sábado, 22 de setembro de 2012

Mosquitos por cordas

Quando ainda está a meio da primeira parte, o Zaragoza vence o Osasuna por 1-0, golo de Postiga. 
Com este golo, o ex-avançado leonino alcança o feito de ter o dobro de golos do Sporting, em 3 jogos para o campeonato.
Esta pequena brincadeira (baseada em factos e números concretos e reais, até ao momento) visa focalizar a recente história de números e estatísticas, que acabam por ser o fulcro do futebol.
Mas não passa só por aí!!
Temos podido ler e ouvir, da boca do (ainda) nosso treinador, que tudo não tem passado de muito azar. Simplesmente as bolas não querem entrar.
Já há muito que me interrogo sobre esse fatalismo de que todo o azar do mundo bate à nossa parte.
Estou em crer que, quando o suposto azar toca sempre aos mesmos, isso já pode passar a chamar-se incompetência, ou outro adjectivo que ousem baptizar.
Pior ainda, é que aos olhos de Sá Pinto (quase tão desfocados da realidade quanto os de Passos Coelho, que enxerga o que mais ninguém consegue) a equipa está fortíssima e joga um futebol de primeira água.
Desconheço os parâmetros com que rege estas ideias, e provavelmente nunca irei conhecer, mas também aqui se assemelha às visão distorcida que alguns têm a crise que assola o país. A nossa crise de golos e de futebol está , deste modo, devidamente sustentada numa parcela da equação difícil de contrariar.
Nem sequer me preocupa a miríade de individualidades ligadas ao futebol, que nos últimos dias têm vindo a público confirmar que aquilo que temos visto, efectivamente, é tudo menos futebol de qualidade. 
Não é que precisássemos de confirmação, mas é melhor sabermos que os nossos olhos não nos enganam, sustentados em opiniões abalizadas.
Hoje, como seria expectável, todos os jornais desportivos colocam Sá Pinto em maus lençóis, e quase que concertaram as suas capas. Um diz que está na corda bamba, outro que está encostado às cordas, e o último diz que está por um fio (que também é uma corda, mas mais fininha). Só faltava dizerem que há mosquitos por cordas ou que tem a corda ao pescoço.
O que se poderá ler (não li o conteúdo referente a estas manchetes) no interior os jornais, e relativamente ao treinador, não deverá diferir muito da opinião da generaliade dos sportinguistas, mesmo que Sá ainda recolha um significativo número de apoiantes que o possam seguir, eventualmente, até ao ponto de não retorno.
No entanto, o que mais preocupa é ter lido o que vem no ícone do jornalismo nacional, de seu nome Correio da Manhã.
Quem lê este blogue sabe o que penso relativamente à credibilidade que esse jornal me merece mas, convenhamos, (muito) de vez em quando podemos ler uma  notícia e franzir o sobrolho.
Sei que as alegadas fontes do jornal, quando respeita ao Sporting, estão quase sempre mais secas que um bacalhau, mas não posso deixar de ler as referências que hoje são feitas e acreditar que, mesmo que não passe de mais um embuste, poderá haver algo que não corre bem no seio do plantel.
Essa é a parte que ainda mais me preocupa, se quiser acreditar que os maus resultaos e mau futebol são reversíveis.
Diz a referida notícia que os métodos utilizados por Sá Pinto estão a irritar e a dividir os jogadores, e comparam-nos ao rei do tédio, nesta matéria. Carlos Queiroz. 
Diz a publicação que: Fonte próxima do plantel admitiu ontem ao CM haver uma "saturação" em relação aos métodos do técnico. "Os jogadores estão um pouco cansados de tantas palestras e sessões de vídeo intermináveis, que param quase minuto a minuto para se corrigirem erros", contou a mesma fonte, adiantando que no grupo há quem apelide esta metodologia de "estilo Carlos Queiroz".
Os profissionais leoninos queixam-se também de que Sá Pinto, de 39 anos, fala muito mas não identifica os problemas concretos nem apresenta soluções.
Este ponto não me estranha, pois temos podido constatar que, apesar dos resultados negativos, a fórmula continua a ser a mesma, e os erros, esses, perpetuam-se, tal como os resultados.
Também é realçado que o relacionamento de Sá Pinto com alguns jogadores não tem sido fácil.  De acordo com o jornal: O CM soube que já houve choques com Izmailov, entretanto reabilitado, e Onyewu, que já deixou o clube. Agora, segundo as fontes contactadas, foi a vez de Labyad e Schaars entrarem em rota de colisão com o técnico. O jovem médio-direito  acusa-o de não jogar na sua posição, enquanto o holandês, influente em 2011/12, passou à condição de suplente.
Bem, estou longe de poder opinar de forma sustentada sobre este assunto mas, não seria de estranhar que pudesse haver algum azedume, dada a pouca rotatividade que o treinador tem imposto ao plantel à sua disposição. Contudo, ainda recentemente li Boulahrouz dizer que o ambiente encontrado foi o melhor da sua carreira, e se pensar que Shcaars foi operado em Agosto e o seu regresso está a ser preparado com as cautelas normais, é de estranhar que questione a sua condição de...lesionado!!
Assim, fica a curiosidade de mais uma notícia (??) que visa ensombrar ainda mais o ambiente que se vive no Sporting, actualmente, mas que deve ser lida com todas as interrogações e cautelas possíveis.