sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Impedimentos

O Sporting dá hoje no Bessa mais uma importante braçada para se manter à tona no campeonato.

Perante uma aguerrida equipa, que tirou pontos ao porto e não tirou ao benfica porque não deixaram, o Sporting irá certamente passar por dificuldades.
A proximidade do decisivo jogo da Champions não poderá ocupar a mente dos jogadores, ou arriscam-se a ficar sem nada de uma assentada.
O relvado sintético poderá ser apenas mais uma das dificuldades que irá encontrar, perante uns axadrezados que não irão contar com Mika, Philipe Sampaio e Brayan Beckeles, justamente expulsos no jogo contra o Marítimo.

Quem estranhamente talvez também não jogue é a influente dupla do Belenenses, na sua visita ao campo do benfica.
Deyverson e Miguel Rosa, bem como o treinador Lito Vidigal, estão à espera de ordens da entidade suprema que superintende o futebol.
Na época passada chegou a ordem para que estes dois e o paraguaio Rojas não fossem convocados, perante o desagrado do clube do Restelo, mas quem se baixa em demasia arrisca-se a que se lhe vejam os entrefolhos.
O curioso de mais esta caricata história do futebol português, é que nem os regulamentos permitem que qualquer jogador seja impedido de jogar pelo clube detentor do seu passe, nem sequer estes dois jogadores pertencem aos quadros do benfica.
O clube encarnado detém uma percentagem do passe de M.Rosa, e tem opção para a recompra de Deyverson, o que em termos práticos nada significa.
O que sim tem significado é a possibilidade de, uma vez mais, os regulamentos serem atropelados, perante a passividade das entidades que regulam o futebol, perante a indecência do clube prevaricador e perante a impotência do clube submisso.

Há não muito tempo foi notícia a tentativa do Chelsea em impedir que Courtois, o guarda-redes que estava emprestado ao At.Madrid, defrontasse a casa-mãe.
A UEFA foi intransigente, e ameaçou o clube inglês com sanções, pois (e cito) “A integridade da competição desportiva é um princípio fundamental”.

Courtois jogou mesmo, e o Atlético carimbou o passaporte para a final da Champions.
Por cá, a subalternização e o medo imperam, pelo que será de esperar que os jogadores fiquem uma vez mais a ver o jogo pela tv.
A não ser que…joguem “condicionados”.
Desculpem-me os puristas, mas já não acredito em fadas.