quarta-feira, 10 de abril de 2013

Forças de bloqueio?

 De acordo com o que se pode ler num texto da Lusa, e pela interpretação que apressadamente se possa fazer, as forças de bloqueio podem estar de regresso, poucas semanas após a derrota eleitoral.
Claro está que o melhor é esperar pelos esclarecimentos de Bruno de Carvalho, por volta do meio dia.
No entanto, desconfio que estará relacionado com este tema, e as notícias podem não ser as melhores.
 
edit: conferência de imprensa adiada para as 18 horas
 
 
“Lisboa, 09 abr (Lusa) – O Sporting está numa situação de estrangulamento financeiro, na sequência das negociações goradas entre a administração da SAD e os responsáveis do Millenium/BCP e do Banco Espírito Santo (BES), revelou à agência Lusa fonte ligada à direção “leonina”.
“A Banca credora ‘puxou o tapete’ a Bruno de Carvalho, ao bloquear verbas já acordadas para cumprir exigências imediatas de tesouraria, nomeadamente o pagamento de salários a funcionários e jogadores”, disse esta fonte sportinguista, situando a rutura nas negociações entre as duas partes “na semana passada”, a qual compromete a satisfação de compromissos prementes de tesouraria.
Com efeito, essas negociações, nas quais participaram Bruno de Carvalho e o responsável pela área financeira da SAD, Carlos Vieira, além de José Maria Ricciardi, pelo BES, e Miguel Maia, pelo BCP, não chegaram a bom termo, depois dos novos responsáveis do Sporting terem solicitado mais 25 milhões, além dos 45 que constavam do programa inicialmente negociado pelo anterior presidente, Godinho Lopes, para fazer face a compromissos até final da época.
Segundo a mesma fonte, a totalidade da verba em causa “é de 70 milhões de euros e não de 80, como foi hoje incorretamente noticiado”, além de que a Banca credora terá exigido “certas garantias que não tinham sido negociadas nas reuniões que houve entre a lista B e o BCP e o BES, durante a campanha eleitoral”.
Outra questão que bloqueou as negociações teve a ver com os investidores prometidos por Bruno de Carvalho na campanha eleitoral, investidores esses cuja identidade o novo presidente “leonino” não identificou na altura, garantindo, todavia, uma disponibilidade financeira daqueles, na ordem dos 15 a 20 milhões, para injetarem na SAD.
“É falso que os investidores não existam, o que acontece é que estão na expetativa da conclusão das negociações com a Banca sobre a reestruturação financeira”, revelou aquela fonte “leonina”, desmentindo as notícias segundo as quais a Banca teria endurecido a sua posição depois de confrontada com a inexistência de investidores por parte de Bruno de Carvalho.
Por outro lado, a mesma fonte acusa o BES e o Millenium BCP de “exigirem a entrada para a administração da SAD de dois elementos da sua confiança para a controlarem, esvaziando de poderes Bruno de Carvalho”, cenário que este “rejeita”, e de pretenderem que o Sporting “perca a maioria do capital da SAD”, que detém atualmente, o que “aconteceria caso José Couceiro tivesse vencido as eleições”.
Aponta, ainda, o dedo à Banca credora dos “leões” de querer, “a todo o custo”, evitar que Bruno de Carvalho “avance com a auditoria que prometeu às contas do clube”.
“A situação do Sporting é urgente e preocupante, porque, se não for possível concluir a reestruturação definitiva, como pretende Bruno de Carvalho, o clube não tem salvação”, alertou a mesma fonte.
Entretanto, está marcada para as 12:00 de quarta-feira uma conferência de imprensa em Alvalade, na qual este tema deverá ser objeto de análise por parte de Bruno de Carvalho e seus pares”.