sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Tal como o previsto

Não, não tenho contactos privilegiados no Sporting.
Ontem, após o jogo na Hungria, lancei a hipótese Oceano (clicar) porque seria lógico que assim ocorresse.
Não havia muito por onde acontecer.
Sá Pinto não tinha condições para continuar a ocupar o cargo, mas o timing em que ocorreu o desenlace vem, infelizmente, com algumas semanas de atraso.
Não quer isto dizer que Oceano vá resolver alguma coisa.
Quem exigia tempo a Sá Pinto, com 7 meses de cargo, não pode agora querer que o ex-treinador da equipa B salve a honra do convento com dois treinos até ao próximo jogo.
Para piorar o cenário, esse jogo é no Dragão, num jogo de dificuldade máxima.
Curiosamente, Inácio, esse símbolo de sportinguismo, já veio dizer que o Sporting arrisca-se a ser goleado no Dragão.
Marco Caneira, por alguns considerao sportinguista de 2ª categoria e outro dos que não deve ser visionário mas deve ter um pouco e bom-senso, também veio dizer:
“Obviamente que sinto a crise do Sporting, mas o que me custa mais neste grande clube é que haja quem apareça nestes momentos para tentar tirar proveito de uma ou outra forma.Quem? Sobretudo ex-jogadores e ex-dirigentes.Como sportinguista que sou, acho que isto é uma vergonha! É nestes momentos difíceis que as pessoas têm de estar unidas e apoiar.”
É curioso como certas frases adaptam-se tão bem a alguns.
O Sporting anunciou o nome de Oceano Cruz mas o cargo é ocupado interinamente.
Claro que, se a alteração fosse dando resultados práticos (e era bom que assim acontecesse) o termo interinamente seria...provisóriamente, temporáriamente prolongado, enquanto fosse possível minimizar os danos financeiros de mais um despedimento sem justa causa.
Os dois últimos treinadores promovidos, Paulo Bento e Sá Pinto, tiveram toda a legitimidade para exercer o cargo e não me parece que Oceano fique a dever algo a estes dois, em termos de currículo, de sportinguismo (irra) e de experiência em cargos semelhantes.
Alías, enquanto Bento e Sá vieram dos juniores, Oceano vem da equipa B, à imagem de Guardiola, que também fez o estágio na equipa secundária antes de levar o Barça ao topo do Mundo.
(Não, não quero entrar em comparações despropositadas. São simples fait divers).
Quem sabe, já que andamos à tanto tempo à procura de Alexs (Fergusons) e Peps, não emerja um Guardiola bronzeado no meio de uma tempestade.