sábado, 25 de outubro de 2014

Coro de Santo Amaro de Orelhas

A deserção de Shikabala parece ser um assunto em banho-maria, mas ainda parece preocupar alguns e fazer as delícias de outros.

É óbvio que nenhum sportinguista pode ficar satisfeito com o caso criado pelo egípcio, mesmo que tentemos disfarçar o incómodo fazendo alusões à sua fraca prestação desportiva, à sua origem, à sua cultura ou até ao Estado Islâmico.
Já os rivais, mais unidos que nunca, lambuzam-se de felicidade.
Uns cacarejam espalhafatosamente...outros bufam-se de alegria.

Apesar das expectativas criadas ao redor da chegada de Shikabala, o rei-do-deserto, a verdade é que este voltou a demonstrar que o seu futebol é que é um deserto e na cabeça só tem areia, dando razão a quem já lhe tinha feito o raio-X:

"Acima da média, mas demasiado vedeta. Perdeu a humildade e arranja problemas permanentemente. Tem tanto de bom jogador como de mau profissional." (Manuel José- Janeiro de 2014)

É verdade que todas as contratações têm um risco inerente, mas há atletas que carregam consigo um ónus de desconfiança. Poucos são os que se libertam dele, e jogadores como Bojinov ou Jeffren confirmaram o fardo que traziam às costas.
Perante uma situação sem retorno possível, fiquei hoje a saber as últimas: "Shikabala sem ordenado, sem carro e despejado".

Sinceramente, pensando nos problemas que o Sporting teve para rescindir com algumas das sanguessugas herdadas pela presente direcção, parece-me que, ao esfumar-se, Shikabala nos está a livrar do problema que ele próprio criou.
Ainda assim, o Coro de Santo Amaro de Orelhas e sua delegação do Norte é que estão cada vez mais ensurdecedores, aproveitando qualquer oportunidade para denegrir o Sporting.
Só não percebo, no caso concreto, o que leva um lampião a ridicularizar a fuga de Shikabala, quando tiveram Oblak que fugiu não uma...mas DUAS vezes.
Ou os inúmeros casos com que o departamento jurídico dos corruptos tem que lidar, como o mais recente de Rolando.
É que não percebo mesmo.