domingo, 22 de abril de 2012

Será que alguém viajou com Xistra?


Para mim, todas as vitórias do Sporting são saborosas.
Para alguns, algumas vitórias são especiais, como aconteceu no recente derby lisboeta.
Hoje, para mim, esta vitória teve um sabor especial, depois de uma semana de ataque cerrado e de verborreia inqualificável, por parte do presidente nacionalista.
Não sei se alguém terá viajado com Carlos Xistra, desta vez, mas o que é certo é que voltamos a vencer no reduto de uma equipa que, pessoalmente, já me começa a enjoar, dada a constante investida contra os nossos interesses e contra o bom relacionamento institucional entre as colectividades.
O treinador nacionalista vincou a superioridade da sua equipa relativamente à equipa de suplentes leoninos, e tem alguma razão quanto ao domínio territorial e de posse de bola.
Felizmente  Caixinha não se esqueceu de referir que contra os titulares do Porto a superioridade também foi (ainda mais, digo eu) evidente, mas de vitórias morais estou eu farto.
O jogo tem uma história difícil de contar, para quem gosta de aflorar os pormenores técnico-tácticos. O Sporting não apresentou um futebol fluído, provavelmente fruto de ter apresentado uma equipa de recurso, com a particularidade de o ter feito no campo de um adversário tradicionalmente muito complicado, o que vem valorizar o resultado.
Jogar na Choupana não é o mesmo que jogar em Leiria, e ainda com a agravante de o ter feito durante mais de meia hora com 10 jogadores. 
Contudo, a opção de risco (mas a única possível de ser tomada)  de Sá Pinto foi bem sucedida, e as opções que tomou no decorrer do jogo também foram as mais acertadas. Claro, quando se ganha arrisca-se a ser considerado um "génio", mas a unidade em sub-rendimento na primeira parte era relativamente fácil de vislumbrar. Já a troca de um médio por um ponta-de-lança, após a expulsão de Rubio já não estaria nas previsões de todos, bem como a troca, pouco depois, de um defesa por um médio (Arias por Jeffren) com o recuo de Pereirinha. Estas alterações conferiram maior consistência à equipa, mas permitiu que pudesse, em momentos pontuais, ser mais contundente ofensivamente, e por isso, penso que Sá Pinto também deve ter nota positiva, tal como Marcelo, unanimemente considerado o MVP do jogo.
Não é fácil fazer esta valoração nem comparações, mas não me admiraria que Domingos, numa mesma situação, metesse a marcha-atrás, com a introdução de mais unidades defensivas.Claro está que umas vezes as coisas saem bem, outras nem tanto, mas gostaria de valorizar esta atitude, do nosso treinador.
Uma das vertentes menos positivas, mesmo tendo em conta que a equipa apresentada era de recurso, foi alguma fragilidade defensiva, que redundou em dois golos sofridos, e mais uma série de oportunidades felizmente desperdiçadas pelo Nacional.
Se nos últimos tempos a equipa tem apresentado uma consistência defensiva digna de realce, hoje a tremideira foi constante, mas o que fica para a história é o resultado, e o resto é fogo de artifício.
Como é óbvio, dado que as contas são feitas no final, que ainda é possível olhar para cima e vislumbrar a sombra do Braga, mas para ainda ser viável pensar em chegar ao 3º lugar, mais do que pensar na hercúlea tarefa de vencer os 3 jogos que faltam, de onde realça a viagem ao Dragão, ainda teríamos que esperar por uma derrota (ou dois empates) do Braga, antes da visita a Alvalade. Não é impossível, mas parece-me uma carambola muito difícil de concretizar.
Como essas contas são para se ir fazendo, agora há que pensar no jogo de 5ª feira, esse sim o grande objectivo...desta semana (e quem sabe, do ano).
O Athletic teve também uma deslocação importante para as suas aspirações europeias da próxima época e venceu em Santander por 0-1.
Segundo as crónicas, foi um passeio bilbaíno no Sardinero, mas há que realçar que, ao invés de Sá Pinto, Bielsa colocou a equipa quase na sua máxima força, tendo só feito descansar Muniain e Llorente.
Teremos portanto, na 5ª feira, duas equipas moralizadas mas,  como quase sempre que o Sporting defronta equipas de países de outro nível monetário e de influência, espero que a 3ª equipa também se apresente a bom nível.