domingo, 11 de janeiro de 2015

André Tanaka Cruz

Braga 0 Sporting 1

O Sporting conseguiu a sua 6ª vitória consecutiva, e fez o 5º jogo seguido sem sofrer golos.
Depois de vencer por 1-0, 2-0, 3-0 e 4-0, estava convencido que hoje o resultado seria 5-0, para manter alguma coerência…mas não pôde ser.
Assim sendo, penso que não se podia pedir mais.
Vencer sem sofrer golos no terreno de um complicado adversário, marcando no último lance do jogo foi o melhor que nos podia ter acontecido.
Bem, melhor só se a bola tivesse batido na barra e ressaltasse na boca de Hugo Miguel antes de entrar na baliza. Esse talvez fosse um cenário idílico.

O jogo correspondeu às expectativas.
Duelos individuais intensos, muita luta, períodos de superioridade alternados e muita simulação…na tentativa de castigar disciplinarmente o Sporting.
Apesar de ter dado um verdadeiro recital de apito, nesse aspecto o árbitro designado soube resistir à inegável qualidade da arte circense que os jogadores bracarenses demonstraram.

Como é normal após a maior parte dos jogos, cada um puxa a brasa à sua sardinha, e é normal ouvirmos considerar que o resultado foi justo ou injusto, consoante o técnico ou jogador de serviço.
Não fossem os meus olhos estar a enganar-me, quis ouvir o que dizia o treinador-adjunto bracarense.
Ao considerar que o resultado mais justo talvez fosse o empate, tive como garantido que a vitória assenta-nos como uma luva. 
Convém não esquecer que o Braga detinha, a seguir à lampionagem, o melhor saldo caseiro, apenas com um empate consentido e dois golos sofridos em 7 jogos. Foi inclusivamente na Pedreira que os líderes do campeonato sofreram a sua única derrota, pelo que esta vitória arrancada a ferros ainda tem mais significado.

Apesar de um ou outro jogador ter estado a um nível superior, quem tatuou o seu nome na história do jogo foi André Tanaka Cruz.
Aquela pedrada ao ângulo fez recordar um central de boas memórias e terá servido para alguns dos indefectíveis críticos de jogadores menos utilizados pelo Sporting engolirem um sapo em cru, tipo sushi.

Mas quem (diabos) é Tanaka, perguntavam uns italianos há uns meses atrás??
Está apresentado.