quarta-feira, 4 de abril de 2012

Eu é que sou o ...Presidente da Junta


Segundo noticia hoje uma publicação desportiva, "O presidente da Junta de Freguesia de Odivelas, Vítor Machado, criticou  a Câmara local por ter estabelecido um acordo com o Sporting para a criação de um polo desportivo no concelho sem consultar também o Benfica.
Na terça-feira, o presidente leonino, Godinho Lopes, anunciou que tinha estabelecido um "acordo" com a Câmara de Odivelas, para a instalação de um polo desportivo no concelho, para receber várias modalidades do clube, nomeadamente andebol, futsal, râguebi e ainda a futura equipa B.
O presidente da Junta de Freguesia de Odivelas, Vítor Machado (PSD), manifestou-se surpreendido com este acordo e criticou a Câmara Municipal, de maioria socialista, de "não ter uma palavra" também com a SAD do Benfica.
"Acho esta situação estranha e lamentável por várias razões. Primeiro porque a Junta de Freguesia não foi ouvida neste processo e depois porque inicialmente estavam em negociações com o Benfica e agora aparece o Sporting", apontou o autarca.
"Deixa-se o Odivelas, que é um clube da terra, morrer para privilegiar um acordo com um determinado clube. Será que procuraram saber se havia outros clubes interessados e até com condições mais vantajosas para o concelho?", interrogou.

Esta notícia parece querer relegar para a politica o diferendo entre Câmara Municipal e Junta de Freguesia mas, a meu ver, é uma vez mais a clubite exacerbada, de que determinados agentes não se conseguem abstrair.
Já se tornou normal que algumas classes releguem para segundo plano a imparcialidade a que os seus postos obrigam, e ainda recentemente tivemos oportunidade de assistir a um orgasmo de João Gobern, em directo , aquando de um golo da sua equipa contra o Braga.
Já deixaram de estranhar tomadas de posição das instâncias que superintendem o futebol ou a justiça, só para citar alguns, pelo que a política não iria, certamente, fugir aos desvarios clubistas.
Curioso é que, ao lermos a notícia, não nos apercebemos de qualquer preocupação deste autarca em consultar o Sporting (ou o Belenenses, ou o Atlético, o Oriental, o Estrela da Amadora...ou quem sabe o Casa Pia), quando estiveram em negociações com o Benfica.
Depois do Pavilhão Atlântico ter surgido ligado ao interesse dos dois emblemas, parece que os interesses comuns continuam a convergir na mesma direcção.
O Sporting continua a ser unanimemente considerado o expoente máximo do ecletismo no desporto português mas, paradoxalmente, é dos grandes o que piores condições proporciona aos seus atletas.
Mesmo que os seus rivais tenham podido e sabido gerir os recursos postos à sua disposição, com a reforma das infraestruturas pós-Euro 2004, parece que alguns continuam incomodados com a tentativa do Sporting em recuperar o lugar que lhe pertence.
Esta solução de recurso ainda não deixará os milhões de sportinguistas orgulhosos, mas dará outra dignidade e estabilidade às modalidades abrangidas, mas pelos vistos terá ainda um Presidente da Junta com que se bater.
Pode, em último caso, ser este outro sportinguista ilustre, sempre lesto a defender outros interesses. Já temos um em posição de relevo, no caso no topo da hierarquia da arbitragem, com os resultados conhecidos.