segunda-feira, 6 de julho de 2015

#poucavergonha


Não vi na totalidade a entrevista a Jorge Jesus ontem, na SIC Notícias, mas ainda vi a 2ª parte depois de ir lendo algumas das frases mais marcantes da longa entrevista.
Não vou esmiuçar o conteúdo porque daria pano para mangas, mas no geral diria que, no tocante ao Sporting, foram declarações solidárias com a política do clube.
Esta postura é, de certo modo, contrária a algum do discurso do nosso último treinador (ao qual reconheço imensa qualidade), que em determinados momentos demonstrou pouca solidariedade com o pensamento da estrutura reinante.
Pode haver quem considere falta de personalidade, mas foi assim JJ nos lampiões…é assim Lopetegui no fóculporto e, provavelmente, irá ser assim Marco Silva no seu regresso a Portugal.
Será bom que seja sempre assim no Sporting, de parte de qualquer um dos seus funcionários.

Na 2ª parte da entrevista, achei inteligente a jogada de António Simões na tentativa de ratificação do título conquistado pelos lampiões, para que não restassem dúvidas. O antigo jogador interpelou JJ na questão do colinho e das arbitragens, sabendo que o actual treinador dos leões nunca iria colocar suspeições num título por si conquistado.
No entanto, e mesmo que toda e qualquer conquista menos digna não possa ser apagada da história, essa mesma história irá recordá-lo para sempre como o título do colinho.
Os lampiões, aliás, fizeram questão de perpetuar este epíteto, ao promoverem uma fantástica jogada de marketing denominada ‪#‎colinho‬.
Fantástica porque foi a suprema pouca-vergonha, como consideraria se o fóculporto tivesse lançado uma campanha ‪#‎putedo‬, na sequência das desconfianças que foram surgindo durante o seu longo reinado.

Mas ontem um canal concorrente também proporcionou uma entrevista que marca de modo indelével o presente e futuro da arbitragem e, por inerência, do futebol português.
O despromovido e indignado Marco Ferreira veio revelar pressões a que estão sujeitos…não por este ou aquele clube…mas pelos responsáveis da própria arbitragem.
E se o mais natural é ficar-se indignado por terem sido reveladas as pressões de Vítor Pereira na véspera do Rio Ave-lampiões, provavelmente para condicionar o árbitro tendo em vista o fóculporto-lampiões, a mim esse pormenor passa-me ao lado.
A mim indigna-me é que esta pressão (ou qualquer outra) teria ficado no segredo dos deuses caso Marco Ferreira não tivesse sido despromovido.
A mim indigna-me é ouvir falar em nomeações cirúrgicas enquanto a classe arbitral e a lampionagem estrebucham de revolta pelo regresso do sorteio.