quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Fazer saltar a tampa à Caixinha


Apesar da vitória desta noite a contar para as meias-finais da Taça de Portugal, lamento informar mas ainda não ganhámos nada.
Habituados que estamos a passar da euforia para a depressão em questão de minutos, quero desde já evitar (pelo menos da minha parte) sorrisos desmesurados e vitórias antecipadas. Já demonstrámos ser capazes do melhor e do pior, e ninguém sabe que Sporting estará convocado para a final de 20 de Maio.
Claro está que estar presente no Jamor é sempre um objectivo a atingir, e é melhor marcar presença e esperar pelos acontecimentos do que ficar a torcer por fora, mas convém não lançar foguetes antes da festa.
Tal como não tenho esmiuçado o pobre jogo do Sporting nos últimos encontros, hoje também não entrarei em grandes pormenores, pois não quero ser injusto, mesmo que hoje houvesse muito mais para analisar. 
Ainda assim, devo dizer que apesar das reiteradas ausências de vulto que teimam em acontecer ( hoje não contámos com Schaars, Jeffren, Rodriguez e Onyewu, para lá de Izmailov que nem saiu do banco) houve uma melhoria relativa comparativamente a jogos recentes. Não quero ser minimalista nem castrador da qualidade de outros intervenientes, mas parece-me que a mais-valia, o clique que a equipa necessitava, o pêndulo que sempre referi e que não tem substituto à altura, dá pelo nome de Rinaudo. Apesar de ser visível que a velocidade e capacidade física estão a níveis notoriamente mais baixos que no início de época, é impressionante como um jogador pode ter tamanha influência numa equipa. Rinaudo teve maior preponderância, quase em ritmo de treino, que os seus substitutos na máxima capacidade. O argentino sabe sempre estar no sítio certo, sabe cortar as linhas de passe...até parece que tem um íman para atrair a bola...ou tem uma bola de cristal para saber onde ela vai cair. Nem seria necessário referir o golo, pois Rinaudo não é nem será um goleador, mas até nessa situação soube estar em zona de remate, dando uma grande amplitude à sua zona de influência. 
Apesar de alguns sobressaltos por que passámos, fruto de alguns erros individuais, esta vitória poderá ser um estímulo para ultrapassar a malfadada crise de resultados e exibições, e tentar um final de época que dignifique o clube.
Mesmo que a vitória vá camuflar algumas lacunas e exibições menos conseguidas, hoje voltou a saltar à evidência o manifesto mau momento de Polga, que em diversos períodos parecia querer inverter a nossa superioridade. Veremos se a estreia auspiciosa de Xandão será suficiente para Domingos tentar uma dupla do brasileiro com Onyewu ou se tentará a reabilitação do capitão leonino. Uma dupla de centrais altos e lentos é algo contra-natura mas, nos dias de hoje, Polga será tão ou mais lento que Xandão e a vertente mental não deixará a Domingos grandes dúvidas.
Mesmo que se possam fazer grandes considerações relativas à qualidade de jogo apresentada, o certo é que conseguimos o grande objectivo para esta partida, e convém recordar que este campo nos é tradicionalmente desfavorável, sendo que a última vitória na Choupana datava da época 2006/07. 
Para finalizar, quero destacar a carnavalesca conferência de imprensa do treinador nacionalista. 
Saltou a tampa da Caixinha...mas afinal não houve surpresa. Surpreendente seria virem reconhecer a justiça da vitória adversária, mais surpreendente seria quando esse adversário se chama Sporting. É que, em circunstâncias de verdadeiros assaltos à mão armada, os treinadores e dirigentes adversários optam por posturas bem mais discretas e submissas. Hoje, da Caixinha saltaram frases como "engolimos sapos vivos", "Existem outras forças que não controlamos nem ambicionamos controlar", "a Académica já estava no Jamor e o Sporting que se apurou, se calhar não hoje, mas já nos primeiros 90 minutos", dando a entender que a vitória foi encomendada.
Era bom que à Caixinha chegassem as imagens do jogo, para não passar por situações embaraçosas. Pode ser que da Caixinha ainda saia um mea-culpa, referindo que o amarelo a Xandão foi injusto (por simulação do avançado nacionalista) que há dois fora-de-jogo mal tirados ao Sporting, com um golo invalidado, que o segundo amarelo a Rondon é justíssimo, a punir um primeiro agarrão continuado e reiterando numa falta sobre Rinaudo, e que o lance sobre Insua talvez seja menos penalti que o que ficou por marcar sobre Matias na Taça da Liga, mas ainda assim é grande penalidade.
Ficarei à espera da próxima conferência de imprensa, para saber se a Caixinha fechou a tampa temporariamente ou se irá reconhecer os méritos do campeão...encomendado!!