terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Nem tanto ao mar...

O não apuramento da nossa equipa de sub17 para a fase seguinte do campeonato da categoria deixou muitos sportinguistas em estado de choque.
Este aparente definhar da formação tem também na equipa júnior outro sinal de alerta, precisamente quando a Academia volta a ser falada depois de mais uma Bola de Ouro entregue a Ronaldo.
Quem comigo priva quase diariamente sabe que não minto quando digo que há alguns anos que anuncio este desfecho.
Não quer dizer que não haja retorno.
Basta olhar à volta e verificar qual era, há pouco tempo atrás, o estado da formação do rival que agora se inveja . No entanto, não deixa de ser preocupante que não tenha havido a visão estratégica que esteve na base dos créditos e títulos conquistados.

Contudo, por vezes sou tentado a olhar para lá dos números que sustentam este adormecimento...ou estado comatoso da nossa formação.
É verdade que as taças são a materialização do trabalho efectuado, mas um clube que se orgulha na sua formação tem que saber relativizar alguns insucessos que possam acontecer. 
Se o Sporting ganhou 13 títulos nos primeiros 8 anos de Academia, nos últimos 4 anos só venceu 2 campeonatos.
A época 20010/11 foi a primeira onde o Sporting não conseguiu nenhum troféu (desde que se mudou para a Academia), e achei interessante comparar a geração sub19 dessa época com a anterior, campeã nacional de juniores.
Apesar dos repetentes William, Zezinho e Luís Ribeiro, a verdade é que a geração que não foi campeã na referida época apresenta um nível global e valores individuais muito superiores.
Nomes como João Mário, Iuri, Betinho, Esgaio, Agostinho Cá, Chaby, João Carlos, Mica ou Ilori contrastam com um grupo de jogadores dos quais só William e Cédric estão no plantel principal, enquanto L.Ribeiro e N.Reis na equipa B e Zezinho e Kikas, no estrangeiro, fermentam à espera de uma última oportunidade.

É verdade que, na época seguinte, esse mesmo grupo de jogadores venceria o título nacional de juniores (época 2011/12)…mas ninguém nos garante que a equipa que actualmente é criticada e se arrasta pelo campeonato da categoria não possa, na próxima época, inverter a tendência.
Mas se o Sporting campeão júnior de 2009/10 só aproveitou, até ver, dois jogadores para o seu plantel principal, o segundo classificado (benfica) não aproveitou nenhum. O contingente de 11 brasileiros, 2 angolanos, 1 senegalês, 1 georgiano e 1 guineense (para lá de uns quantos portugueses) praticamente desapareceu do mapa futebolístico, um pouco à imagem da maioria dos nossos referidos campeões.

Garantidamente, não reside na nossa Academia nenhum futuro Bola de Ouro, mas já ficaria satisfeito se pudesse antever que os nossos escalões continuarão a alimentar o plantel principal com a qualidade que nos habituou...mas podem ir ganhando um campeonato ou outro que nenhum de nós fica chateado.

Plantel campeão 2009/10