quinta-feira, 12 de abril de 2012

Anjos e demónios


Depois da notícia de ontem, relativamente ao árbitro assistente José Cardinal, apontar no sentido que todos desconfiamos, ou seja, que os resultados desportivos continuam a ser condicionados, seja por aliciamento económico ou qualquer outro meio, hoje surge a notícia que alguém com ligações ao Sporting pode estar por detrás da história.
Segundo alguns órgãos de comunicação, a PJ terá ido a Alvalade e à empresa de Paulo Pereira Cristóvão (PPC), pois desconfia que este poderá ter estado na origem de uma armadilha ao referido árbitro.
Bem, a ser verdade, e acreditando piamente que a nossa instituição não tem nada a ver com o ocorrido, mas que ficará indelevelmente marcada pela suspeição, vai acontecer algo que, desde as aparições de Fátima, não ocorria.
José Cardinal, que está ligado pela negativa à maioria dos jogos que teve "a sorte" de nos ajuizar, e onde basta recordar a entrega da célebre Taça Lucílio ao Benfica, quando podia perfeitamente chamar-se Taça Cardinal, já esta época voltou a fazer das suas, ao invalidar um golo ao Sporting, graças a um fora-de-jogo de metros que só ele foi capaz de vislumbrar. Pois este senhor irá, por obra e graça de São Cristóvão, passar de réu a vítima num piscar de olhos, e ainda poderá esvoaçar pela linha lateral com as suas asinhas de anjo, sem que alguém ouse desconfiar das suas intenções, e com o alo angelical a coroar a cabeça.
O Sporting, que é a eterna vítima do poder instituído, que nunca soube ou nunca o deixaram ficar na pole position, quando arranca cada campeonato, com uma rol de queixas ao fim de cada ano que bem podia ser a lista para o enxoval de um casal de desvalidos, passará de vítima a réu, por muito que se prove que nada tem a ver com o sucedido. Ganhará ainda, provavelmente, a antipatia da classe arbitral, que já tem uma relação de verdadeiro desdém com a nossa instituição, e irá arder no inferno dos críticos das equipas rivais, para a eternidade.
O que vale é que hoje ocorreu um incêndio no porto de Leixões, que poderá desviar as atenções deste pequeno escândalo.
Ainda irão descobrir que foi PPC quem mandou deflagrar o incêndio, para ganhar tempo.
O que vale, também, é que sabendo como funciona a nossa justiça, que é capaz de ignorar escutas que incriminam delinquentes,o caso acabará por prescrever. lá para 12 de Abril de 2022.