domingo, 7 de dezembro de 2014

Arte dramática

O treinador dos lampiões continua a demonstrar a sua prepotência e ignorância, quase ao ritmo que pestaneja.
Depois de ter afirmado, em conferência de imprensa, que a sua equipa ainda não estava afastada da Europa após a derrota com o Zenit, esta semana teve o desplante de dizer que desconhece a legislação relativa aos empréstimos de jogadores em Portugal. 
Tal como foi amplamente discutido, os jogadores nem sequer estão emprestados pela lampionagem, e mesmo que fosse essa a situação contratual ainda assim não poderiam ser impedidos de alinhar contra o seu clube.

 “Não sei qual é a legislação em Portugal, nem qual é o acordo entre os clubes. Sei apenas o que sucede noutros países, onde os jogadores emprestados não podem ser utilizados nestas circunstâncias, pois é assim que está contratualmente decidido”.

Mas a prepotência parece não ter limites, e depois do famoso “limpinho, limpinho…” agora veio dizer “Ganhávamos à mesma!!” quando confrontado com a materialização da ausência dos jogadores.
A grandeza, ou falta dela, mede-se por actos…mas também por palavras.

Entretanto, a dupla era exibida no camarote do Estádio da Lã, quase de modo provocatório, junto aos jogadores do benfica.
Fez-me recordar a exibição provocatória da Taça da Liga, roubada ao Sporting perante o olhar atónito de todos.

Quanto ao jogo, que bem poderia ser designado como “Taça da Amizade”, parece que teve sentido único, pois talvez também estivesse contratualizado na altura da cedência dos jogadores.
Quem também se juntou à festa foi Manuel Oliveira.
Qual cineasta, produziu e realizou uma cena dramática encenada pelo grande actor Sálvio.
Resta saber quem escreveu o guião.

Se o Sporting caminha a passos largos para o recorde do mundo de autogolos numa só temporada, a lampionagem já terá batido largamente o recorde de jogos consecutivos com erros arbitrais decisivos em seu proveito.