quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Uma questão de...de...pressão


Depois da derrota no Estádio da Lucy, Pedro Martins, treinador do Marítimo, pouco ou nada disse em relação à arbitragem e à injusta expulsão do jogador Pouga.

"Tínhamos de ganhar, tive de fazer alterações para não estar mais condicionados para o próximo jogo. Expulsão? Não vou falar sobre o senhor Artur, as imagens falam por si, ando cansado disso, é quase sempre o mesmo interveniente, prefiro não o fazer."

Em véspera de jogo com o Sporting, Pedro Martins, treinador do Marítimo, começou a falar de arbitragem.

"Temos realizado bons jogos e não somos uma equipa que jogue com brutalidade. Até ao momento já tivemos sete expulsões, muitas delas exageradamente criteriosas por parte da arbitragem. Estamos no quinto lugar por mérito próprio. Estou a dizer isto para as pessoas terem cuidado, pois somos uma equipa que joga bom futebol. Não gostaria de ver mais expulsões que não fossem justas.Já ando nisto há muito tempo e há critérios e critérios. Sei que o mesmo árbitro tem critérios diferentes de jogo para jogo"

O treinador dos insulares ainda disse que "Com a vitória de ontem do Sporting de certeza que muita da pressão que existia desvaneceu-se. Acho que com a vitória de ontem, a pressão maior desapareceu, pois com a ida ao Jamor podem conquistar um troféu."
Como é tudo uma questão de pressão, nada melhor que começar a pressionar o árbitro a designar, para não entrar em depressão.

Por fim, e sobre a recepção de sábado ao Sporting, Pedro Martins atirou: 

"Não tenho medo do próximo árbitro"

 Mesmo que não seja de estranhar que todo e qualquer sujeito que use a braçadeira de treinador se indigne ou se revolte antes, durante e depois dos jogos com o Sporting, é sempre curioso verificar o folclore que rodeia os nossos jogos. Em oposição, os jogos desses mesmos agentes desportivos com os nossos rivais são inúmeras vezes encarados como uma fatalidade, apesar de ser nos embates com Porto e Benfica que mais fica a nu a diferença entre grandes e pequenos.
Resta saber quem será o homem do apito pois, ao contrário de Pedro Martins, eu tenho sempre medo do próximo árbitro.