domingo, 31 de março de 2013

Mais vale os pássaros a voar

Ontem foi dia de derby menor e, se a derrota perante o Benfica B pode sempre deixar marcas psicológicas, pior foi constatar que, por muitas voltas que o mundo dê, o relacionamento do Sporting com o sector da arbitragem vai ser sempre complicado.
O quadro de árbitros vais sendo reciclado, porque os Martins dos Santos desta vida não duram para sempre, mas o cenário não melhora.
O recém empossado Bruno de Carvalho não esperou muito para marcar a sua posição, mas o que eu não estava à espera (ou talvez estivesse) é que inúmeros sportinguistas se apressassem a criticar asperamente o comportamento do presidente.
Talvez sejam ainda resquícios de alguma desilusão do acto eleitoral.
No meu entender, se os problemas financeiros do clube são os mais difíceis e mais prementes para resolver, o défice de respeito que a classe arbitral tem para com o nosso clube vem logo a seguir, em termos de importância.
O Sporting tem ziguezagueado na tentativa de resolver ou amenizar o problema.
Tentou-o na política de alianças com um dos vértices do poder mas, onde se tentou encostar só dá para comer um.
Já se mostrou compreensivo ou até indulgente para com o tratamento recebido, mas o resultado foi o do costume.
Já protestou, como ontem fez Bruno de Carvalho, e o resultado foram castigos e boicotes.
Nos últimos tempos optaram pelo silêncio, sem aparentes diferenças, com a agravante de que quem cala, geralmente consente.
Os dois grandes beneficiados com a bipolarização do futebol português vão "cantando" a solo...ou em dueto, conforme a música do fim de semana passado ou seguinte.
Como geralmente saem beneficiados os protestos têm sido poucos e, pela parte do Benfica, tem sido curiosa a quase ausência de críticas, prova de que tudo corre sobre rodas.
Já Pinto da Costa sempre falou, mesmo quando ganhava de forma estranha, numa tentativa de manipular e/ou confundir a opinião pública.

O universo sportinguista sempre se indignou com a diferença de tratamento de que somos vítimas mas, mesmo que poucos tenham a solução, é unânime que não podemos ficar eternamente à espera que as coisas se resolvam por si, pois aí só agravaremos a distância que se está a cavar para os rivais.

No entanto, muitos foram lestos a indignar-se perante uma tomada de posição enérgica de Bruno de Carvalho.
Provavelmente os mesmos que acharão normal se PdC ou LFV abrirem a matraca para defender os seus interesses.
Imagino que não se abata a passarada com comunicados, tal como não é com vinagre que se apanham moscas mas, dado que os métodos utilizados anteriormente não tiveram resultados, ao menos que todos fiquem a saber o que nos vai na alma.
Nem que isso signifique mais um boicote da classe.
Aliás, seria óptimo se Soares Dias, Bruno Paixão, Cosme Machado, Carlos Xistra, Duarte Gomes, João Capela, João Ferreira, Paulo Batista, Olegário Benquerença, Rui Costa, Rui Silva ou Pedro Proença, entre outros do bando, nos boicotassem de vez.
Haveria por certo árbitros de categorias inferiores mas com  categoria e idoneidade mais que suficiente para fazer esquecer a passarada.
A lógica dos rivais é....mais vale um pássaro na mão que dois a voar.
A nossa deverá ser...mais vale os pássaros a voar!!