domingo, 18 de agosto de 2013

Mão cheia

Começo a escrever estas linhas quando o jogo do Sporting chegou ao intervalo.
Fazer um balanço, neste momento, afigura-se deveras arriscado, porque sou tão céptico que desconfio mesmo que o Sporting esteja a vencer por 2 golos de diferença, a 2 minutos do final.
No entanto, esta primeira parte faz-me estar com um sorriso nos lábios, ainda que falte uma eternidade para o fim do jogo.
Apesar de o Sporting só ter começado a criar perigo perto dos 10 minutos de jogo, a verdade é que até esse momento já era evidente a superioridade da equipa leonina.
Só que, tal como todos nós sabemos, e até Jesualdo diagnosticou...em meia dúzia de dias ao serviço do nosso clube, o Sporting pode sofrer um golo no único remate que a equipa adversário faça à nossa baliza.
Foi isso que voltou a acontecer, o que poderia significar outra tarde de angústia e sofrimento.
Porém, o Sporting está diferente.
Pelo menos, nesta primeira parte.
A equipa demonstra confiança, qualidade, e a reviravolta no marcador até soube a pouco, dada a quantidade de oportunidades de golo criadas, sem sequer apertar muito no acelerador.
Se um ou outro jogador passaram ao lado destes 45 minutos, um houve que voltou a encher-me as medidas.
William Carvalho enche o meio campo e, ao invés de Rinaudo, põe a equipa a jogar, com uma qualidade e maturidade que impressionam.
Também nota positiva para Leonardo Jardim. Substituir antes do intervalo, sem que me tenha apercebido de qualquer lesão, não é para todos, e por vezes estranho que a maioria espere eternidades para alterar o que toda a gente vê que está mal.
Esperemos que a substituição venha ainda a dar mais frutos.
Além destes apontamentos, também gostei dos golos.
Montero, em jogada idêntica à que lhe valeu críticas num jogo de pré-época, mostrou que pode fazer a diferença.
Além disso, quando recua para receber a bola demonstra ter uns pezinhos de fazer inveja ao mais virtuoso. Rapidamente me faz recordar alguns ex-avançados com tijolos no final das pernas que passaram por Alvalade.
Também gostei do golo de Vinicius, a fazer-me lembrar os golos que Polga não marcou.
É Vinicius que o homem se chama, não é...ROC??

Vai começar a 2ª parte. Coração à larga!!

Acabou o jogo e, como imaginava, não me arrependi de escrever por antecipação.
Mesmo que o Sporting tenha começado a dominar na 2ª parte, a equipa adversária acabou por colocar a defesa e o coração dos adeptos leoninos em sobressalto, fruto de dois lances perigosos que poderiam ter custado o empate.
No entanto, a lógica e a qualidade voltaram a imperar.
O mesmo ritmo cadenciado do meio campo leonino, com meticulosos golpes cirúrgicos, acabaram com o Arouca, aos bocadinhos.
Houve momentos que chegaram a empolgar a assistência, mesmo que entremeados por mais uma ou outra desatenção defensiva que podiam ter minimizado a goleada.
Montero, tal como já o havia afirmado antes deste jogo...e no comentário da primeira parte, é de uma estirpe que não engana.
Pode, como qualquer outro, vir a ser vítima de menor rendimento colectivo ou individual, mas não estamos perante um qualquer Bueno e um fugaz jogo duma vida.
A equipa, contudo, ainda tem muito que evoluir, e não convém colocá-la num pedestal por uma goleada perante um estreante na primeira divisão.
Convém controlar a euforia, porque a esta equipa não se lhe pode colocar uma fasquia, após um mero jogo.
Como já foi referido amiúde, não se consegue passar do inferno ao céu em poucos meses.
Já que falamos em inferno, é curioso verificar que o Sporting marcou tantos golos no jogo de hoje quanto o Sporting do ano passado, à entrada para a 8ª jornada.

No entanto, os três principais objectivos para o jogo de hoje foram concretizados.:
1ª Vencer
2ª Vencer
3ª Vencer

Só depois aparecem os outros, que todos nós apreciamos, e que levam ainda mais adeptos aos estádios.

À falta de completar a jornada, o Sporting lidera a classificação, e teria que ir pesquisar o passado para encontrar um Sporting líder, mesmo à primeira jornada.

Até Coimbra, muitos parabéns a todos.