domingo, 28 de julho de 2013

Direitos e deveres

Elias revelou hoje, a um jornal local, que o motivo que o levou a abandonar o Sporting foram oito (8!!) meses de salários em atraso.
A confirmar-se a notícia, é mais uma vez lamentável que o nome do Sporting venha à baila pelos piores motivos. A direcção anterior parece um fantasma que teima em pairar.
Apesar disso, mais mês menos mês, não é notícia que me apanhe totalmente desprevenido.

Aliás, ao pensarmos na penosa época desportiva do clube e na falta de empenhamento da maioria dos atletas, leva-nos a crer que a situação seria extensível a outros jogadores.

No entanto, se o normal e ético será um profissional de qualquer metier ter os seus vencimentos em dia, qualquer que seja o valor em causa, há um pormenor que pode ter-se em consideração.
Se pensarmos que a maioria dos clubes da Liga Zon passaram por problemas semelhantes na última época, sem aparente decréscimo no rendimento desportivo, começa a deixar de fazer sentido que um qualquer jogador deixe de honrar os seus deveres, mesmo que estejam a espezinhar os seus direitos.

O caso mais emblemático poderá até ser o do Vitória de Guimarães.
Na última época enfrentaram imensas dificuldades, com meses de salários em atraso, o que chegou a obrigar o plantel a fazer greve aos treinos por forma a pressionar a direcção para regularizar a situação. Alguns jogadores do plantel rescindiram contrato, obrigando à promoção de jovens da equipa B.
Essa equipa que navegou em águas revoltas, ombreou com o Sporting e outras equipas até ao final por um lugar europeu, e culminaria a época com uma vitória histórica na Final da Taça de Portugal, diante do Benfica.

Dá que pensar a situação dramática por que passaram alguns jogadores, eventualmente também do Sporting, como dá que pensar que nem todos tiveram um brio profissional acima de qualquer suspeita.