terça-feira, 30 de setembro de 2014

Soltem as feras

O Sporting recebe hoje o Chelsea, no regresso da Liga dos Campeões a Alvalade.

Difícil?
Sem dúvida.
Tenho visto a dificuldade que o Sporting tem tido para se superiorizar a qualquer adversário…e este não é um adversário qualquer.
Apesar do cenário negro que é pintado por alguma comunicação social, um ou outro sportinguista mas, essencialmente, pelos adeptos rivais…eu estou completamente tranquilo.
Olho para o Chelsea e, apesar de lhe reconhecer enorme qualidade individual e colectiva, como o comprova a liderança isolada e tranquila da Liga inglesa, estou confiante num bom resultado.
Claro está que a nossa equipa conta com um eixo central defensivo que não pode deixar ninguém tranquilo nem indiferente, mas a equipa é muito mais que a complementaridade desses dois jogadores.
Há pouco mais de dois anos o cenário traçado era semelhante.
Recebíamos o Manchester City para a Liga Europa, com uma parada de estrelas que tinha sido afastada da Champions no chamado grupo da morte.
Esse City, que seria campeão inglês nessa época, tinha nas suas fileiras feras como Balotelli, Tevez, Aguero, Dzeko, Nasri, Yaya Touré, David Silva, Wright-Phillips, Pizarro, de Jong, Hargreaves, Kolarov, Kompany, Zabaleta, Clichy ou Joe Hart.
Individual ou colectivamente, seriam tão ou mais fortes que este Chelsea.
No entanto, fui para Alvalade completamente descansado, apesar dos meus amigos e colegas de jogo estarem pessimistas, talvez ainda traumatizados com o estigma de Munique.
Apesar de um outro susto, a vitória sorriu ao Sporting, tal como prognosticara…apesar de um eixo defensivo composto por Polga e Xandão.
Hoje não desdenharia vencer por 1-0, com golo de Sarrão.
Seria um special one.
Mas a verdade é que todo o poderio do Chelsea pode eclodir a qualquer momento, e a diferença de orçamento, de qualidade e de experiência ficar vincada no relvado.
Não me parece, apesar destes parâmetros, que tão cedo ocorra outro cataclismo como o que corrói os espíritos mais sensíveis, mas é um cenário sempre em aberto.
O Sporting sofreu ciclicamente alguns corretivos que ficaram na história, e a par do desastre Bayern figura uma derrota 2-5 com o Barça (precisamente nessa mesma época) mas também uma goleada de 5-0 com o Celtic, um 4-0 em Madrid ou um 6-1 com os escoceses do Hibernian.
Mas quer-me parecer que as nossas derrotas históricas não têm paralelo em Portugal, tendo em conta o cacarejar da concorrência.
Talvez as derrotas da lampionagem com esse mesmo Bayern por 5-1, em 1976, ou mais 4 que levou em 1981 não entrem no capítulo das goleadas.
Ou as várias vezes que perdeu por 4 com o Liverpool, os 5 do Olympiakos ou os 7-0 de Vigo.
Também não foram vergonhosas as duas últimas goleadas do porto quando visitou o Arsenal, que perfazem um total de 9-0…os 4 de Madrid e Liverpool, os 5 de Eindhoven ou os 6 da Grécia, com o AEK.
No entanto, olhando para a história, números semelhantes a esses são fáceis de encontrar envolvendo outros clubes com algum cartaz europeu, o que pode ajudar a perceber que ninguém está imune a uma vergastada desportiva.

2011/2012 - Bayern Munique 7x0 Basel
2011/2012 - Barcelona 7x1 Bayer Leverkusen
2006/2007 - Man. United 7x1 Roma
2013/2014 – Barcelona 6x1 Celtic
2013/2014 - Galatasaray 1x6 Real Madrid
1999/2000 - Barcelona 5x1 Chelsea
2012/2013 - Bayern Munique 4x0 Barcelona
2013/2014 - Bayern Munique 0x4 Real Madrid
2012/2013 - Barcelona 4x0 Milan
2009/2010 - Man. United 4x0 Milan
2008/2009 - Barcelona 4x0 Bayern Munique
2008/2009 - Liverpool 4x0 Real Madrid
2003/2004 - Deportivo 4x0 Milan

…e a história continuará a escrever-se.