sexta-feira, 3 de maio de 2013

Os uns e os outros

A rivalidade, como a que acontece cá pelo burgo entre SPORTING e benfica é algo corrente em toda e qualquer parte do mundo.
Algumas até podem ser mais extremas e incendiárias, mas a nossa já tem um grau bastante elevado de intolerância.
Claro está que cada lado da barricada vê a sua como a melhor cor, e consegue distinguir defeitos onde os outros só vêem virtudes, mas não podem estar os dois certos.
Não querendo ser preconceituoso, eu tenho a certeza que, apesar das muitas almas penadas que nos podem envergonhar, o Sporting congrega um ADN muito mais puro.
Basta constatar pela lisura e clareza da sua fundação, ao contrário dos seus rivais, que até nas datas de fundação tiveram de recorrer à batota.
O comportamento típico dos seus adeptos também os distingue, mesmo que possa concordar que os há para todos os gostos e feitios.
Ontem, após a vitória do Benfica para as competições europeias, comecei logo a receber mensagens provocatórias dos meus amigos benfiquistas.
Como falo por mim e não pela boca de qualquer outra pessoa, direi que este tipo de comportamento é algo que eu não NUNCA teria.
Quando o Sporting alcançou esta mesma final, há meia dúzia de anos atrás, não enviei uma única mensagem, não invadi a página de ninguém no Facebook, não incomodei nenhum dos meus colegas de trabalho.
Nem sequer se tivesse vencido a taça....muito menos se ela ainda estivesse longe de estar ganha, como é o caso.
Eu sei que há sportinguistas que também se deixam ofuscar pelo brilho de uma taça, ou que têm o Rei (leão) na barriga, mas é evidente o que nos distingue.
Essa diferença é palpável até nas pessoas mais mediáticas.
Veja-se o caso, meramente exemplificativo, dos apresentadores do 5 para a Meia Noite.
Os apresentadores sportinguistas não impingem o clube a ninguém, raramente falam dele, e chegam a ironizar com as suas fraquezas.
Depois há o outro, que mesmo em minoria está constantemente a professar a sua fé, esquecendo-se que mesmo que eles sejam 4 milhões, a maioria não o quer ouvir falar da sua paixão.
Sim, eu sei que existe um botão que o cala definitivamente, e por isso é que deixei de o ver há muito.
Por isso é que o Youtube dá muito jeito.
Só vemos a parte que nos interessa, e no caso, Fernanda Abreu, com uma classe superior, explicou o que diferencia os flamenguistas dos outros.
É mesmo uma questão de educação.
Resta saber se esses também tiveram de aldrabar a data de nascimento.
 
    
Fico orgulhoso, mesmo sem nada ganhar, de pertencer a esta família.