sexta-feira, 31 de maio de 2013

Comprimido azul

A capa do jornal A Bola faz hoje referência à (hipotética) intenção do Porto em avançar por Ghilas.
Já o DN diz que:
«O FC Porto ainda tentou a contratação do brasileiro Jefferson, que foi apresentado quarta-feira em Alvalade como reforço do Sporting. Segundo o DN apurou, os dragões tentaram garantir a sua aquisição na última terça-feira, com o agendamento de uma reunião de última hora com os dirigentes do Estoril e da Traffic (empresa que detém parte do passe do jogador) para negociar o defesa-esquerdo brasileiro... mas ele já tinha assinado pelos leões.»  

Isto poderá indiciar que o Porto volta a técnicas antigas e que tantos proveitos lhes renderam, ao intrometer-se em todo e qualquer negócio que o Sporting tinha em mente.
Ainda estarão na mente de muitos as contratações relâmpago de Alan, Paulo Assunção, Adriano,  Rúben Micael,  Raul Meireles, Kléber, até do treinador Villas-Boas ou outros com os quais o Sporting tinha princípio de acordo, direito de preferência, negociações avançadas ou simples interesse.
Foi assim com Josué. 
Já tinha sido assim com o jogador Domingos, que voltou atrás nas portagens de Alverca, quando vinha para o Sporting.
É assim e assim será com o da Frutaria Costa.
Principalmente quando deixamos de estar de quatro, numa posição passiva, à imagem do "Calor da Noite" onde tão bem se movimenta.
Ou o mercado disponível para os bolsos dos clubes portugueses é muito apertado, ou o homem ficou mesmo perturbado pela indirecta de Bruno de Carvalho relativamente à negociata Moutinho.
No entanto, este falhanço na intromissão no negócio Jefferson pode dar razão a BdC, quando diz que o outro está a perder capacidades.
Nada que um comprimido azul não resolva. Azul é mesmo com ele.

Se isto quiser dizer que a equipa campeã nacional poderá estar em vias de contratar Mido, considero uma óptima notícia.