sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Vão rolar cabeças

Em pezinhos de lã, a Liga Zon está prestes a completar um terço de prova decorrido.
Hoje arranca a 9ª jornada, na qual o Sporting terá que enfrentar um borrego que já viveu demais.
A teimosia do Marítimo vencer em Alvalade já o transformou num vigoroso carneiro.
Se é verdade que o clube leonino tem uma vantagem esmagadora no histórico com a equipa insular, também ressalta o facto de não vencermos esta equipa, em jogos caseiros para o campeonato, desde Agosto de 2010.
Daí para cá já vencemos uma vez na Pérola do Atlântico e uma outra vez, em Alvalade, para a Taça de Portugal, mas para a competição maior do nosso futebol parecemos estar encalhados.
O jogo irá servir para atestarmos a capacidade da nossa jovem equipa em ultrapassar o peso da derrota do último fim-de-semana.
Foi uma derrota dolorosa porque foi contra um rival directo, porque permitiu que essa mesma equipa ficasse a uma distância considerável, porque permitiu que o outro rival se colasse na classificação, porque o clube foi muito maltratado naquele antro e, evidentemente, porque a equipa não foi em nada inferior ao adversário.
Por tudo isto, queremos saber como irão reagir a este primeiro resultado negativo da época.
A imprensa costuma dizer que em equipa que ganha não se mexe e, talvez por isso, vão avançando que vão haver alterações ao habitual 11 leonino.
De qualquer modo, não acredito que Leonardo Jardim vá colocar de início os 3 jogadores apontados pela Comunicação Social (Dier, Vítor e Capel).
Estou mais inclinado a que, no máximo, possam existir duas alterações à equipa que entrou no Dragão.

Mas, quando falamos em nomes, tenho sempre grande interesse em saber o nome e apelido do homem nomeado para ajuízar as incidências dos nossos jogos.
Desta vez saiu-nos Bruno Esteves, árbitro que não foi incluído na 1ª fase de profissionalização da arbitragem, que terá hoje o seu início.
Ou seja, esta 6ª feira fica marcada pelo fim dos casos de arbitragem de amadores muito bem pagos, para passar a ser marcada pelo início dos casos de arbitragem pricipescamente pagos a profissionais.



Olhando para o currículo do setubalense, fico sem ter a certeza se temos muito azar com este árbitro, ou se um outro clube é que é muito competente.

A verdade é que Bruno Esteves parece ser um verdadeiro abono de família para o benfica, algo que pode valer a dobrar quando se está em igualdade pontual.

Época 2010/11
Sporting 3 Naval 3
Benfica 2 P.Ferreira 0


Época 2011/12
Feirense 0 Porto 0
Benfica 4 P.Ferreira 1
Benfica 5 R.Ave 1
P.Ferreira 1 Benfica 2
Porto 3 B.Mar 0

Época 2012/13
Benfica 4 Nacional 0

R.Ave 2 Porto 2
Sporting 0 Académica 0
R.Ave 0 Benfica 1
Braga 1 Benfica 2
Académica 0 Porto 3


Época 2013/14
Guimarães 0 Benfica 1


Mas, como o encontro só está marcado para amanhã, às 20.15, as horas que antecedem o embate vão sendo gastas na restante actualidade.
Achei curiosas as notícias onde estão incluídos dois dos maiores clubes que existem entre os rios Douro e Cávado.

Logo à cabeça, o facto de um grupo de associados do braga querer alterar a data da fundação, de 1921 para 1914.
A moda parece estar a pegar, pois o porto também se tornou quase filho de pai incógnito, depois de no legado de Pinto da Costa ter recuado a data de fundação de 1906 para 1893.
Agora só falta mesmo que o benfica descubra modo de voltar a alterar a data da sua fundação, depois de considerarem que o mais rico e recente Sport Clube Benfica foi absorvido pelo mais antigo e decadente Sport Lisboa.
No meio desta selva vai sobrevivendo o Sporting Clube de Portugal, que continua com a sua cronologia bem clara e definida, um pouco à imagem das fronteiras de Portugal, tidas também como das mais definidas e antigas que existem.

Mas também é de realçar a notícia de que braga e porto lideram uma "rebelião" visando destituir com justa causa o presidente da L.F.P.
Diz a notícia que os clubes querem a cabeça de Mário Figueiredo.
Depois de ontem ter visto a fotografia de Pinto da Costa com o Papa, de onde foi retirada a cabeça de Carolina Salgado, já começo a acreditar que vão rolar mais cabeças.