sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Tromba gigante

É já no próximo Domingo que o Sporting recebe o modesto Alba, dos distritais de Aveiro, em jogo a contar para a 3ª eliminatória da Taça de Portugal.
Esta prova é pródiga em surpresas mas, dada a diferença de qualidade, grandeza, história, orçamento, massa adepta...e um sem-fim de comparações, tudo o que não seja a vitória do Sporting poderia entrar para o capítulo de escândalos e, também, do anedotário do futebol nacional.
Longe parecem ir os tempos dos verdadeiros “tomba-gigantes”, pois esses grandes feitos são cada vez mais raros, mesmo que o futebol esteja cada vez mais nivelado.
Estes confrontos David/Golias faz-me sempre recordar a equipa do Cabeça Gorda, da A.F.Beja, e na época 1980/81 promovido à 3ª divisão nacional. Apesar de não ter eliminado um dos grandes do futebol nacional, passou duas eliminatórias à custa de equipas da 1ª divisão (Leixões e Penafiel, então treinado por António Oliveira).
Por essas alturas, se bem me recordo, as equipas pequenas…ou as minúsculas, só pensavam em perder por poucos.
Sair de Alvalade ou daquele outro estádio que fica lá perto, com menos de uma mão cheia, já era um feito.
Entretanto os tempos foram mudando, os conhecimentos e métodos de trabalho, também eles, se foram globalizando, e a verdade é que, actualmente, até as pequenas ou minúsculas equipas são capazes de olhar nos olhos, quase qualquer um.
A juntar a isto, o Sporting também atravessou um período tão negro que, sem fazer qualquer tipo de bluff, quase qualquer equipa se achava capaz de nos vencer.
Dado que as nuvens mais negras que pairaram sobre Alvalade parecem estar a desvanecer-se, e a permitir que se vislumbre um sol radioso, é com alguma admiração que reparo que os jogadores e equipa técnica do Alba parecem ainda não acreditar que essas nuvens se tenham dispersado.
Se o treinador diz que num dia bom do Alba e num dia mau do Sporting é possível vencer em Alvalade, também o capitão Zé Bastos alinha pelo mesmo diapasão.
Já os adeptos da simpática (até ver) equipa parecem ser mais pragmáticos, e a frase “Vamos lá mais para a festa, porque a gente sabe que vai perder. Quando um gato vai lutar contra um leão é um problema.” é sintomática e realista.
Claro está que as maiores ou menores dificuldades poderão começar ou acabar nos nossos jogadores. No entanto, acredito que Leonardo Jardim os saiba motivar para que possam não só brindar com uma boa exibição e resultado aos muitos adeptos que se espera venham a estar presentes, como que permita aos jogadores menos utilizados que possam ir ganhando rodagem para os muitos quilómetros que faltam percorrer até final da época.

Quem também quer que o Alba vença em Alvalade é João Alves, o ex-jogador  e treinador da formação do Benfica, que foi presidente do pequeno clube em meados dos anos 80.
Se tudo correr normalmente, em lugar de um tomba-gigantes poderá haver um com a tromba gigante!!