quinta-feira, 30 de maio de 2013

O meu pé esquerdo

Hoje volta a ser notícia um jogador que, já não pertencendo aos quadros do clube, criou alguma afinidade com larga falange de apoio leonina.
Falo, obviamente, de Emiliano Insúa.
Não sendo o interesse do Benfica nem o seu empréstimo um dado adquirido, tenho no entanto a certeza que muitos adeptos sportinguistas não tardarão em demonstrar publicamente o seu descontentamento pela possibilidade aventada pelo jornal Record.
Mais uma vez encaro este boato com descontracção, porque volto a recordar que, felizmente para a minha sanidade mental, não tenho ídolos...e o meu único foco de interesse prende-se na instituição Sporting Clube de Portugal.
Isto não invalida que não goste de ver nenhum nosso ex-jogador vestir as camisolas dos rivais, mas resolvo isso desejando-lhes toda a sorte que eles nos desejam a nós....ou um pouco mais.
Não sendo um seguidor da realidade encarnada, tenho a sensação que o barco deles tem precisamente começado a adornar à esquerda, desde há alguns anos a esta parte.
Um pouco como o que nos tem acontecido.
O Sporting procura insistentemente uma alternativa credível para a lateral esquerda, e as inúmeras experiências têm sido quase sempre tiros de pólvora seca.
Rui Jorge foi a nossa última grande referência naquela posição, e daí para cá vimos passar, entre outros, grandes figuras do futebol mundial, como Paíto, André Marques, Edson, Ronny, Grimi, Marian Had, Evaldo ou Joãzinho.
Também a esquerda foi alvo de diversas adaptações, como aconteceu com Tello, Pedro Silva, Caneira, Veloso, Torsiglieri ou Rojo.  
Além destes, ainda temos um Turan a rodar sem saber se vai voltar.
Que me desculpem os visados se me esqueci de algum, desta última dezena de anos.
Ao ver hoje a imagem do nosso ex-lateral argentino, penso no imediato.
De que jogador estão os nossos rivais interessados?
O Insúa da primeira época em Alvalade ou o que se arrastou pelos campos na metade da segunda época com a nossa camisola?
O Insúa que fez mais de 30 jogos pelo Liverpool ou o mais recente, que fez 2 jogos pelo Atlético de Madrid?
Seja como for, isso é problema deles.
Só espero é que, nesta nova era leonina, onde se espera que os sportinguistas recuperem a sua auto-estima, não haja demasiada guerrilha entre as facções que marcaram os dois últimos actos eleitorais e que poderão colocar em causa a estabilidade que necessitamos.
Espero que, caso o jogador rume ao rival, não venham acusar a direcção cessante nem a vigente por algo que, no futebol actual, é quase irrelevante.
Como será irrelevante que o Insúa, se tiver que correr naquela linha onde chafurdou Coentrão,  terá certamente de proferir declarações à imagem de quem lhe paga. 
Tal como quando chegou a Madrid, onde teve de dizer que o Atlético tinha maior dimensão que o Sporting, para gáudio de alguns jornalistas portugueses.

Como não vale a pena estar a olhar para os rombos dos nossos rivais, resta acreditar que desta vez iremos conseguir tapar o nosso buraco à esquerda, com a esperança chamada Jefferson.
Espero que daqui por uns anos, o lateral brasileiro seja também ele uma referência, e o recorde com saudade, como aconteceu com Rui Jorge.