segunda-feira, 7 de outubro de 2013

As conquistas europeias

Hoje faço um pequeno interregno nas minhas crónicas e vou ceder este espaço ao meu grande (em todos os sentidos) e bom amigo, Henrique Salgado.
Para ele, (tal como também disse João Benedito) só há um Sporting.
Não faz diferenciação entre o futebol e as modalidades, e as vitórias (como as derrotas) vive-as todas com a mesma intensidade.
Apesar de quase todos os sportinguistas se vangloriarem do ecletismo do clube, só uma minoria se identifica com toda e cada uma das secções.
O Henrique é uma dessas pessoas e, na sua incessante tarefa de catalogar a vida do Sporting, decidiu recuperar todas as vinte e duas conquistas europeias do nosso Clube e, com o seu peculiar rigor, revela datas, locais, nomes dos intervenientes (técnicos e jogadores) e, inclusivamente, os adversários derrotados.
Este texto foi divulgado numa publicação do Núcleo Sportinguista de Castelo Branco, há alguns meses atrás.
Resta esperar que, em breve, o amigo Henrique possa actualizar este relato, o que seria sinónimo de novas conquistas do leão.


“Queremos que o Sporting seja um grande Clube, tão grande como os maiores da Europa”
 José Alvalade, 8 de Maio de 1906

José Alfredo Holtreman Roquette, fundador e primeiro Sócio do Sporting Clube de Portugal, deixou a frase-legado, para que as gerações seguintes se encarregassem de a terem como bitola e alcandorarem o nosso Clube, a patamares bem elevados. Numa História já Centenária, as vinte e duas conquistas europeias, colocam o Grande Sporting, como o terceiro mais ganhador, a nível de vitórias continentais, apenas superado pelos colossos espanhóis: FC Barcelona (um portento de Ecletismo vencedor) e Real Madrid CF (futebol e basketball muito fortes).

Tudo começou em 1964, a 15 de Maio, em Antuérpia (Bélgica), na finalíssima da Taça dos Vencedores das Taças (Futebol), ante o MTK Budapest (Hungria), com os onze heróis: Carvalho, Pedro Gomes, Alexandre Baptista, Fernando Mendes, José Carlos, Pérides, Géo, Osvaldo Silva, Mascarenhas, Figueiredo e Morais; treinador: Anselmo Fernandez. Foi o dia do cantinho do Morais…

1977: em (menos de) meio ano, o Sporting Clube de Portugal, sagra-se Campeão Europeu, em duas modalidades diferentes… 6 de Fevereiro, Palência (Espanha), Taça dos Clubes Campeões Europeus de Corta Mato, com Carlos Lopes, Fernando Mamede, Aniceto Simões e Carlos Cabral; treinador: Moniz Pereira, batendo a equipa local, o Educación y Descanso Palencia. A 18 de Junho, em Villanueva (Espanha), frente à equipa da casa, o Hóquei em Patins acaba com o domínio espanhol na competição (pleno de vitórias até então) e com uma vitória por 6-3 (somado ao 6-0 da 1ª mão), coloca no Olimpo do Aléu: Ramalhete, Carmelino, Sobrinho, Livramento, Chana, Jorge, Garrido, Carlos Alberto e Rendeiro; treinador: Torcato Ferreira.

1979: no dia 4 de Fevereiro, em Arlon (Bélgica), batendo os belgas do RFC Liége, Fernando Mamede, Aniceto Simões, Carlos Lopes, Rafael Marques e Fernando Miguel; treinador: Moniz Pereira, trazem para o museu do clube, o 2º título europeu de corta mato (consecutivo, pois a prova não se realizou em 1978) e 4ª conquista europeia no total das diversas modalidades.

Em 1981, tivemos o privilégio de voltar a ter duas modalidades vitoriosas na Europa: a 2 de Fevereiro, em Varese (Itália), o corta mato, campeão europeu, acabando à frente dos ingleses do Tipton Harriers, com Fernando Mamede, Carlos Lopes, Aniceto Simões, Rafael Marques e Bernardo Manuel; treinador: Moniz Pereira e a 27 de Junho, o hóquei em patins, com a vitória na Taça dos Vencedores das Taças. O pavilhão de Alvalade, ao rubro, ajuda à reviravolta ante os espanhóis do Cibeles (na 1ª mão, derrota, por 4-1), com um espectacular 7-2 (após prolongamento). Os heróis: António Fernandes, Vítor Rosado, Sobrinho, Chana, Salema, Carvalho e José Rosado; treinador: António Livramento. A contabilidade subia para 6 títulos europeus…

Clusone (Itália): a 30 de Janeiro de 1982, 4ª Taça dos Clubes Campeões Europeus de Corta Mato e com um gosto especial, pois o vice-campeão, foi o FC Barcelona (Espanha), numa fase de aposta no atletismo por parte deste grande clube. A conquista foi pela margem mínima (1 ponto) e treinados por Moniz Pereira, os atletas Leoninos, foram: Carlos Lopes, José Sena, Joaquim Pinheiro, Bernardo Manuel e Rafael Marques.

1983, novamente a 30 de Janeiro, em Lyon (França), deixando para trás, os italianos do Pro Patria Milano, fazíamos o Tri (consecutivo) na europa do corta mato e para esta 8ª conquista europeia global, os atletas (treinados por Moniz Pereira) foram: Fernando Mamede, Carlos Lopes, Ezequiel Canário, Hélder de Jesus, Artur Pinto e Rafael Marques.


Se 1977 foi o ano das duas Taças dos Campeões Europeus, em 1984, fazíamos pela 3ª vez, uma dupla conquista e fechávamos um ciclo de ouro, no hóquei em patins. A 5 de Fevereiro, nas Açoteias (Albufeira), sob as ordens do “Senhor Atletismo” e batendo os espanhóis do M.A.M., o Tetra, ficou a cargo de: Fernando Mamede, Carlos Lopes, Ezequiel Canário, Rafael Marques, Joaquim Pinheiro e Hélder de Jesus. No hóquei em patins, no dia 7 de Julho, a Taça CERS ruma a Alvalade, sendo o Sporting CP, o 1º clube a conquistar as 3 provas europeias da modalidade. Depois do 1-4 da 1ª mão, o Novara (Itália) viria a sentir a força Leonina, pois a remontada em Lisboa, foi impiedosa: 11-3! Sob o comando do Mago António Livramento (extremamente ofendido pelo treinador dos italianos, o inenarrável Battistela), consagraram-se: Ramalhete, Serra, José Rosado, Realista, Trindade, Luís Nunes, Sérgio e Campelo. Chegávamos aos dois dígitos; 10 triunfos europeus, em 3 modalidades diferentes!

1985: mais um ano de conquistas aos pares! De volta às Açoteias, a 3 de Fevereiro, sempre sob as ordens de Mário Moniz Pereira, o Penta (7 no total) na competição, era assegurado pelo sexteto constituído por: Carlos Lopes, Ezequiel Canário, Fernando Mamede, Rafael Marques, Dionísio Castro e Hélder de Jesus. O Pro Patria Milano, de Itália, voltava a ser batido… A 29 de Junho, o hóquei em patins conquistava a sua 4ª prova europeia, bisando na Taça dos Vencedores das Taças, com uma vitória por 8-4, ante os alemães do Walsum (empate a 4, em terras germânicas). O Mestre Luiz Barata era o treinador de uma briosa e humilde equipa, composta pelos elementos: Ramalhete, Serra, José Rosado, Campelo, Trindade, Serginho, José Carlos e Oliveira.




O Hexa na Taça dos Clubes Campeões Europeus de Corta Mato, aconteceu a 2 de Fevereiro de 1986, novamente nas Açoteias, Moniz Pereira (muito abraçado por João Rocha, no final) voltava a liderar a armada Leonina, ante os fortíssimos italianos do Pro Patria Milano. Foi a vitória da coesão e da renovação, com uma equipa de “seis irmãos” (citando Fernando Mamede): Fernando Mamede, Ezequiel Canário, Domingos Castro, Dionísio Castro, Carlos Capítulo e Joaquim Pinheiro. Vitória europeia do Clube, número 13…

1989: o regresso aos títulos. Dia 5 de Fevereiro: seis atletas nos 8 (!) primeiros lugares e os espanhóis do Dyc Segovia a serem os campeões dos terrestres; é que o Sporting CP foi de outro planeta. Domingos Castro, Fernando Mamede, Fernando Couto, Dionísio Castro, Joaquim Pinheiro e Carlos Patrício, superiormente comandados por Mário Moniz Pereira, obtiveram para o Clube, a 9ª vitória na prova. De referir, a enorme falange de apoio, que viajou de Lisboa, para apoiar os nossos atletas. Histórica transfeta da Torcida Verde…

4 de Fevereiro de 1990; o ladrão volta sempre ao local do crime… não é nada criminoso o sucedido, apenas talvez os adversários se queixassem então, do Sporting lhes roubar a hipótese de sonharem… desta vez, foram os franceses do C. Marignane S.A., que viram os comandados de Moniz Pereira, voltarem a ganhar; foram eles: Dionísio e Domingos Castro, Carlos Patrício, Eduardo Henriques e os “Fernandos”, Couto e Mamede.






5ª vez que num ano, o Clube conquista duas provas a nível Continental: a 10 de Fevereiro, em Marignane (França), numa luta acérrima com o ART Alicante (Espanha), Domingos Castro, Dionísio Castro, Alberto Maravilha, Eduardo Henriques, João Junqueira e Fernando Couto, com estratégia do inevitável Moniz Pereira, garantem a 11ª Taça dos Clubes Campeões Europeus de Corta Mato e 3ª consecutiva, preparando-se nova saga. A 8 de Junho, o 5º troféu europeu de hóquei em patins (3ª Taça dos Vencedores das Taças), contra os italianos do Novara (duas vitórias, 7-6 em Itália e 5-2 na esgotadíssima Nave de Alvalade). Treinados por José Carlos, foram heróis: Chambel, Fanã, Campelo, Luís Rodrigues, João Pedro, Zorro e Leste. E o total do Clube, já ia em 17…

1992, Fevereiro, 3, Alicante (Espanha) … 18º troféu do Velho Continente para o Clube, 12º título no corta mato (a 1ª participação, foi 15 anos antes) e os espanhóis da Reebok Tossal, a ganharem a corrida “dos outros”. Última conquista europeia de Mário A. F. Moniz Pereira, enquanto treinador e os atletas vencedores foram: Domingos Castro, Carlos Monteiro, Eduardo Henriques, Dionísio Castro, Alberto Maravilha e João Junqueira.

O novo técnico do corta mato Leonino, Bernardo Manuel, liderou as tropas, que nas Açoteias, a 7 de Fevereiro de 1993, bateram os também portugueses, do Maratona CP, com Domingos Castro, João Junqueira, Paulo Guerra, Carlos Monteiro, Carlos Patrício e Dionísio Castro, a brilharem, numa das vitórias mais retumbantes, de todas as até aí conquistadas. Só em 1989, a prestação colectiva havia sido superior…




1994, 6 de Fevereiro… mais um Hexa no Corta Mato (a 2ª série de 6 triunfos consecutivos) … em Amorebieta (Espanha), novamente sob o comando de Bernardo Manuel, com os espanhóis da Reebok RC em segundo, foram campeões: Domingos Castro, Ezequiel Canário, Carlos Monteiro, João Junqueira, Eduardo Henriques e Alberto Maravilha.

Maio, 28, do ano 2000; em Vila Real de Santo António, numa vitória por meio ponto (!), sobre os russos do Luch, o atletismo de pista do Sporting CP, sagrava-se campeão europeu. Sob as (sábias) ordens do Prof. Mário Moniz Pereira, estiveram os grandiosos campeões: Francis Obikwelu (100m, 200m e 4x100m), Rui Palma (110m barreiras), Victor Jorge (400m, 4x100 e 4x400m), Carlos Alberto Silva (400 m barreiras e 4x400m), João Pires (800m e 4x400m), Rui Silva (1.500m e 3.000m), Vítor Almeida (3.000m obstáculos), Hélder Ornelas (5.000m), Silvester Omadiale (4x100m e 4x400m), Carlos Calado (Salto em Comprimento, Triplo-Salto e 4x100), Jonas Mattes (Salto em Altura), Fernando Alves (Lançamento do Peso e Lançamento do Disco), Vítor Costa (Lançamento do Martelo) e Filipe Ventura (Lançamento do Dardo).

Maio de 2010, 29, no Feijó (Complexo “Cidade de Almada), a 22ª conquista europeia do Clube, na 4ª modalidade diferente. O Andebol Leonino conquistou a Challenge Cup, numa final a duas mãos, ante os polacos do MMTS Kwidzyn; na 1ª mão, no país do leste europeu, vitória por 27-25; no pavilhão da Margem Sul do Tejo (com memorável enchente), nova vitória, desta feita por 27-26. O treinador Paulo Faria teve ao seu dispor, para esta data histórica: Humberto Gomes, Ricardo Correia, Bosko Bjelanovic, Vladimir Petric, Pedro Solha, Mitja Lesjak, João Pinto, Fábio Magalhães, Carlos Galambas, Bruno Moreira, Ricardo Dias, Pedro Seabra, Hugo Rocha e Pedro Portela.




Poder-se-ia dizer muito mais, mas não é preciso. Talvez apenas “perguntar”, o que chamaríamos ao nosso Grande Clube, se as presenças em finais europeias (e mundiais), em outras modalidades, se têm convertido em títulos? Relembram-se apenas os três vice títulos europeus de Bilhar (1996, 2002 e 2005), a final perdida em Horseball (2007), a derrota nas areias, no Mundialito de Futebol de Praia (2011), a angústia em terras cazaques do nosso Futsal (2011) …

Obrigado, José Alvalade.

Henrique M. L. Salgado
Sócio Sporting Clube de Portugal
Assinante “Jornal Sporting”
Sócio “Leões de Portugal”
Elemento da Mesa da Assembleia-Geral dos Núcleos: Concelho de Mafra, Vila da Carapinheira e Vendas Novas

Obrigado ao Pedro Hélder Maia; impossível fazer isto sem a ajuda de http://www.sportingcanal.com/