sexta-feira, 27 de abril de 2012

Pichota e os seus pendrucalhos


Hoje há futsal.
Capítulo 2 do duelo luso-"espanhol", mas com baixas expectativas quanto à inversão do resultado final, relativamente ao que ontem aconteceu.
Não bastasse a diferença entre as duas equipas, ainda teremos pela frente, de novo, um ambiente hostil com perto de 8 mil catalães a puxar pela sua equipa e, provavelmente, uma equipa de arbitragem que quererá fazer o favor à UEFA por os ter nomeado para este fim-de-semana inesquecível.
A época passada escapou-nos de forma inglória a conquista do troféu, e esse era o nosso ano. 
Este que hoje se começa a disputar não me parece que esteja ao nosso alcance, mas acredito que a equipa dê tudo o que tem para inverter a superioridade catalã, alicerçada em vários campeões do mundo, tanto pela Espanha (Torras e Rodriguez ) como pelo Brasil (Gabriel, Ari e Wilde).
A equipa do Sporting continua a ser bastante competitiva mas o certo é que continua, desde a saída de Cardinal, a ter um fraco rendimento ofensivo, e a provável ausência de João Matos, por lesão, também poderá pesar no rendimento defensivo, perante tão virtuosos jogadores.
Aliás, em termos de ausências, teremos ainda a de Buiu, por lesão, e de Deo, por castigo, sendo que se Alex e o próprio João Matos virem hoje um amarelo não poderão jogar no Domingo para o 3º e 4º lugares ou para o jogo do título.
Do lado do Barcelona, não há nenhuma ausência nem nenhum jogador está em risco para o jogo de Domingo.
Neste ciclo de meias-finais de jogos europeus em diversas modalidades, estes foram curiosamente agendados  por ordem de grandeza, ou relativa importância.
Se no primeiro duelo contra bascos o castigo foi demasiado pesado, pela força da equipa adversária e do homem do apito, o jogo de hoje terá outra região que proclama a sua autonomia como pano de fundo, e desta vez a UEFA enviou 4 árbitros de países insuspeitos para assegurar a isenção na competição.
Do quarteto formado por Oleg Ivanov  (Ucrânia), Gábor Kovács (Hungria), Borut Šivic (Eslovénia) e Bogdan Sorescu (Roménia), sairá a dupla que ajuizará as incidências de logo à noite.
Até pode ser que me engane, e espero bem que estes sujeitos me contradigam mas, é por demais conhecida, nas mais variadas modalidades, a propensão que os homens de leste têm para se deixar manobrar.
Mesmo que as 4 potências europeias da modalidade estejam representadas pelos seus campeões nesta final four e, deste modo, haja o impedimento de árbitros desses países, parece-me estranho não haver nenhum árbitro de um país com menos tradição futsalista, mas mais auto-estima.
Bem, por esta ordem de ideias, Atkinson não teria sido protagonista no jogo de ontem, mas o pai pode ser do Azerbeijão ou a avó do Uzbequistão.
Amanhã é a vez do andebol, mas a seu tempo farei a antevisão.
O que me anima é que os árbitros são Bartosz Leszczynski e  Marcin Piechota, dois polacos que, como se sabe, são os habitantes da Polónia.
Ora, a Polónia não é de perto nem de longe um país de leste, se tivermos como ponto de referência a China. Para os chineses, todos nós devemos ser ocidentais.
Caramba, isto cada vez está mais parecido com o Festival da Eurovisão, com o contingente de leste a dominar os acontecimentos.
Só espero não ter de mandá-los para a ...Piechota,sua mãe.

Para quem tiver coragem para ver como se portam os nossos bravos campeões, pode seguir o jogo aqui (clicar) ou aqui (clicar) ,a partir das 20 horas.