sexta-feira, 24 de maio de 2013

Uma bomba e uma machadada

"Rebenta a polémica entre o antigo e o actual treinador do Sporting"

É com este título bombástico e garrafal que o Record polvilha hoje a sua capa.
Todos nós sabemos que o Sporting, junto com os outros dois, são quem faz vender aquele papel de embrulho, mas por vezes aquela gente ultrapassa os limites da razoabilidade.
É certo e sabido que os treinadores referidos têm em comum o Sporting, mas o curioso é que ambos têm mais em comum terem sido treinadores do Braga.
A polémica que "estalou" ontem tem, objectivamente, o passado de ambos como pano de fundo.
Domingos diz que não gostou de ouvir Jardim dizer que "...por onde passa nenhum treinador faz melhor" mas, se não estou enganado, Jardim terá dito "...o tempo deu-me razão. Em termos desportivos, nenhuma das equipas conseguiu melhor depois de eu ter saído."
As frases têm algumas semelhanças, mas Domingos descontextualizou ligeiramente a declaração do ex-treinador bracarense.
Não acredito que o nosso recém apresentado técnico tivesse pretendido menosprezar os seus sucessores, mas visou sim defender a sua honra e apontar o dedo aos dirigentes que prescindiram dos seus serviços.
Não estou a defendê-lo de modo cego, porque daqui por uns tempos poderá estar a dizer o mesmo do Sporting, mas parece-me despropositada a reacção da virgem ofendida (e nem sequer foi Domingos o visado), tal como nunca o vi ofendido com a prepotência de Mourinho ou outros técnicos com uma auto-estima demasiado elevada.
Ainda assim, a referida publicação deveria ter utilizado a técnica pretendida para captar a atenção dos seus leitores, mas fazendo a seguinte capa:

"Rebenta a polémica entre os antigos treinadores do Braga"


Muito mais preocupado fiquei ao ler a capa do jornal O Jogo.
Claro está que terei que esperar pela confirmação do que é dado como uma certeza, pela boca de Vicente Moura, mas a notícia do corte de 40 a 50% dos salários do andebol, bem como a redução substancial em todas as modalidades deixa-me em verdadeiro sobressalto.
Não que me apanhe desprevenido, porque no programa de Bruno de Carvalho esta possibilidade não foi escondida, mas sentir esta machadada no ecletismo do Sporting é deveras preocupante.
Acredito que assim seria com Godinho...talvez até pior, mas quero acreditar que o Sporting ainda conseguirá encontrar petróleo num dos poucos terrenos que ainda lhe pertencem e dar outro rumo às modalidades.
Ou isso, ou canalizar o vencimento de um qualquer Bojinov ou  Vercauteren para uma das modalidades mais competitivas. O salário mensal de um desses daria certamente para a alimentar durante uma época.
Os adeptos do Sporting continuam a valer-se desse mesmo ecletismo para tentar contrariar publicamente o declínio do futebol, mas a realidade aponta também para uma bipolarização nas modalidades.
Foi assim até há pouco tempo no basquetebol, até o Porto abandonar a modalidade, tem sido assim no Hóquei em patins e no andebol, e precisamente agora que a nossa secção de andebol tem dado uma nova imagem surge esta bomba.
Pior ainda, mesmo que os cortes venham a ser uma realidade, difundi-lo numa semana que o Sporting luta pelo 2º lugar e, também com o Benfica, disputará a meia-final da Taça de Portugal parece-me completamente despropositado.
A ser verdade, acredito que poderá acontecer uma debandada dos nossos melhores atletas, e fica por saber quais os cortes e que outras modalidades serão afectadas, quando o futsal surge com uma pujança e qualidade ímpares.
O Benfica certamente estará atento ao nosso desinvestimento.