segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Uma fava...à falta de uma fatia fofinha

Já tinha feito referência, em tom mais ou menos jocoso, acerca da nossa “falta de competência” nos sorteios das mais diversas modalidades.
A sorte voltou a ser madrasta e, mesmo com várias frutas cristalizadas no bolo que tínhamos à disposição, acabou por sair uma valente fava.

Eu sei que este bolo estava verdadeiramente armadilhado, e que o mais provável seria lascarmos um dente se fossemos trincar uma fatia de modo descontraído mas, francamente, podiam ter-nos deixado saciar o apetite antes de mais uma viagem à Alemanha.
E, de facto, o Sporting terá que contrariar a história para avançar um pouco mais na competição.
O adversário chama-se Wolfsburgo, que é uma cidade situada ali a meio caminho entre Paris e Varsóvia, e é o actual 2º classificado do campeonato alemão, apenas atrás do campeão por decreto, Bayern Munique.
É que, apesar da eliminatória ser disputada a duas mãos, o histórico com equipas alemãs é medonho.
Duas vitórias, cinco empates e 13 derrotas é o saldo desta cimeira luso-germânica, sendo que nos jogos fora apenas temos um empate para o penoso excedente de 9 derrotas.
A equipa alemã é, também ela, uma verdadeira torre de Babel, e onde por norma só joga um ou dois nativos.
Destacam-se o guarda-redes suíço Benaglio, que nos azedou alguns jogos quando jogava no Nacional, o defesa Naldo, que despontou no Werder Bremen, ou o também brasileiro Zé Roberto, que jogou em Munique na tristemente célebre goleada (tosse!!…a um). Quem também andou por lá foi o croata Olic, enquanto o seu compatriota Perisic jogou no campeão Dortmund. O cabeçudo dinamarquês Bentdner, depois de muitos anos no Arsenal e de ter sido associado a todos os grandes portugueses é lá que anda à caça de golos, e as bolas paradas serão terroríficas se este estiver em campo. Os belgas Malanda e De Bruyne, que teve uma breve passagem pelo Chelsea, têm forte peso no meio campo, onde também se destaca o francês Guillavogui, que não vingou no Atlético de Madrid.
Ou seja, uma equipa recheada de talento e de muita experiência, ao que o Sporting terá que responder com outras armas se não quiser abandonar a Europa no início de Março.

Mas nem tudo foi mau neste sorteio.
É que o Wolfsburgo também joga de verde, não é patrocinado pela Gazprom…e não nos saiu nenhuma equipa italiana, com as quais também não queremos ajustar contas.
Ah, e não esquecer que o Sporting já sobreviveu a um duelo com estes alemães.
Foi na Nextgen Series, em 2011, em que empatámos na Alemanha 0-0 e vencemos em Alvalade por 2-1, com golos de Betinho e Chaby.
À falta de uma comparação que nos anime, resta-nos esta consolação.