terça-feira, 6 de agosto de 2013

No batatal, viu-se um Sporting banal

Sporting 2 West Ham 3

Tal como tinha dito na antevisão do jogo, as derrotas são uma inevitabilidade, e vale mais que aconteçam agora, mesmo que eu não as deseje em nenhuma ocasião.
No entanto, pior que a derrota foi a exibição.
Pior mesmo que a exibição leonina, foi o estado lamentável do relvado.
Esse, não sabemos se pode melhorar.
O Sporting, tem mesmo de melhorar.

Se já tinha afirmado, após a vitória sobre a Real Sociedad,  que me entristece ver o Sporting actual (como o do ano passado, de há 2...ou 3 anos atrás) sem capacidade para ter a bola, gerir os tempos de jogo, seja em casa ou fora...por vezes mesmo com adversários de menor valia, hoje tivemos mais um exemplo desta realidade.
Eu sei que a equipa está em construção, e que não dispõe das mesmas armas que os rivais para formar uma equipa mais competitiva. Contudo, não deixa de ser uma constatação dolorosa.

O jogo com os ingleses até começou da melhor maneira, com um ataque prometedor e um remate perigoso de Carrillo.
Pura miragem.
O futebol directo do West Ham, com sucessivas bolas bombeadas para a nossa área, à procura de um remate de cabeça ou de uma segunda bola ganha pelos possantes avançados, deixou a defesa do Sporting em palpos de aranha, e em continuo sobressalto.
A equipa também não conseguiu ultrapassar o imediato pressing adversário, pelo que combatia o futebol 4x4 (todo o terreno) dos ingleses, e com uma agressividade um pouco à margem das leis do jogo, com pontapés para a frente, sem qualquer nexo.
Em contra-ciclo com o que aconteceu durante a primeira parte, surgiu o golo leonino. Se tinhamos começado bem, com o tal remate de Carrillo no primeiro minuto, terminámos ainda melhor, com um golo nos descontos.
Um penalti, numa confusão na área, permitiu que a equipa fosse para o intervalo em vantagem no marcador.

A segunda parte só podia trazer um Sporting melhor, e parecia que tal poderia acontecer quando, na melhor jogada de todo o encontro, Carrillo falhou o que poderia ter sido o 2-0.
Depois...nova cavalgada dos ingleses, falhas defensivas gritantes, e 2 golos em 2 minutos.
O primeiro, de lançamento lateral, nem é novidade. Contra o Valência, no jogo de apresentação aos sócios, em 2011, sofremos 3 na 1ª parte.
A jogada estudada do West Ham deixou em evidência alguma fragilidade e muita, muita ingenuidade.
O segundo e terceiro demonstraram algum desnorte, mas a única parte positiva, no meu entender, é que a equipa não baixou os braços, perante o avolumar do resultado, e partiu para cima do adversário, com a irreverência própria da juventude, e de uma equipa que não se dá por vencida.
Foi o melhor período do Sporting, e chegámos a acreditar no empate, pois os ingleses finalmente vestiram a pele de equipa inferior e se atrincheiraram na sua área.
Foram 10 minutos de não muito futebol mas de muita garra e querer.
Esperemos que na 4ª feira possamos ser presenteados com um melhor espectáculo.


Leonardo Jardim disse, no final do jogo, que "...fiquei com alguma pena de não terem (West Ham) apresentado um futebol de melhor qualidade.Não conseguimos pressionar porque eles metiam a bola logo na frente".
Pois, eu fiquei com pena de não ter visto mais Sporting.
Cada um luta com as armas que tem, e as deles foram mais eficazes.
Além disso, a equipa inglesa mereceu inteiramente a vitória, e foi melhor durante 90% do tempo de jogo, mesmo que me custe admitir.