domingo, 26 de fevereiro de 2012

Ter e querer


Hoje é dia de mais um jogo decisivo e, como diz Sá Pinto, queremos e temos de ganhar ao Rio Ave. 
Pena que a importância do nosso jogo se refira a lutar por lugares da classificação que têm tanto de importante como de embaraçoso mas, os altos e baixos da época deixaram a equipa e o clube nesta penosa situação.
Se o empate do Benfica ainda vem animar mais o campeonato, dando uma olhadela pelo calendário é possível constatar que ainda há 3 candidatos ao título e, da nossa parte, tanto podemos resvalar para um inaudito e inédito 6º lugar como ainda podemos aspirar ao 3º e, consequentemente, por um posto na pré da Champions.
Se o jogo com o Rio Ave correr como pretendemos e com o resultado que este plantel tem a obrigação de fazer, ficam a faltar 10 jornadas que podem trazer reviravoltas tão inesperadas quão inesperado era este recente e monumental afundamento do Benfica.
Já o facto de ainda aspirarmos ao 3º ou começarmos a tremer com o 6º joga-se tanto em Alvalade como em Braga, onde o Guimarães deve querer manter a aura vencedora. 
Ainda assim, e mesmo sabendo que a nossa recepção ao Guimarães será no intervalo dos jogos com o Manchester City e, por conseguinte, deveremos estar tremendamente debilitados para esse jogo, penso que a nossa tradição ainda pede que pensemos em grande. Assim, estou a torcer por fora para que o Vitória possa hoje fazer uma gracinha e desde modo reacender a nossa ambição para alcançar os bracarenses.
Claro está que estas, como outras contas, passam por um Sporting bem diferente daquele que se arrastou durante 1/3 do campeonato, mas penso que para pior não deveremos caminhar.
Lançando um rápido olhar pelo que resta de campeonato para os 6 primeiros classificados, podemos constatar que o Sporting tem reais possibilidades de chegar, ainda, ao 3º lugar, sendo que tudo se decidirá num escaldante final de época, enquanto o outro candidato a esse lugar tem em datas mais próximas vários testes decisivos para as suas aspirações.
A tabela que se segue tem o calendário dos referidos seis primeiros, e por cores o que considero o grau de dificuldade de cada um. Posso adiantar que nunca tive grandes resultados no totobola, e cada jogo tem variantes que tornam este, como outros desportos, longe de ser uma ciência exacta.
Ontem, colocaria um refrescante verde para colorir o grau de dificuldade do Benfica em Coimbra, e redundou num amarelo torrado.
Resta recordar que o Sporting manteve um triste e incompreensível estatuto de não vencer equipas da primeira metade da tabela, e que só se alterou pela subida na classificação de Nacional e Guimarães.
Por fim, relativamente à equipa que subirá esta tarde ao relvado de Alvalade, dadas as certezas das ausências de Patrício e Carrillo, fica a dúvida da opção do técnico para o lugar do peruano. Se Capel deve surgir como primeira opção, convém não esquecer que Pereirinha parece querer ressuscitar de um limbo que a maioria julgava que ele não sairia, mas ainda me parece talhado só para as partes finais dos jogos. Está nos seus pés...e cabeça, desmentir todos os que acreditam que não passa de um jogador normal.