segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Pro Wrestling à portuguesa

Tenho uma mãe que, apesar de sportinguista, pouco liga ao fenómeno desportivo.
Gosta que o Sporting ganhe essencialmente por mim, e apenas fica um pouco incomodada quando a lampionagem faz demasiado chavascal no café que fica por baixo do apartamento.
Isto porque quando os corruptos ganham, lá no Algarve ouve-se o canto dos grilos.

Ontem, em conversa telefónica informal, perguntava-me se tinha estado a ver futebol.
Lá lhe estive a explicar que o Sporting tinha jogado na 6ª feira, e que não vejo a fraude que acontece nos jogos dos rivais.
Tentei explicar-lhe em poucas palavras, para não a entediar, que o líder da farsa chamada campeonato tinha sido beneficiado em 10 dos 12 jogos disputados, e que por esse motivo (entre outros) me recusava a assistir e que preferia ver na net o jogo Breidablik-Reykjavik…do campeonato islandês.

Reforcei que as ajudas estão todas documentadas nas crónicas e análises da comunicação social. Que não se trata de qualquer facciosismo ou mau perder.
Mas não é fácil compreender isto, parece demasiado surreal para alguém que não acompanha de perto o fenómeno desportivo português.
Por isso, tive que fazer uma analogia.

“Conheces aquele desporto que se chama Wrestling? Pro Wrestling? Aquela luta que é tudo a fingir? Pois, é tipo arte marcial, e contém uma mescla de artes cénicas. Os combates têm o resultado pré-determinado, e a coreografia já foi ensaiada para cativar e iludir o público. Pois, o nosso futebol é como o Pro Wrestling. Já se sabe o vencedor, mas o público deixa-se ludibriar pelo show-off e produção cénica. “

Eu sei que não é fácil, mas espero que a minha mãe tenha percebido.