terça-feira, 17 de abril de 2012

Nuvens negras


Depois de alguns dias de informação, contra-informação e desinformação, espero que chegue rapidamente o dia do jogo a contar para as meias-finais da Liga Europa, para estes assuntos que inundaram e denegriram o Sporting abandonem de vez a actualidade.
Hoje, felizmente, a notícia do dia parece ser (a confirmar-se) a assinatura de contrato por 5 anos de Zakaria Labyad, tal como já era do conhecimento público, mas que o próprio jogador ainda desmentia, por óbvios motivos.
Esta própria informação conheceu avanços e recuos, desde que foi dada a conhecer há uns largos meses, mas nada como esperar por Julho e confirmar a veracidade, ou o desmentido.
É que os órgãos de comunicação social estão sempre muito bem posicionados para garantir a maioria da informação que veicula mas, acaba quase sempre por sobrar demasiada tinta e papel. 
Basta ver o caso com que iniciei esta crónica, e que marcou pela negativa a actualidade leonina para nos apercebermos que, por vezes, parece que alguns dos media sabem tanto quanto nós.
Tantas e tantas vezes lemos "A Bola sabe que..." , "O Record está em condições de afirmar que..." , ou outras frases feitas que indiciam um conhecimento de causa, mas que os próprios acabam por desmentir ou disfarçar, para não dar a mão à palmatória. 
Um destes sabia, ou estava em condições de afirmar, por exemplo, que PPC iria levar cartão vermelho da direcção sportinguista, e é o que sabemos.
Quando leio ou oiço, na primeira pessoa, declarações de agentes desportivos ligados ao Sporting é que me convenço que ninguém está a fabular, pelo que foi com preocupação que li a entrevista de Godinho Lopes (GL), relativamente à próxima época (e seguintes).
A época falhada a nível interno vai ter repercussões no planeamento da próxima época, por força da mais que provável ausência da Champions. 
Se já andamos consecutivamente com orçamentos muito inferiores aos rivais, tudo aponta para que o fosso aumente, e não é agradável ouvir ou ler GL apontar algumas medidas a tomar no final do campeonato, relativamente ao plantel. "...saber que solicitações terá de outros clubes para adquirir os seus jogadores, que possibilidades terá a SAD de manter a maioria do plantel e o surgimento de propostas irrecusáveis".
Sabedor das vendas ao desbarato dos activos do Sporting, desde que as dificuldade de tesouraria e desespero tomaram conta do clube, há anos atrás,  parece-me que as propostas irrecusáveis que GL refere no 3º ponto bem se podem integrar no 1º (que clubes querem os nossos jogadores).
Os números que se fala, por exemplo, nos interessados em Carriço, são um luxo para os nossos cofres, mas uma afronta quando comparado com os valores que qualquer perneta dos rivais é avaliado, ou transaccionado.
Para inverter esta tendência, nada como vencer uma grande competição, como a Liga Europa para, perante a inevitabilidade de vender, ao menos fazê-lo por largos milhões, como alguns dos bluffs que saíram dos rivais.
Se as nuvens negras de PPC estão mais desanuviadas, espero, sinceramente, que a meteorologia ajude o Sporting.
Há dois dias atrás, o Instituto de Meteorologia perspectivava chuva moderada para 5ª feira, na região de Lisboa.
Se a climatologia, por norma, assusta os portugueses como poucos outros povos no Mundo, e poderia ser uma condicionante para ter a lotação próximo da capacidade máxima, o que mais me preocupa com esta previsão tem a ver com a apetência dos bascos para campos encharcados.
As equipas bascas, provavelmente por habitarem uma região de alta pluviosidade, estão habituados a relvados molhados, e quando isto não acontece, até o potenciam, através de regas generosas.
Quando o Sporting defrontou a Real Sociedad para os 1/4 de final da Liga dos Campeões, na época 1982/83, depois de uma vitória em Alvalade por 1-0, deslocou-se a San Sebastian para segurar a magra vantagem e seguir para as meias-finais da competição.
Quem seguiu acabou foi a equipa da Real, graças à vitória por 2-0, mas também seguiu uma queixa do Sporting para a UEFA, porque os bascos empaparam o campo com a rega, e assim retirar vantagem do seu jogo típico.
Este Bilbao já é uma equipa mais técnica, já gosta de ter a bola no pé, ou por alguma razão começam a chamar-lhe o mini-Barça mas,  convenhamos, se o relvado estiver muito molhado os nossos jogadores terão muito mais dificuldade em explanar o seu futebol.
Hoje fiquei mais animado, porque a previsão já só aponta para aguaceiros e, por este andar, 5ª feira até teremos que levar protector solar, mesmo que o jogo se realize às 20.05.