terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Je suis Leoninamente

Diz-se que o futebol da actualidade move milhões mas, muito antes desta vertente economicista, começou por alimentar e incendiar paixões. Foi assim no início e assim se mantém, apesar da evolução quase natural de algum clubismo exacerbado, fruto de uma sociedade cada vez mais mediatizada e que promove este tipo de exibições.
Se recuarmos algumas décadas no tempo, ou visionarmos dérbis do século passado, é possível constatar que, apesar de toda a rivalidade já existente quase desde a fundação dos clubes, era possível coexistirem nas bancadas adeptos de cores diferentes.
No presente, como se já não bastasse assistirmos à selvajaria que grassa pelo mundo às mãos de gente sem qualquer civismo ou humanidade, vimos que o futebol fora das quatro linhas também é, cada vez mais, palco de violência e intolerância.
Claro está que a maioria não se revê ou condena actos que envergonham o desporto, mas os sinais de um indesejado radicalismo parecem cada vez mais evidentes.
Apesar da intensa rivalidade e do natural arremesso de adjectivos e argumentos de um lado e do outro, cada vez mais potenciados pelas redes sociais, há limites que são constantemente ultrapassados, também no esgrimir de argumentos e de defesa dos ideiais.
O dérbi, que também aconteceu no futsal no passado fim-de-semana, voltou a exumar lamentáveis acontecimentos através da exibição de uma tarja com a inscrição “Very Light 96”, e culminou com o lançamento de tochas e petardos na direcção dos adeptos sportinguistas presentes em Alvalade, como que a lembrar que esse incidente que vitimou um adepto do Sporting pode não se esgotar num lamentável cartaz mas que pode, sim, repetir-se a qualquer momento.
As manifestações de repúdio e de branqueamento, de um lado e do outro, foram a consequência natural, mas o ego inchado, a prepotência e a intolerância de quem se julga maior do que o próprio país parece não dar tréguas.
Hoje, ao visitar o blog “Leoninamente”, cujo autor defende afincadamente o Sporting mas sempre com uma postura digna e educada (própria da idade e da geração do autor) deparei-me com um comentário a uma pertinente publicação sobre um jogador uruguaio recentemente contratado pela lampionagem.
Até podia não ser pertinente, mas a apregoada liberdade de expressão a que temos direito, desde que exercida dentro dos cânones estabelecidos, é um direito individual e inalienável.
A ameaça a que o autor foi sujeito, relembrando precisamente o crime de 96, é lamentável e retrata o quão fundo se pode descer pelo alegado amor a uma causa.

A barbárie cometida por radicais no Charlie Hebdo há tão pouco tempo, e condenada por quase todo o mundo civilizado, parece não ter tido eco nalgumas cabeças mais arejadas.

O mais preocupante é que estes são episódios cada vez menos isolados, a tendência para propagar-se é bem superior ao actualmente contido Ébola, e não se vislumbra que esteja qualquer vacina em testes para erradicar de vez este praga.