quarta-feira, 10 de abril de 2013

Cresce a idade, cresce a maldade

Enquanto espero pelos esclarecimentos de Bruno de Carvalho, provavelmente com a situação financeira como pano de fundo, vão ecoando as notícias e as suas réplicas sobre o impasse que terá surgido na negociação com a banca.
Como o recém eleito presidente não me parece que possua truques na manga, quer-me parecer que as notícias relativamente ao futuro do Sporting poderão ser preocupantes.
A confirmar-se o que circula na comunicação social, o garrote a que esta direcção estará sujeita pode vir a confirmar tudo o que Daniel Sampaio revelou na recente entrevista ao DN.
Não vou tecer ainda grandes considerações, porque podem revelar-se precipitadas mas, a cada dia que passa, parece querer saltar à evidência que o lodaçal onde o Sporting encalhou será mais espesso e fundo do que parecia.
Entretanto, qualquer sportinguista que se preocupe com a actualidade do clube andará à procura de novidades que o possam sossegar.
Assim, será com naturalidade que encontrará as mais recentes declarações desse ícone do clube, de seu nome, Carlos Barbosa.

"É um garoto que anda aos pulos ao lado do treinador mas que não tem condições para gerir um clube da dimensão do Sporting".

"Bruno de Carvalho não tem uma solução alternativa para o Sporting, porque não há investidores que entrem para o Sporting sem a aquisição da maioria da SAD. Essa ideia só existe na cabeça de um garoto", 

O ex-dirigente leonino, que chafurdou recentemente onde o Sporting actual se encontra, considera que os 41 anos de Bruno de Carvalho são um entrave para uma liderança credível.
Sem querer comparar Bruno de Carvalho com ninguém, até porque ainda não provou (nem querem que prove) nada, gostaria de saber o que este génio da lâmpada acha acerca da idade de 44 anos com que Pinto da Costa começou a sua saga na liderança portista.
Penso que a competência, ou a qualidade, não olham a idades, e seria interessante que o actual presidente pudesse provar que esta gente está errada.
Aliás, a maior prova de que a idade não é um posto prende-se com a actuação do acusador à frente do pelouro que lhe coube em sorte.
Não foi pelos seus  majestosos 62 anos que fez um trabalho digno de registo e, pelos vistos, a idade também não é boa conselheira nas críticas irresponsáveis que faz.