domingo, 14 de abril de 2013

A tacita e outros jogos

Num fim-de-semana onde a equipa profissional não competiu, não deixou de se registar uma grande actividade por parte das nossas equipas e, no global, os resultados foram muito positivos.
Os escalões de formação leoninos saíram vencedores em todas as competições nacionais, e sem sofrerem qualquer golo.
A equipa junior venceu em Braga por 0-2 e reforçou a liderança no nacional da categoria, os juvenis venceram em Setúbal por 0-5 e estão cada vez mais perto da liderança e da possibilidade de ir à fase final, que chegou a parecer tarefa impossível e, para finalizar em beleza, os iniciados foram ganhar ao Porto por 0-1 e começaram da melhor forma a fase final no referido escalão.
Já a equipa B manteve a sua senda negativa. Mais uma derrota (a 5ª nos últimos 6 jogos) confirmam que a nossa equipa está a ter um último terço de prova lastimável.
Três vitórias nos últimos 23 jogos dão-nos o estatuto de uma das piores equipas na segunda volta, e o 10º lugar actual ainda está alicercado nos primeiros 12 jogos da época. Apesar desta equipa ser somente uma rampa de lançamento para a equipa principal, convém que os atletas se habituem a ganhar...ou a jogar para ganhar.
Já os atletas do futsal confirmaram o que se começou a escrever desde a primeira jornada. Mais uma goleada ao Braga (6-1) tirou quaisquer dúvidas relativas ao 1º lugar na fase regular, e o empate do Benfica só veio confirmar qual foi (de longe) a melhor equipa na primeira fase. Mesmo que faltem ainda duas jornadas para o final desta fase, o pensamento já começa a focar-se nos inevitáveis play-off, para os quais nada do que se fez até agora vai interessar.
A equipa de andebol deu um passo em frente na consolidação do 3º lugar e, inevitavelmente, ainda olha para um dos lugares cimeiros. A vitória por 22-28 em Águas Santas foi inconstestável mas não vale a pena sonhar com a remota possibilidade de chegar ao título. Quando faltam 6 jornadas para o fim do campeonato, o Sporting teria de vencer os jogos todos, começando pela recepção ao líder Benfica na próxima semana, e esperar que os encarnados perdessem 4 desses jogos, quando só têm uma derrota em 26 encontros. 
No hóquei em patins uma pequena desilusão, não pela esperada derrota em Torres Vedras (4-2) mas porque os nossos rivais pela manutenção alcançaram resultados positivos, que nos empurram de novo para a zona de despromoção.
O fim-de-semana também trouxe a curiosidade da final da Taça da Liga ter ido parar a Braga.
Nada que me tirasse o sono, fosse ela para onde fosse.
Curioso é verificar que os azuis, que tantas vezes menosprezaram a competição que parecia ter um vencedor por decreto, desta vez parecem ter ficado frustrados com a derrota, desde a cúpula até às bases. A Taça da Cerveja tem o valor que tem, mas o facto é que ninguém gosta de perder.
Acredito que se o Sporting vencesse esta competição iria "celebrar", num misto de alegria e indiferença, na Cervejaria Tindade...ou ali perto, mas as gentes de Braga têm que dar largas à sua alegria e grandeza. 
Assim, os auto-intitulados como 3º grande de Portugal, comemorarm nos Paços do Concelho o seu segundo troféu, depois da Taça de Portugal de 1965/66.
Vão ter de fazer obras de ampliação na sala onde a guardam, provavelmente.
Hoje também vi os comentários de um jornalista de um desses canais noticiosos, e deu-me a entender que o Benfica...ou os seus adeptos de microfone na mão, também ficaram satisfeitos.
Referir que o Porto nem devia lá estar e que a "meia simulação" do penalti indiscutível (que eu por acaso até acho que existiu) é uma demonstração de intelincia por parte de Mossoró, levou-me logo a pensar nas mais recentes decisões em lances semelhantes onde os jogadores leoninos foram protagonistas.
Logo a abrir, lembrei-me do semelhante lance de Joãozinho, precisamente contra os bracarenses, que lhe valeu uma expulsão.
Faltou-lhe inteligência...tal como terá faltado a Capel no mesmo jogo, também varrido por um pé adversário....ou um árbitro com uma visão noturna diferente!!
Já quanto aos jornalista em questão, fico sem saber se é daqueles a quem Bruno de Carvalho gostaria de dotar, por milagre, de alguma inteligência, mas tenho uma desconfiança.