terça-feira, 1 de outubro de 2013

No Fresco do Dia

A Assembleia Geral da SAD do Sporting reuniu-se ontem e aprovou as quatro propostas que foram postas a votação.
Para lá do Relatório e Contas, foi também aprovado o salário de Bruno de Carvalho (5 mil euros brutos) que terá, contudo, de ser ratificado em AG do clube.
Já se falou acerca deste tema, mas acredito que a notícia vá provocar novo incómodo a alguns sportinguistas perante esta realidade, bem como relativamente aos valores conhecidos.
Apesar do bom momento do clube, tendo em conta o cenário fantasmagórico que nos assombrava há poucos meses atrás, parece haver quem demonstre ter saudades desses tempos, e parece querer reavivar essas memórias, ao proferir comentários, no mínimo, pouco éticos.
Não está no meu ADN fazer uma vénia a tudo o que me é posto à frente dos olhos (bem pelo contrário), nem dizer ámen a qualquer discurso mas, no caso concreto do salário de BdC, se medir o que deverá ser a realidade de alguns clubes, não considero um valor pornográfico.
Há aqueles que teimam em compará-lo com a realidade do país...com o ordenado mínimo...com o vencimento do Presidente da República que mal dá para as despesas, ou com o de um qualquer trabalhador qualificado.
No entanto, não me parece justo comparar um quilo de alfarroba com uma gaja boa.
Os jogadores de futebol de clubes ricos ou remediados também auferem valores que farão corar Obama ou Tiririca, tidos com estando entre os homens mais influente do mundo, mas a bitola não é essa, feliz ou infelizmente.
A bitola será o mundo do futebol, e tentar enquadrá-lo nas diferentes realidades.
Falando em exemplos, há quatro dias atrás li que César Lendoiro, presidente do Deportivo da Corunha, um clube falido que foi salvo de fechar as portas neste Verão e que a uma hora do fecho das inscrições foi permitida a sua inscrição na 2ª divisão espanhola, sofreu uma brusca redução do seu salário, ordenado por um juíz mandatado pela Assembleia de Credores do clube galego, passando a auferir 7 mil euros brutos mensais.
Ora aqui está uma boa comparação.
Lendoiro, que certamente recebia um valor indigno, irá ainda assim receber mais que BdC, ficando por saber que prémios haverá pelo meio...em qualquer um dos casos.
É que, pelo menos no caso do Fucólporto, os pistaccios (ou prémios) que recebem à margem do vencimento são um pouco mais que migalhas.
Por exemplo, no ano 2009, Pinto da Costa receberia 300 mil euros se a equipa ficasse em 2º ou 3º lugar no campeonato, a juntar aos 900 mil anuais que recebia. Caso vencesse o campeonato, aos 900 mil juntar-se-iam 675 mil, e mais 900 mil se vencesse a UEFA.
No caso da Champignons League, o valor ainda seria superior.
Isto, numa SAD com um passivo de cerca de 220 milhões de aerios, enquanto o do Sporting estará um pouco acima dos 250 milhões.
Posto isto, BdC terá um vencimento que será de 7%, relativamente ao do monocórdico do Norte, auferidos em 2009.
Suponho que nos tempos mais recentes tenha sofrido os necessários aumentos, fruto da inflacção, para o pobre homem não perder poder de compra.
É que a vida está pelos olhos da cara, seja no Fresco do Dia...ou no Calor da Noite.