segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Saída precária


Sou uma pessoa extrovertida, habituada a falar com toda a gente, e não me revi naquele ambiente. Estava fechado na academia praticamente o dia todo e só queria vir embora de lá. Surgiu a oportunidade de ir para os sub-16 do FC Porto e não hesitei. Já não aguentava mais a vida de prisão que levava no Sporting”

Quem o diz é Frédéric Maciel, jogador da equipa B dos corruptos.
O AINDA jovem jogador tem um percurso curioso.
Na época 2004/05 jogou nos sub11 do Esposende, nas duas épocas seguintes no Varzim, depois foi para Braga mas na mesma época ingressou no Sporting, onde passou dois anos. Na época 2009/10 foi para o Padroense e na época seguinte, finalmente, para o porto, onde se mantém até agora.
Com tanta viagem quase que sou obrigado a tomar um comprimido para o enjôo.
O rapaz passou por cinco clubes em seis épocas, e parece ter espírito de aventura, mas agora parece estar a ganhar juízo e calo no cu, pois está a criar raízes no Olival.

Este poderá ter sido o seu momento de fama, e aos 20 anos dá-se a conhecer a Portugal e aos sportinguistas, que nem faziam ideia de que tinham tido um Maciel na sua formação.
Com esta idade já Ronaldo estava em Manchester, depois de derramadas muitas lágrimas por, também ele, ter tido dificuldade em adaptar-se a uma nova realidade na Academia.
Nunca ouvi falar em prisão mas compreendo que, nos tempos que correm, a prisão domiciliária ou a prisão preventiva estejam na voga.
Apesar da liberdade que agora desfruta, estou em crer que ande com pulseira electrónica, porque aquela gente lá do norte não se costuma distrair com a vida dos jogadores nas saídas precárias.