitô, não se inibem de o tentar, porque pode haver sempre quem seja pouco rigoroso na hora de apreciar acrobacias.
Ao invés, os do Sporting são demasiado credíveis para serem levados a sério.
Rasteiras, empurrões, agarrões, bola no braço, braço nas bola...que interessa.
Interessa é que a lei parece ter sido criada como instrumento para a equipa encarnada se aproximar da vitória, e é utilizada frequentemente para escrever torto por linhas direitas.


Aproxima-se o dia de um dos grandes jogos da época e, acredito, Jejuns tem toda a sua equipa a treinar pénaltis.
Pénaltis à chuva, pénaltis ao sol, pénaltis no sintético, pénaltis na lama...porque esta variante táctica parece ser uma das que pode decidir o campeonato, uma vez mais.
Basta recordar o vôo do mergulhão, num dos lances do título de 2005, à custa do Sporting, e compará-lo com o do último jogo, para perceber que algo os impele para aquela marca.




video

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Curiosidades

O Sporting B joga neste momento mais um encontro a contar para o campeonato da Liga2.

O relato e resultado deste jogo pode ser acompanhado na seguinte ligação:


Entretanto, um par de curiosidades nas quais tive hoje oportunidade de tropeçar, e das quais dei conta no Facebook.

Por um lado, achei curiosa a estatística que pude ler  num jornal desportivo.

"Cardozo falha um penalty em cada cinco"

Lendo com mais cuidado, fico a saber que o paraguaio falhou onze penalties em 51, desde 2007.
Em 6 anos, 51 penalties...SÓ PARA CARDOZO??
Fora os outros??

Irra, deveria ter que fazer uma estatística desde 1980 até aos nossos dias, para conseguir contabilizar 51 penalties a favor do Sporting.
No entanto, posso afirmar que só esta época já falhámos a ida para a marca de 9,15 metros mais de uma dezena de vezes, talvez porque os árbitros querem evitar notícias deste calibre.
Neste aspecto, lideramos a estatística destacadamente.


Por outro lado, descobri que o guarda-redes do Gil Vicente revelou hoje que Cardozo é um brincalhão. Até passei a gostar dele.


"O Cardozo brincou comigo, que era para eu deixar a bola entrar." 

O brasileiro, explicou ainda que, quando ficou caído no chão, após ter defendido o penálti, Cardozo foi lá, preocupado: "Ele disse-me: 'vamos que o jogo vai acabar'. Foi simpático"

É mesmo um amor, o Cardozo!!
........Ou será que pensava que a estrutura tinha tudo apalavrado com o rapaz?
Às tantas, enganaram-se no número de telefone do guarda-redes, e alguém lá para a II divisão atirou-se para o lado errado.