segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Devia ter sido melhor...mas podia ter sido pior!!


Foi com um misto de alívio e sofrimento que acabei de assistir, há pouco, ao final do jogo do Sporting para a Bwin Cup.
Depois de um jogo pouco conseguido, à imagem do que vêm sendo as exibições da equipa, ainda assim o Sporting jogou o suficiente para sair do arejado Estádio dos Arcos com uma vitória.
Este jogo veio confirmar todos os sintomas mais recentes. Equipa algo curta de soluções, nomeadamente com um meio-campo defensivo extremamente brando e a não dar ligação entre a defesa e o ataque. 
Foi um jogo em que mais uma vez nos mostrámos perdulários, fosse pela insistente falta de capacidade de decisão no último passe ou, num tom mais crítico, pela falta de qualidade nas segundas linhas, quando o ponta-de-lança demonstra continuar em micro-ciclo.
Frente a um Rio Ave batalhador mas de um nível que a classificação demonstra, este primeiro jogo do ano veio confirmar o que os últimos tinham lançado como alerta. Salvou-se a entrega que a equipa demonstrou, no seu todo, mas pode não ser suficiente para as diversas frentes e as dificuldades que se aproximam.
Depois de um golo muito consentido, tanto pela abordagem de Boeck ao lance, como pela falta de concentração da defesa a um livre oferecido por André Santos, o Sporting foi acercando-se da baliza adversária, sempre com as tais lacunas referidas. Apesar disso, tive sempre confiança que chegaríamos ao golo, que poderá fazer toda a diferença  no futuro da competição, sendo que só dependemos de nós mas em que ficamos proibidos de ter mais algum deslize. A derrota que se verificava até 3 minutos do final deixava-nos dependentes dos resultados da equipa vilacondense. Com o golo de Onyewu basta-nos vencer os dois jogos em casa para carimbar a passagem às meias-finais, mas podendo ter que jogar com o goal-average do Rio Ave. Muito cedo para fazer contas, até porque o Gil Vicente é que vai comandar o grupo, pelo menos até á próxima jornada.
As alterações introduzidas por Domingos na segunda parte não redundaram em êxito, por força da capacidade física de Izmailov e Matias não ser a melhor, mas ainda assim foi possível ver pormenores interessantes de ambos. Já alargam o leque de opções disponíveis, até porque Capel e Carrillo voltaram a demonstrar que precisam de minutos no banco, mas ainda faltarão duas ou três semanas para os vermos a outro nível, e tanto o calendário como o relógio não param.
Apesar de raras vezes me dar por satisfeito com um empate, os 2 ou 3 últimos minutos de jogo acabaram por me fazer sorrir com o apito final, porque uma sucessão de desacertos e até uma primorosa assitência de Izmailov a Yazalde iam redundando na derrota leonina, mas desta vez Marcelo esteve em alto nível, e acabou por limpar o que de menos bom fez no lance do golo adversário.
Semana de duro trabalho espera Domingos, para tentar limar as muitas arestas que teimam em estar...aguçadas.