segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Terreno hostil

Sporting 0 Académica 0

Alvalade, que devia ser o bastião da nossa equipa, continua a ser terreno pouco hostil para os adversários.
O Sporting desperdiçou mais 2 pontos, depois dos empates com Rio Ave, benfica e Nacional.
O factor comum destes jogos, para lá dos empates, foram as miseráveis e encomendadas arbitragens.

Não preciso de auxiliar de memória para saber que não jogámos bem contra vilacondenses e madeirenses, mas um penaltie e um golo limpo invalidado seriam suficientes para nos dar os 3 pontos em ambos os jogos.
Contra o benfica, por muito que falem do fora-de-jogo de sofá que antecedeu o golo de Montero, a realidade é que o jogo fica marcado por erros que condicionaram a actuação do Sporting, e permitiram ao rival chegar com a equipa completa ao fim do jogo.
Se a estes jogos juntarmos os pontos perdidos no Estoril, onde mais um penaltie ficou por assinalar, façam as contas após juntar os 8 pontos roubados.

Alvalade continua a ser pouco hostil porque qualquer equipa e árbitro parecem sentir-se estranhamente confortáveis.
Os jogadores adversários usam e abusam de estratagemas rasteiros, anti-jogo e jogo violento, perante a complacência dos árbitros. (Que o diga Jefferson, que vê o dérbi em risco após forte pancada no pé de apoio).
Os árbitros, para lá de assistirem passivamente a algumas artimanhas, ainda contribuem para o desvirtuar do resultado.

Em que difere então o empate de ontem, do benfica, e deste?
O benfica manifestou-se incapaz de chegar ao golo pelos seus próprios meios, tal como o Sporting, mas Bruno Paixão marcou dois penalties, um deles inexistente.
Ao invés, o Sporting deveria ter beneficiado de mais um penaltie, bem como da expulsão de Halliche, mas a miopia e astigmatismo que o nosso estádio provoca está a ganhar contornos preocupantes.
Poderia aconselhar a Multiopticas, mas desconfio que poderá haver outros factores a ter em conta.

A verdade é que os jogadores do Sporting são conscientes destas condicionantes, de tal forma que Montero não pressionou os defesas como é hábito, pois estava em risco para o próximo jogo.
William, o outro jogador com 4 amarelos, passou o tempo a evitar o contacto  físico que caracteriza o seu jogo. Fez duas faltas durante todo o jogo, uma delas na primeira parte...em que levantou imediatamente os braços, como a pedir desculpa pelo deslize.
No entanto, Paulo Baptista demonstrou que não estava distraído, e à segunda falta do jovem jogador, ao minuto noventa e dois, ditou-lhe a sentença.
Não jogas na luz!!
Esta foi a decisão de um árbitro que já fez greve a um jogo do Sporting, decisão inédita no nosso futebol, mas já sabemos que o nosso clube serve sempre de cobaia a medidas e declarações drásticas.
Acredito (porque assisti a essas opiniões) que muitos sportinguistas achem justo o amarelo a William. Pergunto, a quem me souber responder...se Maxi Pereira apanharia um amarelo nestas circunstâncias.

Depois da decepção desta noite, o dérbi da próxima semana ditará a nossa "sorte" no campeonato.
A derrota selará o nosso afastamento da luta pelo título. Serão 5 pontos de diferença, que na prática serão 6, pois teremos desvantagem no confronto directo.
Tendo em conta que as arbitragens continuam a lavar os podres do benfica, não acredito que estes percam 6 pontos até final do campeonato.
Um empate poderá saber a mel, de preferência com vários golos, para nos deixarem em vantagem no confronto directo.
Um empate com golos ou uma vitória, fará de nós candidatos ao título.
O pior é que não acredito neste último cenário.

O Sporting, moldado a uma equipa tipo e modelo de jogo bem definido, terá de apresentar-se na luz com uma equipa remendada.
O castigo de William e a lesão de Jefferson poderá retirar dois titulares indiscutíveis de uma equipa onde não abundam opções de qualidade.
Outra questão prende-se com os extremos, que continuam a denotar uma preocupante quebra de produção.
Por isso, Heldon, quanto a mim, entraria de caras no onze do Sporting. 
Shikabala, tal como eu já tinha perspectivado, irá demorar mais a dar o seu contributo, tanto pela sua condição física como pela necessária adaptação, de acordo com a informação prestada pelo nosso treinador.
As outras condicionantes do dérbi passarão, obviamente, pelos adversários.
E serão dois.