quarta-feira, 29 de maio de 2013

Josu eras

Ainda a cama está quente do prolongado sono que a equipa do Sporting beneficiou este ano, e já as atenções se prendem com a próxima época.
Os adeptos estão obviamente sedentos por novidades, mesmo que seja público que o clube irá tão só maquilhar o plantel.
Já foi dado a entender que as entradas não devem exceder os 3/4 jogadores, mas é sempre com enorme expectativa e redobrada esperança que todos esperam que salte para as luzes da ribalta a confirmação dos eleitos.
Num clube que passa pela sua maior crise desportiva e financeira da história, não é de esperar que a escolha incida em jogadores de créditos firmados, e se fizermos uma mera viagem pelas caixas de comentários de alguns locais de tertúlia leonina, é evidente que as prendas que são pedidas antecipadamente ao "Pai Natal" já reflectem essa mesma realidade.
Se parece líquido que o lateral esquerdo Jefferson será um dos eleitos, as maiores incertezas recairão sobre o ponta-de-lança...que se espera não venha só, para não ficar órfão na frente de ataque um ano mais.
Depois tudo dependerá das saídas que estão em equação, umas para reduzir a folha salarial e outras que possam estar relacionadas com a obstinação das partes na renovação de alguns contratos.
Alguns desses lugares que ficarão em aberto deverão ser preenchidos pela prata da casa, tenham eles andado nos últimos tempo por Alvalade ou noutros locais, por empréstimo.
No entanto, do jogador que mais se tem falado, nos últimos tempos, é Josué.
O médio do Paços de Ferreira, formado nas escolas do Porto, pode vir a tornar-se em mais um ícone da guerrilha urbana fomentada pela dono da Frutaria Costa.
Sabe-se que o homem faz questão, desde há anos a esta parte, em ir buscar jogadores que belisquem a auto-estima dos adeptos dos outros grandes, e da própria estrutura dos clubes visados.
Algumas das aquisições são verdadeiros atentados à sua reconhecida capacidade para potenciar um calhau como futebolista , mas isso não interessa quando o que está em causa é provocar mossa nos adversários.
O Sporting, então, tem sido um autêntico manancial do clube nortenho.
As recentes aquisições de Tiago Rodrigues e Ricardo ao Guimarães não terão certamente essa premissa, mas o facto de ambos já terem vestido a nossa camisola pode ter servido como incentivo suplementar.
Regressando a Josué, hoje o jornal A Bola noticia que o jogador pode estar de regresso ao Porto.
Faz todo o sentido.
Assim, já começa a perceber-se o interesse do Costa em divulgar que o Sporting estava interessado no jogador.
Deste modo, já pode mostrar que deu mais um golpe no rival, mesmo que se trate de um regresso.
A sorte, no meio desta novela, é que acontece no final da época.
Pior seria se Josué tivesse ido jogar a Alvalade, tal como aconteceu a Ruben Micael, e saísse sob uma estrondosa salva de palmas, já com contrato assinado pelo Porto.

Acredito que Bruno de Carvalho tem os dois olhos bem abertos, mas a confirmar-se o que por enquanto não passa de uma possibilidade, é motivo para os abrir ainda mais.
Há males que vêm por bem e, caso o jogador acabe por regressar ao Dragão,  pode ser que cesse, de uma vez por todas, qualquer negócio envolvendo os rivais.
Se o Sporting estava interessado realmente em Josué, presumo que fosse uma mais-valia para o plantel mas, vistas as coisas...não me importo que se passe a chamar...Josueras.