quinta-feira, 29 de março de 2012

Presidente RIDÍCULO


Já estamos em contagem decrescente para a primeira das muitas finais que temos até final da época, mas só à hora deveremos saber com quem vamos contar para o jogo.
É que apesar de Capel e Izmailov terem sido convocados, não há garantias que façam parte dos 18 em quem recairá a responsabilidade de defender as nossas cores.
Da lista apresentada sairão 3 nomes, pelo que ao provável Tiago se juntarão mais dois, que bem podem ser os dois médios, se bem que eu preferiria que Ilori e Ribas (perdoem-me a sinceridade) fossem os eleitos.
Até à hora das grandes decisões vou lendo algumas notícias, e como há sempre uns meios de comunicação que andam atrasados, ou a reboque de outros, hoje voltam a ser mencionadas as declarações de Alexandre Kalil, presidente do Atlético Mineiro, acerca da abortada transferência de Matias.
Já ontem abordei esse tema, mas vou voltar a fazer uma última incursão para recordar um episódio passado com esse dirigente, e com o nosso clube.
Nos negócios, como noutros assuntos de extrema importância e interesse, não deve haver rancor mas, sinceramente, sermos passados por parvos e dar a outra face, é uma atitude pouco inteligente.
No famigerado  negócio Kleber, que o Sporting tentou adquirir para colmatar a saída de Liedson, uma vez mais ficou a ver navios, em detrimento do do costume, mas as versões nunca foram condizentes.
O Atl. Mineiro era quem detinha os direitos desportivos do jogador, mas o Marítimo era parte interessada no negócio.
O Porto, com as suas manigâncias habituais, passou por cima dos interesses do Marítimo e tentou negociar directamente com os brasileiros.
O Sporting teve um comportamento ético para com as partes interessadas, mas de nada lhe valeu.
O sujeito que agora tentou adquirir Matias Fernandez é o mesmo que, há sensivelmente um ano, dizia o seguinte:

“A proposta é ridícula. O Sporting quer pagar no final de 2012, dividir em quatro pagamentos, um valor menor que o Porto já tinha oferecido, é uma piada. Eu não me interesso se o Kleber e o Maritimo estão de acordo. O jogador é do Atlético e eu não ligo a mínima para o que o Kleber e o Marítimo pensam. Principalmente o Marítimo, que atrapalhou muito o Atlético numa parceria, na qual eu quis ajudar o Maritimo. Eu dei tudo de graça para o Marítimo. Em troca, ainda atrapalhou uma venda de 2,4 milhões de euros para o Porto, no meio do ano. Foi a retribuição que eu tive. Era uma venda para o Porto, sim. Eu só faço comprometimento com a minha mulher, não com o Porto. A proposta do Sporting é ridícula. É uma proposta ridícula!”.
Acontece que os documentos provaram o contrário, ou seja, que a versão do Marítimo sempre foi a verdadeira, e o Sporting ofereceu mais que o Porto e com as mesmas modalidades de pagamento.
Como na altura já desconfiávamos, o jogador acabou por ir para Norte, seguindo o exemplo de Paulo Assunção, Adriano...e outros.
Preferirem uma proposta inferior leva a pensar se não há outras formas de pagamento, como por exemplo sardinha em tomate ou pêssego em calda.
Como esta história já tem barbas, o que aqui me interessa é que este sujeito, de seu nome Alexandre Kalil, recusou uma proposta e apelidou-a de ridícula.
Kleber, um ilustre desconhecido, valia muito mais de 2, 5 milhões por metade do seu passe.
Agora, julgamos saber que pretende levar Matias, que foi considerado em 2006 o melhor jogador sul-americano, por uma verba a rondar os 3 milhões de euros.
Mas, será que houve mesmo início de negócio? Será que ninguém disse que esses valores são ridículos? Bom, pode ter havido a tentativa de adquirir a percentagem de um  passe...social, ou de um passe vite, ou de um passe partout, mas ainda assim alguém do Sporting deveria ter vindo a público dizer que esta proposta é RIDÍCULA!!
Mais ridículo ainda é negociar com estes parasitas, que nem sequer têm vergonha de papaguear à comunicação social inverdades que atentam o bom nome do Sporting, bem como o secundarizam relativamente a terceiros.