sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Túneis e corredores


Apesar da intensa actividade leonina que hoje teremos, perdi-me por momentos a ler uma entrevista a Vítor Pereira, ex-treinador portista.
Confesso que não dei por perdidos os poucos minutos que lhe dediquei.
O técnico tem capacidade para se exprimir com desenvoltura, desde que não o faça na língua de Shakespeare. Além disso, sabe o que diz, ao invés do autoproclamado melhor treinador do Mundo.
V.Pereira vagueou por várias temáticas, como o seu bi-campeonato,  a excelente carreira do Guimarães, o tempo passado com Guardiola, a corrida a dois para o campeonato (exclui quase categoricamente o Sporting) …e de Jorge Jesus, claro está.
Mas há uma ou outra passagem que me chamou a atenção.
Numa semana em que se fez um pé-de-vento em redor das declarações de Nani, e passado não muito tempo de termos sabido que Slimani e outros jogadores fizeram reivindicações várias, foi bom recordar que meio plantel portista quis sair do clube.
Apesar dos vencimentos milionários, de estarem num clube com sucesso desportivo garantido, de terem a seus pés um trampolim para alcançar o sucesso, aquela malta queria pisgar-se.
As vantagens de ter uma imprensa amiga são enormes, mesmo que se tenha falado de um ou outro jogador insatisfeito.
Ah, e também achei curiosa a alusão aos corredores do Olival.
Afinal não são só os túneis que têm ambientes complicados. ´