sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

A subserviência não tem fronteiras


Tal como previsto, Mateus (Nacional) já seguiu para a concentração da selecção angolana que vai disputar a CAN, enquanto Djalma (Porto) fica mais um par de dias, para fazer o jogo contra o Sporting. O jogador nacionalista tem que se apresentar 6ª feira (data limite para se apresentarem os seleccionados), enquanto o portista pode adiar essa incorporação.
É só um bocadinho, o Lito Vidigal não se deve importar.
A subserviência está no ADN dos países lusófonos, pelos vistos. Felizmente não temos nenhum jogador nessas condições, pois levaríamos o mesmo trato do Nacional. No entanto, fica uma pontinha de agradecimento aos (ir)responsáveis angolanos, pois no que toca a pedidos, também o Nacional gosta de fazer orelhas moucas, quando se trata de Sporting, em oposição aos pedidos (ou exigências) dos seus superiores.
Pode ser que Djalma em campo e Mateus na Tv, que Pinto da Costa e Rui Alves, levem nos próximos dias a merecida recordação de Alvalade.