segunda-feira, 25 de março de 2013

Mea culpa

Não sei como é nos outros países mas, na comunicação social cá do burgo, há o hábito de não se dar a mão à palmatória quando o erro acontece.
Já constatei diversas vezes que raramente acontece o desmentido quando, por qualquer motivo, a informação não corresponde à verdade.
São lestos a divulgar mas lentos a desmentir.
A noite eleitoral, por exemplo, foi um corrupio  de inverdades, de boatos e de notícias pouco fundamentadas.
Quiseram atribuir ao Sporting impreparação e incompetência no importante acto, mas o serviço prestado pela CS foi deplorável, desde o boato dos 400 votos duplicados até à alegada hora de anúncio dos resultados.
No entanto, mesmo que esses mesmos resultados ainda não sejam definitivos, é curioso viajar no tempo e verificar a notícia que encheu páginas de alguns jornais e o ecrã de algumas televisões.
Refiro-me, neste caso, às sempre oportunas sondagens.
No passado dia 19 fiz referência ao inquérito promovido por alguns órgãos e, dada a discrepância de resultados concluí que, pelo menos um deles estaria a mentir.
Claro está que também o trabalho pode ter sido mal feito ou fundamentado mas, com alguns interesses associados em risco, eu estava mais inclinado para que os números apresentados estivessem inquinados propositadamente, na tentativa de criar uma onda vencedora.
Como ainda não vi nenhum mea culpa ou justificação perante um erro crasso, recordo aqui os números apresentados por algumas publicações

Diário de Notícias e O Jogo

Couceiro 53,7% 
Bruno de Carvalho 40,6% 
Carlos Severino 5,7%

A Bola

Bruno de Carvalho 39,9%  
Couceiro 32,7% 
Carlos Severino 4,6%

Desconheço se os números do jornal A Bola foram fruto do acaso, se teriam interesse em que BdC tomasse as rédeas do clube ou se foram baseados num inquérito coerente.
No entanto, os mais credíveis DN e O Jogo deviam questionar os números apresentados pela Eurosondagem ou, por outro lado, questionar a parceria com essa empresa.
É que se tivessem um lapso desta natureza em eleições doutro calibre, a sua credibilidade ou competência iria por certo ser posta em causa.