segunda-feira, 30 de abril de 2012

Sporting 2 Polga 1


As ressacas de jogos europeus  transformam-se, tantas vezes, em autênticos pesadelos.
Ainda ontem pudemos assistir à derrota do eufórico Bilbao, com um dos últimos classificados do seu campeonato e, hoje, o Sporting despertou do pesadelo de 5ª feira com uma exibição sofrível mas com um resultado que sabe a mel.
Hoje nada mais interessava que a vitória, mesmo que todos desejássemos um reencontro perfeito perante os adeptos, mas há contingências da competição que se sobrepõem ao interesse colectivo.
Alguns momentos da 2ª parte fizeram-me acreditar que seria possível uma primeira parte longe da mediocridade apresentada, mas como as contas fazem-se no fim, e um jogo analisa-se pela totalidade do tempo jogado, vou arquivar essa primeira parte na zona do meu cérebro que está inactiva.
Assim, como acabei de a arquivar, excepção feita ao excelente golo de Carrillo que é possível visionar no Youtube, cinjo-me aos 45 minutos finais, disputados com algum sofrimento, muita entrega, alguma ingenuidade e pormenores que permitiram dar a volta a um cenário complicado.
A entrada de André Martins foi, a meu ver, decisiva, e o clique que era necessário para passarmos a dominar o jogo. O pequeno jogador encheu, literalmente, o campo.
As transições ofensivas só começaram a ocorrer com alguma objectividade a partir desse momento, e quase estou tentado a considerá-lo o homem do jogo, mau grado o golo (que vi no Youtube), alguns desequilíbrios  e a bola na barra de Carrillo.
Pereirinha, mesmo que tenha tido um ou outro momento em que não foi perdoado pelo público, apresentou-se a um nível muito superior a J.Pereira, e nessa substituição também esteve a chave para inclinar o campo para o lado academista.
Apesar de gostar de destacar os jogadores que mais sobressaem da manobra colectiva, devo dizer que hoje, excepção feita a Pereirinha, achei a totalidade da defesa a um nível muito baixo, e não fosse termos defrontado o pior ataque do campeonato e poderíamos estar a lamentar-nos da nossa sorte.
Polga contribuiu para que a Académica se destacasse do grupo das equipas com 23 golos, ainda tentou fazer dois penalties mas hoje não estava para aí virado e Onyewu, mesmo a uma rotação muito mais baixa, não conseguiu discernir alguns dos lances de maior perigo, e teimou em complicar situações de fácil execução. Insua, tão só, estava sem pilhas.
Esperemos que na próxima semana, sejam quem forem os escolhidos para abrilhantar a festa do título, se apresentem à imagem desta última parte da época, e retornem a Alvalade com fundadas esperanças de conquistar o 3º lugar, ainda há 4 jornadas atrás uma autêntica miragem.
Não o fazer significa participar, como convidados, a duas festas de consagração, sendo uma delas em Alvalade.
Nota de destaque, para não variar, vai para alguns comentários dos senhores que se escondem atrás dos microfones.
É quase surreal, a meio da primeira parte, um comentador dizer que..."Izmailov tem andado desaparecido do jogo. Ainda mal tocou na bola!!."
Era visível, aos olhos de todo o Portugal e arredores, que Izmailov não estava em campo, e que nem sequer se sentava no banco de suplentes.
Perante esta perspectiva, só mesmo se tivesse sido chutada uma bola para a bancada é que Marat poderia ter tocado na chicha. 
Estes é que não merecem o pão que comem!!